Jornal do Commercio
Investigação

Henrique Eduardo Alves recebeu propina da OAS via conta de Michel Temer, diz MP

Henrique Eduardo Alves foi preso na última terça (6), na Operação Manus, da Polícia Federal

Publicado em 08/06/2017, às 09h38

Alves está preso acusado de fraudes nas obras da Arena das Dunas, em Natal / Foto: José Cruz/Agência Brasil
Alves está preso acusado de fraudes nas obras da Arena das Dunas, em Natal
Foto: José Cruz/Agência Brasil
Estadão Conteúdo

O Ministério Público afirma que a empreiteira OAS pagou propina de R$ 500 mil a Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), em 2014, via conta da campanha do então vice-presidente Michel Temer. A acusação está no pedido de prisão do ex-deputado e ex-presidente da Câmara, deflagrada na terça-feira, 6, na Operação Manus, da Polícia Federal.

De acordo com a investigação, em 11 de setembro de 2014, foi feito o repasse de R$ 500 mil "ilícitos", em forma de doação. O dinheiro teria saído da OAS para a conta de Temer. No mesmo dia, a soma foi transferida para o diretório estadual do PMDB no Rio Grande do Norte e, de lá, para a conta de Alves.

A transação ocorreu no mesmo ano em que o aliado de Temer e ex-ministro de Dilma e Temer foi candidato derrotado ao governo do RN. Segundo o MP, sua campanha recebeu aportes, via caixa 2 e propinas, das empreiteiras OAS e Odebrecht. Foram identificados 206 telefonemas entre Alves e Léo Pinheiro, presidente da OAS.



Alves foi preso por suspeita de fraude de R$ 77 milhões na obra da Arena das Dunas, em Natal. A OAS é a responsável pelas obras do estádio, construído para a Copa de 2014. A operação, desdobramento da Lava Jato, mira ainda em outro ex-presidente da Câmara, o também peemedebista Eduardo Cunha (RJ), preso desde outubro de 2016.

Segundo o MP, mesmo depois do fim do mandato como deputado federal, em 2015, e da saída do Ministério do Turismo, em 2016, Alves "continua a exercer intensa atividade política em âmbito nacional". "Durante as investigações, colheram-se dados, especialmente da empresa aérea Avianca, que indicam que, desde junho de 2016 até no mínimo abril de 2017, ele, apesar de não ter nenhum cargo no governo federal, viaja constantemente, com periodicidade praticamente semanal, entre Natal (RN) e Brasília (DF)", aponta o MP.

PMDB preocupa Ministério Público

Os constantes deslocamentos do aliado de Temer indicam, segundo o MP, que Henrique Alves "persiste atuando na mesma esfera de atividades na qual foram praticados os crimes ora investigados". "O quadro se mostra mais preocupante se considerar que, exatamente em 2016, até os dias de hoje, o partido político de Henrique Eduardo Lyra Alves, o PMDB, assumiu a Presidência da República, após processo de impeachment da anterior chefe do Executivo nacional", afirma a Procuradoria.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC recall de marcas 2017 JC recall de marcas 2017
Conheça o ranking das marcas que têm conseguido se manter no topo da preferência dos pernambucanos. O rol é resultado de uma pesquisa realizada pelo Instituto Harrop, há duas décadas parceiro do Jornal do Commercio na realização da premiação
10 anos do IJCPM 10 anos do IJCPM
O Instituto João Carlos Paes Mendonça de Compromisso Social (IJCPM) comemora 10 anos de história, contribuindo para transformar a vida de jovens de comunidades com histórico de desigualdade social nas cidades de Recife, Salvador, Fortaleza e Aracaju
Chapecoense: um ano de saudade Chapecoense: um ano de saudade
Um ano de saudade. Foi isso que restou. A maior tragédia do esporte mundial, no dia 29 de novembro de 2016, quando houve o acidente aéreo com a delegação da Chapecoense, em Medellín, na Colômbia, fez 71 vítimas. Entre elas, dois pernambucanos

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM