Jornal do Commercio
Lava Jato

Empresário diz que 'não prejudicou' Petrobras com propina de R$ 2,5 mi

Milton Schahin afirmou ao juiz Sérgio Moro que pagou propina a Nestor Cerveró, Eduardo Musa e Fernando Baiano

Publicado em 17/07/2017, às 21h20

Milton Schahin diz que pagou R$ 2,5 mi em propina / Foto: Reprodução
Milton Schahin diz que pagou R$ 2,5 mi em propina
Foto: Reprodução
Estadão Conteúdo

O empresário Milton Schahin disse nesta segunda-feira (17) ao juiz federal Sérgio Moro, que pagou R$ 2,5 milhões em propinas aos executivos da Petrobras Nestor Cerveró e Eduardo Musa, e ao operador do PMDB, Fernando Baiano sobre contrato da empreiteira que dirige com a Petrobras para exploração do navio-sonda Vitória 10.000. Indagado pelo juiz da Lava Jato se considerava certo pagar vantagens ilícitas, Schahin disse que acha que sim.

Em sua avaliação, a Petrobras não sofreu prejuízos porque "o serviço foi feito e bem feito". Ele disse que "se orgulha do serviço que realizou". "Não dei nenhum prejuízo pra Petrobras, continuei fazendo meu trabalho com boa performance - isso atestado pela própria fiscalização da Petrobras. Estou fazendo esse trabalho de forma correta e recentemente eu tenho informação de que a própria Petrobras reconhece que não houve superfaturamento neste contrato. É um dado importante de dizer. É uma questão íntima de foro meu", afirmou o executivo.

Questionado por Moro se ele pagar propinas para os agentes "não era justificado", ele rebateu: "Como eu lhe disse, eu sinto que não prejudiquei a Petrobras. Fiz um trabalho que me orgulho e esse trabalho está executado".



O empreiteiro é delator. Ele fechou acordo de colaboração premiada com a força-tarefa do Ministério Público Federal em Curitiba, base da Lava Jato. Ele depôs nos autos do processo relativo à 38.ª fase da operação, que pegou os lobistas Jorge e Bruno Luz, pai e filho, apontados como operadores de propinas do PMDB.

Offshores

Schahin disse a Moro que "foi chantageado" a pagar propina. Se não pagasse, não conseguiria fechar contrato com a estatal petrolífera. Ele admitiu que os pagamentos foram dissimulados por meio de duas offshores e uma empresa indicada por Jorge e Bruno Luz, apontados como operadores do PMDB.

Os investigadores atribuem a Jorge e a Bruno Luz o papel de operadores de propinas do PMDB. Eles teriam distribuído US$ 40 milhões a políticos da sigla, principalmente em contas sediadas no exterior.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM