Jornal do Commercio
Câmara

Liberação de emendas parlamentares para base na CCJ atinge R$ 141 milhões

Emendas parlamentares foram liberadas no período entre junho, após a divulgação da delação do empresário Joesley Batista, e as duas primeiras semanas de julho

Publicado em 16/07/2017, às 11h05

O governo começou a usar as emendas como forma de aglutinar a base no Congresso justamente quando as acusações contra Temer passaram a ameaçar seu mandato. / Marcelo Camargo / Agência Brasil
O governo começou a usar as emendas como forma de aglutinar a base no Congresso justamente quando as acusações contra Temer passaram a ameaçar seu mandato.
Marcelo Camargo / Agência Brasil
Estadão Conteúdo

Dos 40 deputados que votaram pela rejeição do parecer que recomendava a abertura de investigação contra o presidente Michel Temer na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, 38 tiveram R$ 141 milhões em emendas parlamentares empenhadas. Esse valor corresponde ao período entre junho, após a divulgação da delação do empresário Joesley Batista, que foi usada na denúncia contra Temer, e as duas primeiras semanas deste mês, às vésperas da votação.

Na quinta-feira, o colegiado barrou por 40 votos a 25 o parecer do relator Sergio Zveiter (PMDB-RJ) que recomendava a admissibilidade do pedido da Procuradoria-Geral da República para investigar Temer por corrupção passiva. Em seguida, governistas conseguiram aprovar um texto alternativo que sugere a rejeição do mesmo pedido, assinado pelo deputado Paulo Abi-Ackel (PSDB-MG).

Apenas dois dos 40 parlamentares que barraram o parecer de Zveiter não tiveram emendas liberadas desde junho: Elizeu Dionizio (PSDB-MS) e Maia Filho (PP-PI), que é suplente de outro parlamentar. Na bancada tucana, dos sete integrantes apenas dois foram a favor do governo - Abi-Ackel e Dionizio, que, segundo relatos, foi pressionado pelo governador de seu Estado, Reinaldo Azambuja (PSDB), a votar contra o parecer de Zveiter.

As emendas parlamentares são os principais recursos destinados a deputados e senadores para que eles possam viabilizar obras e benfeitorias em seus redutos eleitorais. Cada parlamentar pode apresentar até 25 emendas individuais. O valor total previsto para emendas neste ano é de R$ 6,3 bilhões.

Já os 25 parlamentares que votaram contra Temer receberam menos da metade desse valor no mesmo período. Foram liberados R$ 73,2 milhões em emendas dos cofres públicos para os deputados que acreditam haver indícios suficientes para uma investigação contra o presidente.

Acusações

O governo começou a usar as emendas como forma de aglutinar a base no Congresso justamente quando as acusações contra Temer passaram a ameaçar seu mandato. Entre janeiro e maio deste ano, por exemplo, os mesmos 40 que votaram a favor do governo já haviam recebido pouco mais de R$ 1,6 milhão em emendas.



Entre os maiores beneficiados pelo governo com esse tipo de recurso estão os deputados Paes Landim (PTB-PI), com R$ 6,7 milhões em emendas, Edio Lopes (PR-RR), com R$ 5,1 milhões, e Abi-Ackel, que teve outros R$ 5,1 milhões em recursos do Orçamento. Terceiro colocado no ranking de emendas, Abi-Ackel foi o parlamentar responsável por apresentar o parecer favorável ao presidente.

As trocas feitas pelo governo na CCJ, antes da votação da denúncia, também ajudam a elevar o valor desembolsado em emendas parlamentares. Os 14 deputados que se tornaram titulares da comissão com ajuda do Palácio do Planalto receberam, no total, mais de R$ 56 milhões em recursos do Orçamento. No entanto, dois deles contrariaram o governo e votaram pela admissibilidade da denúncia: Renata Abreu (Podemos-SP) e Laércio Oliveira (SD-SE).

Condições

Procurado pela reportagem, o ministro da Secretaria de Governo, Antonio Imbassahy, diz que não há favorecimento de parlamentares da base na liberação de emendas. "Eu não olho isso, se o deputado está ou não na CCJ. O que está em condições de ser pago, nós estamos liquidando."

Líder no ranking de emendas empenhadas, o deputado Paes Landin negou que o valor repassado a ele - R$ 6,7 milhões - tenha a ver com o seu voto. "Eu sempre votei com o governo Temer, independentemente das emendas. Sou amigo pessoal do presidente, conheço ele desde a Constituinte, eu tenho bom relacionamento com ele, e acho que por se tratar de um julgamento político, e politicamente falando neste momento, é imprópria a saída do presidente", afirmou.

Abi-Ackel, por sua vez, disse que seu voto não está ligado às emendas. "Eu não me submeteria a isso, em hipótese nenhuma. O meu voto faz parte de uma convicção absoluta de que a denúncia é frágil e não suficiente para afastar um presidente da República. O voto foi baseado no meu conhecimento jurídico depois de 20 anos como advogado", afirmou. Já o deputado Edio Lopes não foi encontrado para comentar o assunto. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM