Jornal do Commercio
MEIO AMBIENTE

Na China, Aloysio pede ação dos Brics e redução do aquecimento global

"Na luta contra o aquecimento global e no cumprimento daquilo que foi acordado em Paris, o engajamento dos nossos países, pelo peso específico que têm, seguramente será um fator importante na implementação desses acordos", afirmou o ministro

Publicado em 19/06/2017, às 18h24

O chanceler brasileiro disse que os Brics manifestaram
O chanceler brasileiro disse que os Brics manifestaram "muita preocupação" com a decisão dos Estados Unidos de retirar-se do Acordo de Paris para renegociar os termos de sua adesão
Foto: Valter Campanato/ Agência Brasil
Estadão Conteúdo

O ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes, defendeu, nesta segunda-feira (19), que os países integrantes dos Brics tenham uma atuação conjunta na adoção de medidas contra o aquecimento global. "Não podemos perder de vista que os cinco países representados no Brics representam parcela muito importante da população mundial, da produção mundial e são países que têm influência no mundo", afirmou ele, em entrevista concedida em Pequim, na China, após reunião de chanceleres dos Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul). "Na luta contra o aquecimento global e no cumprimento daquilo que foi acordado em Paris, o engajamento dos nossos países, pelo peso específico que têm, seguramente será um fator importante na implementação desses acordos."

O chanceler brasileiro disse que os Brics manifestaram "muita preocupação" com a decisão dos Estados Unidos de retirar-se do Acordo de Paris para renegociar os termos de sua adesão. Esse acordo prevê que os países signatários adotarão individualmente metas para a redução de gases que provocam o efeito estufa.

As afirmações vieram num momento em que o Brasil era alvo de pressão na comunidade internacional pelo avanço do desmatamento e pela aprovação, pelo Congresso Nacional, de Medidas Provisórias (MPs) que reduzem o nível de proteção ambiental na Amazônia, principalmente na floresta do Jamanxim. Emendas de parlamentares apresentadas às MPs aumentaram as áreas nas quais passariam a ser admitidas atividades econômicas.



Porém, essas medidas foram vetadas nesta segunda. O presidente Temer usou sua conta no Twitter para informar, em resposta a um apelo feito pela modelo Gisele Bündchen, que vetou os pontos da MP que causaram polêmica. "Vetei hoje integralmente todos os itens das MPs que diminuíam a área preservada da Amazônia", escreveu. A informação do veto havia sido antecipada mais cedo pelo Broadcast Político.

VETOS

Os vetos eram dados como certos nos bastidores porque Temer irá esta semana à Noruega, o maior financiador estrangeiro de programas para preservação ambiental no País. Os noruegueses aportaram R$ 2,8 bilhões no Fundo Amazônia, que administra uma série de programas nas áreas de preservação ambiental e áreas indígenas.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.
Agreste seco Agreste seco
A seca colocou de joelhos uma região inteira. Fez o Agreste sertanejar. Os cinco anos consecutivos sem chuva em Pernambuco ganharam aqui a dimensão de uma tragédia. Silenciosa e diária.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM