Jornal do Commercio
REFORMA POLÍTICA

Eunício: críticas ao 'distritão' vem de quem teme o voto majoritário

Segundo o presidente do Senado, o "distritão" deve ser aprovado como modelo transitório, válido apenas para 2018

Publicado em 10/08/2017, às 13h10

Para Eunício, a fonte de recursos para o novo fundo eleitoral deve ter como origem no próprio sistema político / Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Para Eunício, a fonte de recursos para o novo fundo eleitoral deve ter como origem no próprio sistema político
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Estadão Conteúdo

Embora seja defensor do sistema eleitoral distrital misto, o presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), afirmou nesta quinta-feira (10) que, caso passe pela Câmara, o "distritão" deve ser aprovado também pelo Senado. Segundo ele, as críticas ao modelo que elege os candidatos mais votados em cada Estado e no Distrito Federal partem de quem "tem medo do voto majoritário".

"Eu não compreendo essa discussão de que o voto majoritário não expresse a vontade do eleitor. Pelo contrário", afirmou Eunício. "Os que têm medo do voto majoritário é que criam essas informações para a imprensa porque querem pegar carona", completou o senador, citando exemplo de parlamentares que se elegeram via quociente eleitoral em seu Estado.

Segundo o presidente do Senado, no entanto, o "distritão" deve ser aprovado como modelo transitório, válido apenas para 2018. "Se não vier assim da Câmara, nós vamos incluir aqui no Senado a vinculação ao voto distrital para as próximas eleições", disse Eunício.

O relatório do deputado Vicente Cândido (PT-SP) que trata do sistema eleitoral para deputados e vereadores foi aprovado na noite dessa quarta-feira (9) na Câmara. O texto não previa a adoção desse modelo, mas um acordo foi costurado para que a alteração fosse aprovada via destaque.

O placar, no entanto, foi apertado: foram 17 votos a favor, 15 contra e duas abstenções. Parlamentares da base e da oposição formaram uma frente contra a aprovação do "distritão" na Câmara. O principal argumento do grupo, que soma cerca de 200 deputados, é de que esse modelo dificulta a renovação da Câmara, pois é personalista e enfraquece o papel dos partidos.



A comissão especial da reforma política retomou nesta quinta-feira os debates sobre a legislação eleitoral. Depois de aprovar o relatório de Vicente Cândido, os deputados debatem dezoito emendas que podem alterar o texto base.

Fundo

Outra medida que foi aprovada pelos deputados foi a criação de um fundo público para financiar as campanhas. O montante, em 2018, deve chegar a R$ 3,6 bilhões. Para valer para as eleições de 2018, a reforma tem de ser aprovada tanto no plenário da Câmara quanto do Senado até o fim de setembro.

Para Eunício, a fonte de recursos para o novo fundo eleitoral deve ter como origem no próprio sistema político. "O que eu defendo é que o fundo não retira dinheiro da Saúde, da Segurança Pública ou da Educação", disse.

Ele sugere retirar metade da verba do fundo partidário que hoje é destinada às fundações ligadas aos partidos e extinguir a propaganda partidária fora do período eleitoral, revertendo o valor da isenção fiscal às emissoras de TV para o novo fundo.

"Não estou defendendo o fundo. O que estou dizendo é que se for criado um fundo apenas pelo fundo, tirando dinheiro da Saúde e da Educação, eu não pautaria de ofício, somente pela vontade da maioria dos líderes", disse.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM