Jornal do Commercio
Polícia Federal

Diretor da PF: Servidor corrompido é a infiltração do crime no Estado

Leandro Daiello afirmou que a corrupção afeta a qualidade de serviço no Estado

Publicado em 11/08/2017, às 21h23

Leandro Daiello afirmou que corrupção deixa Estado mais caro / Foto: ABr
Leandro Daiello afirmou que corrupção deixa Estado mais caro
Foto: ABr
Estadão Conteúdo

O diretor-geral da Polícia Federal, delegado Leandro Daiello, disse nesta sexta-feira (11) que "o preço real da corrupção é o Estado mais caro".

"Afeta a qualidade de serviço", disse Daiello, em palestra na Escola de Direito da FMU, em São Paulo. O delegado falou sobre o papel da instituição que dirige e a Lava Jato.

"Quando um servidor é corrompido, é a infiltração do crime no Estado", alertou o delegado, no comando da PF há seis anos e meio.



Segundo ele, mais de 600 operações da PF estão em andamento hoje

Sobre a Lava Jato e o desmantelamento do cartel de propinas que se instalou na Petrobras entre 2004 e 2014, o diretor declarou. "Não dizemos que a Petrobras é corrupta. Pessoas que estavam lá fizeram isso", anotou, em referência a ex-diretores que acabaram condenados por corrupção, lavagem de dinheiro e associação criminosa.

Leandro Daiello relatou que na Lava Jato, inicialmente, a Polícia Federal mirou os doleiros por meio de buscas e apreensões autorizadas pela Justiça para identificar os clientes dos operadores do mercado paralelo do câmbio. "E chegamos à Petrobras."

Operação Bidone

O diretor lembrou que a Lava Jato que chegou à estatal petrolífera não tinha esse nome, era Operação Bidone. "Mas a mídia insistiu tanto que ficou Lava Jato."


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Educação, emprego e futuro Educação, emprego e futuro
Investir em educação é um pressuposto para o crescimento econômico, a geração de empregos e o aumento da renda. Aos poucos, empresas dos mais variados setores entram numa engrenagem antes formada apenas pelo poder público.
Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM