Jornal do Commercio
DECLARAÇÃO

Apoio de tucanos a Temer não deve ser 'irrevogável', diz Doria

O tucano está na cidade para um encontro de empresários no Hotel Copacabana Palace

Publicado em 19/06/2017, às 18h55

Doria também fez um balanço de seus primeiros seis meses na prefeitura, destacando programas como o Corujão da Saúde e o Cidade Linda / Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil
Doria também fez um balanço de seus primeiros seis meses na prefeitura, destacando programas como o Corujão da Saúde e o Cidade Linda
Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil
Estadão Conteúdo

O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), disse nesta segunda-feira (19) no Rio, que o limite do apoio de seu partido ao presidente Michel Temer é "a culpabilidade", e que este não deve ser "irrevogável" nem "interminável". O tucano está na cidade para um encontro de empresários no Hotel Copacabana Palace.

"Se houver uma situação que implique o presidente Temer numa culpa flagrante, evidentemente que o PSDB deve reavaliar esse apoio. Mas enquanto isso o PSDB não pode precipitar um juízo, e jogar para o alto uma circunstância em que você tem que defender o Brasil e, sobretudo, os brasileiros", disse o prefeito.

Ele declarou que o interesse nacional deve estar acima do partidário. "Você não pode ter uma atitude apenas partidária, ainda que com toda a legitimidade. Você tem que ter o pensamento no Brasil. É o que eu defendo".



O prefeito ressalvou em seguida: "Mas não é um aval interminável, um cheque para ser descontado a qualquer hora. Diariamente há se fazer uma revisão disso. Enquanto merecer a estabilidade governamental, com os ministros do PSDB, a meu ver o PSDB deve oferecer essa garantia. Mas não é em caráter irrevogável e interminável. Não se trata de fazer um jogo para defender a estabilidade partidária e a biografia partidária, e sim pela biografia do País".

Sobre as eleições presidenciais de 2018, repetiu o discurso que vem fazendo de que não se deve antecipar nomes. "Não me apresento como candidato. Ser um bom prefeito é uma boa contribuição para a democracia brasileira. Não creio que seja a hora de tratar desse assunto, e sim de tratar do Brasil".

Críticas

Doria voltou a criticar hoje o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). "É o maior sem-vergonha do País", afirmou.

"Ele vem querer dar aula de moralidade... Só se for de imoralidade. É um cara de pau, deu entrevista dizendo que o Brasil precisa do PT. Treze anos de PT quase transformaram essa geração de jovens em frustrados, desesperançosos. Os jovens não querem o País nas mãos de populistas outra vez", declarou Doria

Ele fez um balanço de seus primeiros seis meses na prefeitura, destacando programas como o Corujão da Saúde e o Cidade Linda.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva
Rodoviários: ''máquinas'' sem manutenção Rodoviários: ''máquinas'' sem manutenção
Carga horária excessiva, más condições de trabalho, terminais sem estrutura apropriada e os riscos ocupacionais aos quais estão submetidos. O transporte rodoviário está em quarto lugar entre as profissões com mais com comunicações de acidentes de trabalh
#UmaPorUma #UmaPorUma
Existe uma história para contar por trás de cada assassinato de mulher em Pernambuco. Uma por uma, vamos contar todas. Mapear onde as mataram, as motivações do crime, acompanhar a investigação e cobrar a punição dos culpados. Um banco de dados virtual.

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM