Jornal do Commercio
POLÊMICA

Após polêmica sobre salário, ministra dos direitos humanos diz que 'é pobre'

A polêmica em torno do salário de Luislinda veio à tona após pedir pagamento de R$ 61 mil

Publicado em 13/11/2017, às 13h10

Luislinda queria receber a soma de sua remuneração como ministra com a aposentadoria como desembargadora / Foto: Reprodução
Luislinda queria receber a soma de sua remuneração como ministra com a aposentadoria como desembargadora
Foto: Reprodução
Estadão Conteúdo

Após a polêmica envolvendo seu salário, a ministra dos Direitos Humanos, Luislinda Valois (PSDB), afirmou nesta segunda-feira, 13, que é "preta, pobre e da periferia". A declaração foi feita em discurso, ao lado do presidente Michel Temer, na cerimônia de lançamento do Programa Emergencial de Ações Sociais para o Estado do Rio de Janeiro e Municípios, numa unidade da Marinha do Brasil na Avenida Brasil, zona norte do Rio.

Segundo a assessoria de imprensa do Ministério do Desenvolvimento Social, o programa emergencial terá investimento total de R$ 157 milhões no Rio, com ações nas áreas de justiça, educação, esporte e direitos humanos. Projetos de vários ministérios estão envolvidos, incluindo a pasta de Luislinda. "Vamos aumentar esses números (de beneficiários de programas sociais) para o Rio de Janeiro e para o Brasil todo também. Sou preta, pobre e da periferia e sei o que é viver longe dos grandes centros", afirmou Luislinda, completando que o programa emergencial é baseado em "compromissos reais".



Polêmica

A polêmica em torno do salário de Luislinda veio à tona após a Coluna do Estadão revelar a insatisfação da ministra com o valor de seu contracheque. Conforme a reportagem, Luislinda protocolou um pedido ao governo no qual alegava fazer trabalho escravo por não receber R$ 61 mil, valor que seria a soma de sua remuneração como ministra com a aposentadoria como desembargadora. Se o pleito da ministra fosse atendido, ela receberia além do teto constitucional, que é de R$ 33,7 mil, violando a legislação.

 


Palavras-chave

Recomendados para você


Comentários

Por Francisco,14/11/2017

Acho pobre de espirito e muito ingenua, até hoje nenhum ministro falou que ganha pouco, porque quando eles entram lá o salario é o menos importante, basta ver que o Min. Geddel Vieira Lima saiu do ministerio com um volume acumilado de 51mil.

Por John,13/11/2017

Que cara de pau...

Por LUIZ ,13/11/2017

ESSA SENHORA DEVE SER POBRE SIM ! , MAS DE ESPÍRITO ! ESSA ´´ COISA ´´ NÃO SABE O QUE É POBREZA ! POBREZA É VIVER NUM PAÍS ESCULHAMBADO E DOMINADO POR POLÍTICOS CORRUPTOS .

Por José Valdemar Pereira ,13/11/2017

Como uma criatura dessa chegou ao cargo de ministra. Ela é pobre de espírito, pois num país de salário mínimo de R$937,00 por mês, como ela deseja ganhar R$61.000,00 (sessenta e um mil reais)!

Por atina,13/11/2017

Esta senhora deveria ter vergonha na cara de falar isto. Ela é realmente pobre de espírito. Ela deveria experimentar trabalhar 8h por dia, 6 dias da semana, só tira 20 dias de férias no ano e receber um salário mínimo, pra ver o que é trabalho escravo e não ter dinheiro pra pagar as contas.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM