Jornal do Commercio
crise política

Cristovam Buarque defende Cármen Lúcia na presidência interinamente

Senador também falou na manutenção de Henrique Meirelles no Ministério da Fazenda e Raul Jungmann na Defesa

Publicado em 22/05/2017, às 11h08

Para senador, renúncia dos presidentes da Câmara e do Senado seria um
Para senador, renúncia dos presidentes da Câmara e do Senado seria um "gesto de grandeza"
Foto: Agência Senado
Mariana Araújo

O senador Cristovam Buarque (PPS-DF) defendeu, em caso de afastamento de Michel Temer (PMDB) da presidência, que a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), a ministra Carmen Lucia, assuma o posto máximo do País. Para ele, seria um "gesto de grandeza" a renúncia dos dois nomes diretos na linha de sucessão - o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) e do presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE). Em entrevista ao Jornal do Commercio, o senador afirmou que o presidente Michel Temer devia um pedido de desculpas ao País.

"Um é do presidente da Câmara e do presidente do Senado entenderem que nesse momento, eles não são as melhores pessoas para encaminharem a eleição indireta de um presidente. Eles entendam, continuem no cargo de presidente de cada Casa, mas que o presidente interino por um mês seria a presidente do Supremo", disse o senador, em entrevista à Rádio Jornal na manhã desta segunda-feira (22).

Outro "gesto de grandeza" citado pelo senador seria a "renúncia" de deputados e senadores para concorrer à presidência na eleição indireta, prevista na Constituição. "Podemos buscar um nome nesse País, e há alguns, que possam agarrar a direção do País por um ano e meio e, nesse período, coordenar a manutenção da economia na linha que vai e que estava se recuperando. Ou seja, blindar a economia, blindar a segurança pública. O vandalismo vai se generalizar no Brasil, é uma guerra civil sem controle, a raiva, a voracidade. A segurança pública e as forças armadas. E conduzirmos a escolha do novo presidente pela eleição indireta", acrescentou.



ECONOMIA E DEFESA

Nesse sentido de manter a economia e a segurança, Cristovam Buarque defendeu a permanência dos ministros Henrique Meirelles na Fazenda e Raul Jungmann na Defesa, que pertence ao mesmo partido do senador. "Essas duas áreas, ao meu ver, qualquer que seja o resultado de tudo isso, devem ser preservadas, blindadas. Não podemos levar essas duas áreas os nossos debates políticos. Temos que dar um tempo até o próximo presidente eleito diretamente", declarou.

"Se não houver confiança entre os consumidores e os investidores de que a política econômica vai seguir um certo rumo, não vou nem dizer qual, não vai funcionar. Vamos voltar à recessão, vamos voltar à inflação, o dólar vai estourar. O Meirelles hoje representa a estabilidade nas finanças na economia. Da mesma maneira que o Jungmann representa a estabilidade no que se refere à segurança pública, porque é o governo federal que ajuda os Estados, e na relação com as forças armadas", acrescentou Cristovam.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM