Jornal do Commercio
DELAÇÃO

Temer dividiu propina da Odebrecht com Geddel, diz Funaro em delação

Parte do valor teria sido distribuída por meio do ex-deputado José Yunes

Publicado em 13/09/2017, às 14h34

Funaro relatou também ter mandado a quantia para Geddel Vieira Lima, na Bahia / Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Funaro relatou também ter mandado a quantia para Geddel Vieira Lima, na Bahia
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Estadão Conteúdo

O corretor Lúcio Funaro disse em sua delação premiada que o presidente da República, Michel Temer, dividiu com Geddel Vieira Lima (PMDB-BA), ex-homem forte de seu governo, propina da Odebrecht. Nos anexos de sua colaboração, já homologada pelo Supremo, ele afirmou ter buscado R$ 1 milhão em espécie, supostamente pagos pela empreiteira, no escritório do advogado e ex-deputado José Yunes, amigo de Temer. Relatou também ter mandado a quantia para Geddel, na Bahia.

As declarações de Funaro coadunam com a versão apresentada pelo ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht Cláudio Mello Filho em sua delação. Ele relatou ter negociado com Temer e seus aliados, entre eles o ministro Eliseu Padilha (Casa Civil), doações de caixa 2 para campanhas em 2014, no total de R$ 10 milhões.

Parte desse valor teria sido distribuída por meio de Yunes, apontado como um dos "operadores" do presidente. À Procuradoria-Geral da República (PGR), Yunes já disse ter sido usado como "mula" de Padilha para a entrega de um pacote.

Conforme Funaro, dirigentes da Odebrecht usaram o doleiro Álvaro Novis para fazer com que os valores destinados a Temer chegassem a Yunes. Ele contou que, na ocasião, recebeu um telefonema de Geddel pedindo que retirasse R$ 1 milhão, a ser entregue em Salvador.

Geddel "informou que o dinheiro que iria retirar com José Yunes era referente a uma doação via caixa 2 da Odebrecht, acertada juntamente (com) Eliseu Padilha e Michel Temer", diz trecho do anexo intitulado "Intermediação de Pagamentos de Propinas para Interpostos do Presidente", obtido pelo jornal O Estado de S. Paulo.



"Estes valores eram de Michel Temer, o qual estava enviando uma parte do dinheiro arrecadado para Geddel", continua o documento. Foi Geddel, segundo Funaro, quem lhe passou o telefone de Yunes. A retirada, segundo ele, foi feita no escritório do advogado no Itaim Bibi, em São Paulo. No local, após uma conversa com Yunes, na qual teriam trocado cartões, uma caixa com a quantia acertada teria sido repassada pela secretária e o motorista do amigo de Temer.

Funaro, então, disse que retornou com os valores até o seu escritório e pediu para que um funcionário fosse até a Bahia levar a encomenda para Geddel. "O dinheiro foi entregue em Salvador por um funcionário de logística de transporte de valores do doleiro Tony, o qual retirou os valores em São Paulo e, no dia seguinte, fez a entrega na sede do PMDB da Bahia", registra o anexo.

Um dos políticos mais próximos de Temer, Geddel chefiava a Secretaria de Governo até novembro do ano passado, quando pediu demissão por ter, supostamente, tentado influenciar o Ministério da Cultura a lhe conceder uma decisão favorável. Ele está preso em Brasília desde a semana passada, depois que a Polícia Federal descobriu que escondia R$ 51 milhões em notas num apartamento da capital baiana.

O jornal O Estado de S. Paulo procurou o Palácio do Planalto, que ainda não se manifestou. A defesa de Geddel disse que não se manifestaria, pois não teve acesso aos anexos. José Yunes ainda não foi localizado pela reportagem.


Recomendados para você


Comentários

Por anannias,14/09/2017

Nesse mar de lama em que se encontra o Brasil com os políticos brasileiros de quase todas as matizes ideológicas formando o lodaçal a ética é o que menos aparece. Perderam a vergonha e se atacam mutuamente acusando-se de ladrão, quando se sabe que onde todos roubam ninguém é ladrão. Por isso que todas as investidas da justiça são em vão porque são todos corporativistas e solidários.

Por Pilantra Brasil Propinus,13/09/2017

Procura-se um, somente UM, político honesto neste país. Paga-se bem!

Por Paulo,13/09/2017

Alô Canalhas, procurem urgente o Gilmar; o maior Ladrão da república está cercado de corruptos.

Por LYRA,13/09/2017

Está ai a origem dos R$51 milhões encontrados em apartamento de domínio do Geddel, é exatamente dinheiro de propina onde o LADRÃO GERAL DA NAÇÃO, no minimo ficava com 70% e os outros 30% eram divididos com seus OFFICE BOYS.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC recall de marcas 2017 JC recall de marcas 2017
Conheça o ranking das marcas que têm conseguido se manter no topo da preferência dos pernambucanos. O rol é resultado de uma pesquisa realizada pelo Instituto Harrop, há duas décadas parceiro do Jornal do Commercio na realização da premiação
10 anos do IJCPM 10 anos do IJCPM
O Instituto João Carlos Paes Mendonça de Compromisso Social (IJCPM) comemora 10 anos de história, contribuindo para transformar a vida de jovens de comunidades com histórico de desigualdade social nas cidades de Recife, Salvador, Fortaleza e Aracaju
Chapecoense: um ano de saudade Chapecoense: um ano de saudade
Um ano de saudade. Foi isso que restou. A maior tragédia do esporte mundial, no dia 29 de novembro de 2016, quando houve o acidente aéreo com a delegação da Chapecoense, em Medellín, na Colômbia, fez 71 vítimas. Entre elas, dois pernambucanos

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM