Jornal do Commercio
DELAÇÃO PREMIADA

JBS pagou 150 milhões de dólares a Dilma e Lula em conta no exterior

Esquema sucessivo de pagamento de propina era feito por meio de negociações no BNDES e no fundo Petros

Publicado em 19/05/2017, às 14h25

Os pagamentos aos ex-presidentes eram feitos sucessivamente num esquema de propina no BNDES e do esquema-gêmeo, que funcionava no âmbito dos fundos Petros e FUNCEF / Foto: AFP
Os pagamentos aos ex-presidentes eram feitos sucessivamente num esquema de propina no BNDES e do esquema-gêmeo, que funcionava no âmbito dos fundos Petros e FUNCEF
Foto: AFP
JC Online

No documento de delação premiada firmada entre a PGR e o dono da JBS, Joesley Batista, consta o relato do empresário sobre pagamentos aos ex-presidentes Dilma e Lula por meio de contas abertas no exterior. Segundo o relato, Batista teria pago, por meio de Guido Mantega, ex-ministro da Fazenda do PT, US$ 80 milhões aos petistas, que tinham conhecimento do esquema de propina.

>>> CONFIRA DOCUMENTO NA ÍNTEGRA

Ainda conforme a delação, Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff tinham conhecimento dos pagamentos, frutos de um esquema dentro do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

O pagamento a Lula teria sido feito em 2009, por conta da aquisição, no mês de dezembro, pelo BNDES de debêntures da JBS, convertidas em ações no valor de US$ 2 bilhões. O negócio, que teve ação direta do então ministro da Fazenda, originou o pagamento de US$ 50 milhões ao ex-presidente Lula.

Já em 2010, Guido pediu para que Joesley abrisse uma nova conta no exterior, conta essa que passaria a ser utilizada por Rousseff. O negócio desta vez que originaria o pagamento da propina foi um financiamento de R$ 2 bilhões para a construção da planta de celulose da Eldorado, em 2011.



Guido Mantega interveio mais uma vez junto a Luciano Coutinho para que a negociação desse certo. O dono da JBS teria depositado então US$ 30 milhões numa nova conta, essa direcionada para Dilma. Segundo o documento, os dois petistas tinham conhecimento do esquema.

Os pagamentos aos ex-presidentes eram feitos sucessivamente num esquema de propina no BNDES e do esquema-gêmeo, que funcionava no âmbito dos fundos Petros e FUNCEF. Em 2014, o saldo das duas contas já somavam US$ 150 milhões.

Repasse a políticos e ao PMDB

A partir de julho de 2014, Guido começou a atuar no redirecionamento dos pagamentos a uma lista prévia de políticos e a membros do PMDB. No mesmo ano, Mantega avisou a Lula sobre o alto valor de contribuições oficiais por parte da JBS. O Montante já chegava a casa dos R$ 300 milhões.


Recomendados para você


Comentários

Por Marcos Mendes,20/05/2017

Engraçado que a Globo passa meia hora falando dos 2 milhões de Aecio, e 10 segundos dos 500 milhões de Lula/ Dilma... Eu só queria entender.

Por Santos,20/05/2017

Essa CORJA de "políticos" estão podres de ricos e, nós continuaremos pagando todos os impostos, que nos são "impostos" para manutenção dessa corja no poder. Mas, até quando ficaremos passivos?

Por Jose Maria,20/05/2017

Sei não, viu, mas se esse Marcelo Magalhães for casado e vier a levar uma boa gaia, é somente a mulher dizer que nada disso é verdade, que é coisa dos coxinhas. "Ah, eu já desconfiava. Esses coxinhas não têm jeito!", vai dizer ele. "Acorde, corno político!". Ah, serve também para o Macedo acima.

Por Almir,20/05/2017

Os devotos do PT, são iguais ao corno que leva gaia do bairro todo, mas faz a maior confusão quando sabe que o Ricardão da casa ao lado também tem um caso com a mulher dele!. Vocês foram traídos pelo Lula!!. Quanto aos outros, como a Aécio não há nada de surpreendente. O inacreditável é que com o complexo intrincado de evidencias contra o Lula ,por todos os lados, ainda tem gente berrando Lula 2018!!

Por Marcos ,19/05/2017

300 milhões só da JBS... ainda tem da OAS, Odebrecht, Eike Batista, etc... Lula deve ser hoje um dos homens mais ricos do mundo.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM