Jornal do Commercio
JBS

JBS teria dado propina para abafar rebelião do PMDB, diz delator

Ricardo Saud afirma a JBS acertou com Guido Mantega um repasse de R$ 43 milhões nas eleições de 2014

Publicado em 19/05/2017, às 19h00

JBS teria dado propina para abafar rebelião do PMDB em 2014 / Foto: Reprodução/Internet
JBS teria dado propina para abafar rebelião do PMDB em 2014
Foto: Reprodução/Internet
Estadão Conteúdo

Em depoimento ao Ministério Público Federal, o diretor da JBS Ricardo Saud relatou que, nas eleições de 2014, a empresa teria acertado com o então ministro da Fazenda, Guido Mantega, um repasse de R$ 43 milhões de "propinas dissimuladas" aos "coringas" do PMDB no Senado para abafar uma rebelião deles contra a candidatura à Vice-Presidência de Michel Temer na chapa de Dilma Rousseff. O delator contou que Temer, ao saber do acordo feito sem sua autorização, teria ficado "indignado" e acabou recebendo outros R$ 15 milhões.

Responsável pela Diretoria de Assuntos Institucionais e de Governo da JBS, Ricardo Saud disse aos procuradores, no último dia 5 de maio, que o dinheiro repassado a Temer foi tirado de um montante de R$ 300 milhões destinados inicialmente para o PT.

Antes, a partilha beneficiaria apenas os senadores Renan Calheiros (AL), Eduardo Braga (AM), Jader Barbalho (PA), Eunício de Oliveira (CE) e Valdir Raupp (RO).



Na delação, Saud contou que, em junho ou julho de 2014, o dono da JBS, Joesley Batista, após receber de Mantega a lista dos cinco peemedebistas beneficiários da propina, mandou entregar um "bilhetinho" a Michel Temer contando sobre o acordo.

Saud disse, na delação, que esteve na tarde de um sábado na residência de Temer em São Paulo para cumprir a missão dada por Joesley. Temer teria pedido para Saud adiar o repasse dos recursos.

"Ele (Temer) ficou indignado. 'Como assim? O que está acontecendo? Estou precisando assumir o PMDB. O PMDB está passando por cima de mim'", relatou Saud. "Ele (Temer) me pediu: 'Você consegue me dar dois, três dias, antes de conversar com os senadores para eu me movimentar e ver o que pode acontecer?'"


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM