Jornal do Commercio
DELAÇÕES

Funaro cita R$ 500 mil para campanha de Skaf a pedido de Temer

A informação consta nos anexos 8 e 9 da delação de Lúcio Funaro

Publicado em 13/09/2017, às 17h11

A entrega foi solicitada pelo ex-deputado Eduardo Cunha e era para
A entrega foi solicitada pelo ex-deputado Eduardo Cunha e era para "atender o presidente Temer"
Foto: Agência Brasil
Estadão Conteúdo

O corretor Lúcio Bolonha Funaro narra em seu acordo de colaboração premiada a entrega de R$ 500 mil para o marqueteiro Duda Mendonça. O repasse estaria relacionado à campanha de Paulo Skaf ao governo de São Paulo e teria sido realizado em um escritório na avenida 9 de Julho. Segundo Funaro, a entrega foi solicitada pelo ex-deputado Eduardo Cunha e era para "atender o presidente Temer".

A informação consta nos anexos 8 e 9 da delação de Funaro. O primeiro aborda o tema "Michel Temer, intermediação de pagamentos de propinas para interpostos do presidente" e o segundo fala sobre os "operadores de Michel Temer."

"Ainda houve uma entrega de R$ 500 mil, a pedido de Cunha para a campanha do Paulo Skaf ao governo de São Paulo, em um escritório na Avenida 9 de Julho em São Paulo, para Duda Mendonça para atender o presidente Temer", diz o anexo 8 ao qual o jornal O Estado de S. Paulo teve acesso. Skaf é presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).

No anexo de número 9, por sua vez, o delator explica que Cunha foi ao seu escritório e lhe informou que Temer pediu que Funaro entregasse os valores em um escritório ligado a Duda Mendonça. "Tais valores foram debitados da conta que o colaborador mantinha com Cunha, o qual tinha sua própria compensação interna com Michel Temer", diz o anexo 9.



A delação de Funaro foi homologada pelo ministro Edson Fachin na terça-feira (5). O corretor está detido no Complexo Penitenciário da Papuda desde o dia 1 de julho de 2016, quando foi alvo da operação Sépsis, que investiga irregularidades no Fundo de Investimento do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FI-FGTS).

Skaf foi o candidato do PMDB na eleição ao governo de São Paulo contra o tucano Geraldo Alckmin. O peemedebista teve 21,5% dos votos e Alckmin foi reeleito no primeiro turno.

O advogado Juliano Breda, responsável pela defesa de Duda Mendonça, disse que o caso está sob sigilo e por isso não irá se manifestar. Délio Lins e Silva Júnior, advogado de Cunha, afirmou que não comenta a delação de Funaro até o sigilo ser levantado. A reportagem entrou em contato com a assessoria de Skaf, mas ainda não obteve resposta.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM