Jornal do Commercio
DA PAZ

'Jamais vou jogar ovos no presidente Lula', afirma Doria

Prefeito de São Paulo disse nesta terça-feira (8) que "nós contra eles não é saudável"

Publicado em 09/08/2017, às 21h51

"O fato de você ter, numa relação, um debate duro, não justifica (agressões)", disse João Dória
Foto: Agência Brasil
Estadão Conteúdo

Ainda repercutindo a ovada recebida na noite de segunda-feira (7) em Salvador, o prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB) disse na tarde desta terça (8) que o "nós contra eles não é saudável" e que jamais jogaria ovos contra o presidente Luis Inácio Lula da Silva, a quem voltou a chamar de "mentiroso".

"O fato de você ter, numa relação, um debate duro, não justifica (agressões). Eu jamais vou agredir o presidente Lula. Jamais vou jogar ovos no presidente Lula, estimular as pessoas que façam isso", disse. "Só contrário. Acho que tem de haver uma atitude respeitosa e de convivência, ainda que minha opiniões seja contundentemente diferentes das dele", afirmou.

O prefeito havia sido questionado sobre um eventual acirramento das relações que tivesse partido do próprio Doria, que já chamou Lula de "o maior cara de pau do Brasil" e mandou petistas "para a Venezuela".

O nós contra eles não é saudável para o País. A visão de petistas, esquerdistas, versus os demais, é uma visão que não é saudável nem para o PT, nem para o debate para construir, quem sabe, um novo Partido dos Trabalhadores".



"Digo nós contra eles no sentido da agressividade. Você transformar em atitudes de agressão. Não é construtivo", continuou.

"Você prefere ser mandado para Venezuela ou tomar um rojão? Ou levar um ovo na cabeça? O que você acha? Eu tenho minha crítica". 

Ataque organizado

Doria afirmou que o ataque sofrido ontem foi organizado "por uma vereadora do PCdoB junto com os petistas de Salvador" e criticou os partidos de esquerda pelo apoio, nas redes sociais, ao governo de Nicolas Maduro, o qual chamou de ditadura. Doria citou os dois ex-prefeitos de Caracas presos no País e defendeu a democracia.

Em nota, o PCdoB da Bahia nega que a vereadora do partido em Salvador Aladilce Souza tenha responsabilidade pelos ovos atirados contra o prefeito. De acordo com a legenda, as ovadas foram uma reação à suposta ação do prefeito da cidade, ACM Neto (DEM), que teria destacado "60 capangas" para agredir manifestantes que protestavam contra a entrega do título de cidadão soteropolitano ao tucano.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM