Jornal do Commercio
Planalto

Padilha: Funaro quer criar condições para ter situação melhor como prisioneiro

De acordo com Padilha, as citações feitas a ele na delação de Funaro já foram explicadas

Publicado em 12/09/2017, às 22h11

O delator vinculou Padilha ao que acredita ser uma tentativa de monitorar sua disposição de formalizar acordo de colaboração premiada com o Ministério Público Federal / Foto: Elza Fiúza/ Agência Brasil
O delator vinculou Padilha ao que acredita ser uma tentativa de monitorar sua disposição de formalizar acordo de colaboração premiada com o Ministério Público Federal
Foto: Elza Fiúza/ Agência Brasil
Estadão Conteúdo

O ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, tentou minimizar a delação do Lucio Funaro e disse que ele está tentando criar melhor condições já que está preso. "Como eu vejo? É um problema dele, ele procura criar condições para ter uma melhora na situação de prisioneiro, usa recursos disponíveis", afirmou.

Padilha disse que as citações feitas a ele na delação de Funaro já foram explicadas. "No meu caso específico, conheci o doutor Mariz em maio. O Daniel Gerber só contactei depois que não era mais advogado. O Eduardo Ferrão é meu amigo há mais de 30 anos, eu converso com ele, mas ele não advogou para o Funaro na Lava Jato", afirmou.

O delator vinculou Padilha ao que acredita ser uma tentativa de monitorar sua disposição de formalizar acordo de colaboração premiada com o Ministério Público Federal. Funaro disse em depoimento a investigadores que Padilha era próximo ao escritório do criminalista Eduardo Ferrão, que, por sua vez, tem relações com o advogado Daniel Gerber, que atuou na defesa do corretor. Ele também acusa outro advogado de quem foi cliente, o criminalista Antonio Claudio Mariz de Oliveira, defensor e amigo do presidente Michel Temer. Funaro já havia feito acusação semelhante ao ex-ministro Geddel Vieira Lima, que está preso.



Possível segunda denúncia contra Temer

Ao ser questionado se acredita que o Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot, ainda vai enviar uma segunda denúncia contra Temer, Padilha disse que essa é uma questão que cabe ao procurador, mas que "denúncia com fundamento acho muito difícil, porque não há fato novo".

Ao comentar o relatório da Polícia Federal sobre o chamado "quadrilhão" do PMDB na Câmara dos Deputados que apontou indícios de que ele, Temer, e o ministro Moreira Franco (Secretaria-Geral) cometeram crime de corrupção e também o pedido de abertura de inquérito contra o presidente para apurar fatos relacionados ao Decreto dos Portos feito pelo o ministro do Supremo Tribunal Federal, Luís Roberto Barroso, Padilha disse que "as noticias não são agradáveis no campo político, mas na área econômica temos as melhores notícias".

Segundo o ministro, o presidente já soltou uma dura nota na qual "externa a indignação com relação a injustiça e as acusações sem fundamento" que são dirigidas contra ele. Assinada pela Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República, a nota diz que "facínoras roubam do País a verdade". "Bandidos constroem versões por ouvir dizer a lhes assegurar a impunidade ou alcançar um perdão, mesmo que parcial, por seus inúmeros crimes. Reputações são destroçadas em conversas embebidas em ações clandestinas", diz o texto.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

O Mundo de Rafa O Mundo de Rafa
Rafael foi diagnosticado com síndrome de Asperger apenas aos 11 anos. Seus desenhos contam pedaços muito importantes da sua história. Exprimem momentos de alegria, de comemoração e também de desabafo, de dor
Gastos dos parlamentares pernambucanos Gastos dos parlamentares pernambucanos
Os deputados federais da bancada pernambucana gastaram, no 1º semestre deste ano, R$ 5,1 milhões em verbas de cotas parlamentares. Já os senadores gastaram R$ 692 mil. Os dados foram coletados com base no portal da transparência da Câmara e do Senado
Um metrô ainda renegado Um metrô ainda renegado
São 32 anos de operação e uma eterna luta por sobrevivência. Esse é o metrô do Recife

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM