Jornal do Commercio
REFORMA POLÍTICA

Maia pretende colocar fundo de campanha em votação nesta quarta

O deputado explicou que colocou o Refis como primeiro item da pauta porque a MP está prestes a perder a validade

Publicado em 27/09/2017, às 14h06

Ao menos 30% do valor dessas emendas serão destinados às campanhas eleitorais / Foto: José Cruz/Agência Brasil
Ao menos 30% do valor dessas emendas serão destinados às campanhas eleitorais
Foto: José Cruz/Agência Brasil
Estadão Conteúdo

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), reiterou a intenção de colocar em votação ainda nesta quarta-feira (27) o fundo público de campanha eleitoral, aprovado na véspera no Senado. Maia iniciou a ordem do dia com a votação da Medida provisória (MP) que cria o Refis, programa de parcelamento de dívidas tributárias com a União.

O deputado explicou que colocou o Refis como primeiro item da pauta porque a MP está prestes a perder a validade e porque ainda não há acordo sobre a distribuição dos recursos do novo fundo. "Nós estamos discutindo, os líderes estão analisando para ver direitinho os pontos do fundo. Acho que tem alguma divergência na questão da distribuição de recursos e em algumas fontes. Por isso que a gente começou com o Refis para dar tempo de votar a PEC, depois entrar na discussão do fundo e do projeto de lei da Reforma Política", declarou.

Pelo texto aprovado no Senado, ao menos 30% do valor dessas emendas serão destinados às campanhas eleitorais. Outra fonte de recursos do fundo será o programa partidário exibido em cadeia de rádio e TV em anos não eleitorais. O projeto sugere a transferência dos valores de compensação fiscal cedidos às emissoras de rádio e televisão que transmitem esses programas.



Na terça-feira (26), Maia disse que o texto aprovado pelos senadores era mais "palatável", porque destina cerca de R$ 1,7 bilhão às campanhas e não o montante de mais de R$ 3,6 bilhões proposto inicialmente. "O ideal é que fosse entre R$ 1 bilhão e R$ 1,5 bilhão", defendeu.

A expectativa de Maia é concluir a votação nesta quarta-feira (27) da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que acaba com as coligações para as eleições proporcionais de 2020 e estabelece uma cláusula de barreira para os partidos já a partir de 2018. Outro projeto na pauta é o relatado pelo petista Vicente Cândido (SP), que traz uma série de medidas que beneficiam os partidos, como anistia para as legendas que tiverem as contas desaprovadas, desconto de 90% no pagamento de multas eleitorais e uso do Fundo Partidário para a quitação de débitos com a Justiça Eleitoral.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Recife em Transformação Recife em Transformação
A cidade e o desafio de traçar o seu futuro
Zika em mil dias Zika em mil dias
Já se passaram quase 2 anos e meio desde que o JC anunciou a explosão de casos de recém-nascidos com microcefalia. Muitas dessas crianças já completaram os seus primeiros mil dias de vida. Famílias e especialistas revelam o que aconteceu nesse período
Logística e inovação Logística e inovação
Você sabe o que é logística? Ela parece invisível, mas está presente no nosso dia a dia, encurtando distâncias. Quando compramos uma maçã no supermercado, muitas vezes não nos damos conta do caminho que percorreu até chegar a nossas mãos

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM