Jornal do Commercio
combustível

Armando propõe taxação em 17% do etanol norte-americano

Senador pernambucano solicitou análise da proposta à Câmara de Comércio Exterior

Publicado em 13/07/2017, às 10h21

Segundo Armando, importação do etanol dos EUA aumentou 400% em 2017 / Foto: Agência Senado
Segundo Armando, importação do etanol dos EUA aumentou 400% em 2017
Foto: Agência Senado
Da editoria de Política

Ligado ao setor sucroalcoleiro do Estado, o senador Armando Monteiro Neto (PTB) solicitou ao governo federal, através do conselho de ministros da Câmara de Comércio Exterior (Camex), a aprovação da recomendação do Ministério da Agricultura de taxar em 17% as importações de etanol de milho dos Estados Unidos. Atualmente, não é feita a cobrança de imposto para o produto norte-americano.

Na sua fala em plenário, Armando citou dados da Agência Nacional do Petróleo (ANP) sobre a importação de etanol de milho, que cresceram 400% no primeiro semestre deste ano, comparado com o mesmo período de 2016. O volume importado em 2017 chegou a 1,3 bilhão de litros, correspondente a 83% da produção anual do Nordeste, que é 1,6 bilhão de litros.



O senador citou dados do mercado sucroenergético do Nordeste. A atividade é a maior agroindustrial do Nordeste, somando 62 usinas, 25 mil fornecedores independentes de cana de açúcar e 250 mil postos de trabalho diretos.

CONCORRÊNCIA

Para Armando, a falta de taxação do produto importado gera uma concorrência desleal do produto e ameaça os empregos, além da produção de álcool do Nordeste. O etanol nacional sobre taxação de impostos como ICMS, que varia de acordo com o Estado, o PIS-Cofins, além de tributos próprios do setor energértico. Em março, Armando esteve reunido com o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, e o presidente do Sindicato da Indústria do Açúcar e do Álcool de Pernambuco, Renato Cunha, para tratar do assunto.

No pronunciamento, Armando afirmou que não está defendendo a reserva de mercado, pois "sempre foi favorável à abertura da economia", mas que pretende garantir a "igualdade de competição". Ainda de acordo com o senador, o etanol de milho comprado dos EUA não cumpre obrigações de manutenção de estoques mínimos e outras exigências regulatórias cobradas do produtor nacional.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Educação, emprego e futuro Educação, emprego e futuro
Investir em educação é um pressuposto para o crescimento econômico, a geração de empregos e o aumento da renda. Aos poucos, empresas dos mais variados setores entram numa engrenagem antes formada apenas pelo poder público.
Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM