Jornal do Commercio
Odebrecht

PGR pede redistribuição de mais inquéritos da delação da Odebrecht

No total, Rodrigo Janot pediu a redistribuição de mais seis inquéritos na STF por entender que casos não têm relação com a Lava Jato

Publicado em 17/07/2017, às 20h24

Rodrigo Janot pediu redistribuição de processos no STF / Foto: ABr
Rodrigo Janot pediu redistribuição de processos no STF
Foto: ABr
Estadão Conteúdo

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pediu a redistribuição de mais 6 inquéritos baseados na delação da Odebrecht e abertos pelo ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), por entender que não há conexão com a Operação Lava Jato.

Entre os alvos dessas investigações, estão os senadores Fernando Collor (PTC-AL), ex-presidente da República, Fernando Bezerra Coelho (PSB-PE) e Cassio Cunha Lima (PSDB-PB). Se o Supremo deferir o pedido, chegará a 30, de um total de 77 (38,9%), o número dos inquéritos abertos a partir dos depoimentos e provas apresentados pelos 77 executivos do grupo baiano que mudam de relator na Corte.

Collor, nesta investigação específica, é suspeito de ter cometido os crimes de corrupção passiva, corrupção ativa e lavagem de dinheiro. Segundo o Ministério Público Federal, delatores da Odebrecht disseram ter pagado vantagem indevida não contabilizada na campanha dele ao Senado em 2010.

Teriam sido repassados R$ 800 mil por meio do Setor de Operações Estruturadas do Grupo Odebrecht, em busca de atender interesses da empresa, especialmente na área de saneamento básico. Nos inquéritos contra Cassio Cunha Lima e Fernando Bezerra Coelho, a PGR pede a prorrogação do prazo para a investigação, alegando que ainda faltam algumas diligências, como a coleta de testemunho de alguns delatores e dos próprios senadores. As duas investigações são sobre caixa 2 eleitoral.



Segundo delatores da Odebrecht, Cunha Lima teria solicitado e recebido em meados de 2014, por meio de um intermediário, o valor de R$ 800 mil, que o grupo afirma ter sido pago ao então candidato ao governo da Paraíba por meio de repasse não contabilizado. Fernando Bezerra Coelho, por sua vez, é investigado sob a suspeita de ter recebido R$ 200 mil parcelados em duas vezes, não contabilizados, no ano de 2010, para campanha eleitoral.

Mais redistribuições

Os outros três pedidos de redistribuição são nas investigações que tramitam contra os deputados federais Nelson Pellegrino (PT-BA), Paulo Henrique Lustosa (PP-CE) e Vander Loubet (PT-MS). Nos casos deles, a suspeita também é de caixa 2 eleitoral. Segundo o Ministério Público Federal, Pellegrino teria recebido R$ 1,3 milhão não contabilizados para campanha eleitoral em 2012 por meio do Setor de Operações Estruturadas da Odebrecht.

Paulo Henrique Lustosa teria recebido R$ 100 mil não contabilizados para a campanha eleitoral em 2010. Vander Loubet, por sua vez, teria recebido R$ 50 mil não contabilizados na campanha para a Câmara dos Deputados em 2010 por meio do Setor de Operações Estruturadas do Grupo Odebrecht.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Recife em Transformação Recife em Transformação
A cidade e o desafio de traçar o seu futuro
Zika em mil dias Zika em mil dias
Já se passaram quase 2 anos e meio desde que o JC anunciou a explosão de casos de recém-nascidos com microcefalia. Muitas dessas crianças já completaram os seus primeiros mil dias de vida. Famílias e especialistas revelam o que aconteceu nesse período
Logística e inovação Logística e inovação
Você sabe o que é logística? Ela parece invisível, mas está presente no nosso dia a dia, encurtando distâncias. Quando compramos uma maçã no supermercado, muitas vezes não nos damos conta do caminho que percorreu até chegar a nossas mãos

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM