Jornal do Commercio
JBS

Prisão força JBS a acelerar sucessão

Com Joesley e Wesley presos, irmão mais velho e o pai dos delatores dirigiram a empresa na quarta-feira

Publicado em 14/09/2017, às 08h01

Joesley foi preso no último domingo pela Polícia Federal / Foto: ABr
Joesley foi preso no último domingo pela Polícia Federal
Foto: ABr
Estadão Conteúdo

Uma das maiores companhias de alimentos do mundo, a JBS amanheceu nesta quarta-feira (13) sem dirigente e viu-se forçada a pensar a sucessão de Wesley Batista, medida que a cúpula da empresa vinha tentando postergar. Acusado de valer-se de informação privilegiada para lucrar no mercado acionário e de câmbio, Wesley teve a prisão decretada. Seu irmão, Joesley, já estava preso desde domingo, acusado de omitir informações em sua delação.

Com Joesley e Wesley presos, o irmão mais velho, José Batista Júnior, conhecido como Júnior Friboi, compareceu à empresa para ajudar seu pai, José Batista Sobrinho, fundador da JBS, em deliberações emergenciais. Júnior já foi presidente da JBS. Wesley Batista Filho, filho de Wesley e presidente de uma divisão da JBS nos EUA, também participou das conversas.

Segundo fontes que acompanharam as discussões ontem, a família ainda trabalha com a possibilidade de Wesley retornar ao cargo nos próximos dias. Conforme apurou o Estado, há preocupação de que uma substituição imediata do empresário sinalize que a JBS não acredita que ele será libertado em breve. 

Apesar disso, a discussão sobre novos nomes já começou. Em reunião do conselho de administração ontem, a representante do BNDES, a advogada Claudia Azeredo Santos, sugeriu que Gilberto Tomazoni, hoje à frente das marcas internacionais da JBS, assumisse interinamente. Como a reunião foi apenas informativa, a proposta não foi votada. 

Tomazoni já era um dos nomes aventados pela cúpula para a eventual necessidade de uma rápida sucessão como a de agora, mas há dúvidas se ele aceitaria o cargo. Próximo da família, Gilberto Xandó, que assumiu o lugar de Joesley Batista no conselho de administração da JBS, também é visto como possível sucessor. Existe ainda a alternativa de se buscar um nome de mercado. 



Apesar da dificuldade da família em aceitar a sucessão imediata, a permanência de Wesley na presidência da JBS ficou insustentável, segundo fontes. Além da pressão do BNDES, a acusação que pesa agora sobre ele é de ludibriar o mercado financeiro. Por isso, é considerado improvável que o mercado vá aceitar que ele permaneça à frente de uma grande companhia de capital aberto.

Uma definição sobre a sucessão, seja ela qual for, deve sair nos próximos dias, segundo pessoas próximas à empresa. A avaliação é que a JBS precisa de um interlocutor com o mercado. Com dívida bruta de R$ 60 bilhões, a JBS renegociou cerca de R$ 20 bilhões com bancos, ampliando prazos. O contrato foi assinado, mas ainda não foi finalizado. Por isso, a situação desperta atenção dos assessores financeiros da empresa. 

Segundo um banqueiro, depois de vender vários ativos, incluindo Vigor e Alpargatas (veja quadro), a empresa vem cumprindo os pagamentos. Não há motivos, por ora, para desfazer o acordo, afirma. Os bancos também esperavam uma substituição no comando da JBS em até um ano a partir de uma sinalização do próprio Wesley.

Sucessão

A JBS não tinha um processo formal de sucessão, algo que Wesley Batista considerava um erro. Em sua avaliação, a JBS tinha executivos de talento, mas com domínio restrito a suas áreas.

A terceira geração da família ainda estava sendo preparada e é vista como "verde". Wesley Filho está no grupo desde 2010. Murilo, filho de Joesley, trabalhava em funções laterais na J&F. Já o pai de Wesley e Joesley e o irmão mais velho estão fora do comando há anos. As irmãs nunca atuaram no negócio. Por isso, agora que há pressão imediata para trocar o comando da empresa, a JBS se vê obrigada a conduzir à presidência a alguém de fora da família.

Procurados, a JBS e o BNDES não se pronunciaram. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM