Jornal do Commercio
Planalto

Padilha: Funaro quer criar condições para ter situação melhor como prisioneiro

De acordo com Padilha, as citações feitas a ele na delação de Funaro já foram explicadas

Publicado em 12/09/2017, às 22h11

O delator vinculou Padilha ao que acredita ser uma tentativa de monitorar sua disposição de formalizar acordo de colaboração premiada com o Ministério Público Federal / Foto: Elza Fiúza/ Agência Brasil
O delator vinculou Padilha ao que acredita ser uma tentativa de monitorar sua disposição de formalizar acordo de colaboração premiada com o Ministério Público Federal
Foto: Elza Fiúza/ Agência Brasil
Estadão Conteúdo

O ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, tentou minimizar a delação do Lucio Funaro e disse que ele está tentando criar melhor condições já que está preso. "Como eu vejo? É um problema dele, ele procura criar condições para ter uma melhora na situação de prisioneiro, usa recursos disponíveis", afirmou.

Padilha disse que as citações feitas a ele na delação de Funaro já foram explicadas. "No meu caso específico, conheci o doutor Mariz em maio. O Daniel Gerber só contactei depois que não era mais advogado. O Eduardo Ferrão é meu amigo há mais de 30 anos, eu converso com ele, mas ele não advogou para o Funaro na Lava Jato", afirmou.

O delator vinculou Padilha ao que acredita ser uma tentativa de monitorar sua disposição de formalizar acordo de colaboração premiada com o Ministério Público Federal. Funaro disse em depoimento a investigadores que Padilha era próximo ao escritório do criminalista Eduardo Ferrão, que, por sua vez, tem relações com o advogado Daniel Gerber, que atuou na defesa do corretor. Ele também acusa outro advogado de quem foi cliente, o criminalista Antonio Claudio Mariz de Oliveira, defensor e amigo do presidente Michel Temer. Funaro já havia feito acusação semelhante ao ex-ministro Geddel Vieira Lima, que está preso.



Possível segunda denúncia contra Temer

Ao ser questionado se acredita que o Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot, ainda vai enviar uma segunda denúncia contra Temer, Padilha disse que essa é uma questão que cabe ao procurador, mas que "denúncia com fundamento acho muito difícil, porque não há fato novo".

Ao comentar o relatório da Polícia Federal sobre o chamado "quadrilhão" do PMDB na Câmara dos Deputados que apontou indícios de que ele, Temer, e o ministro Moreira Franco (Secretaria-Geral) cometeram crime de corrupção e também o pedido de abertura de inquérito contra o presidente para apurar fatos relacionados ao Decreto dos Portos feito pelo o ministro do Supremo Tribunal Federal, Luís Roberto Barroso, Padilha disse que "as noticias não são agradáveis no campo político, mas na área econômica temos as melhores notícias".

Segundo o ministro, o presidente já soltou uma dura nota na qual "externa a indignação com relação a injustiça e as acusações sem fundamento" que são dirigidas contra ele. Assinada pela Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República, a nota diz que "facínoras roubam do País a verdade". "Bandidos constroem versões por ouvir dizer a lhes assegurar a impunidade ou alcançar um perdão, mesmo que parcial, por seus inúmeros crimes. Reputações são destroçadas em conversas embebidas em ações clandestinas", diz o texto.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM