Jornal do Commercio
Votação

Governo busca 56 votos para votar a reforma da Previdência

Para aprovar a reforma na Câmara, o governo precisa de pelo menos 308 votos em cada uma das duas votações no plenário

Publicado em 06/12/2017, às 06h08

Temer disse que o governo não colocará o texto em votação se os partidos da base não garantirem votos suficientes para aprová-lo / Foto: Marcos Corrêa/PR
Temer disse que o governo não colocará o texto em votação se os partidos da base não garantirem votos suficientes para aprová-lo
Foto: Marcos Corrêa/PR
Estadão Conteúdo

O governo calcula que faltam 56 votos para alcançar o mínimo de 308 que são necessários para aprovação da reforma da Previdência na Câmara. O Planalto espera fechar essa conta até o fim desta semana para que a proposta comece a ser discutida pelos deputados já na próxima segunda-feira. O presidente Michel Temer acertou com lideranças governistas e com o relator da reforma, deputado Arthur Oliveira Maia (PPS-BA), um esforço na busca pelos votos restantes.

Votos

Para aprovar a reforma na Câmara, o governo precisa de pelo menos 308 votos em cada uma das duas votações no plenário. Governistas dizem, porém, que só querem votar a proposta quando tiverem cerca de 330 votos garantidos. "Hoje temos 252 votos a favor e 140 indecisos", disse ao Estadão/Broadcast Darcísio Perondi (PMDB-RS), vice-líder do governo na Câmara e um dos responsáveis por calcular os votos. Nesta terça-feira, 5, Temer disse que o governo não colocará o texto em votação se os partidos da base não garantirem votos suficientes para aprová-lo. "Acho que vai ser agora pelo que estou sentindo. Estou animadíssimo", disse em evento no Itamaraty.

O governo espera conseguir os votos que faltam após partidos da base aliada decidirem por obrigar seus deputados a votarem a favor da reforma. O movimento deve ser puxado por PMDB e PSDB. Ontem, o líder do PMDB, Baleia Rossi (SP), disse que já há maioria na direção nacional da sigla para fechar questão até o fim da semana. O PMDB deve tomar a decisão hoje.



O fechamento de questão sobre um tema é uma decisão tomada pela maioria da executiva nacional de um partido. Quando isso acontece, parlamentares que votarem de forma diferente ao que determinou a direção da legenda podem ser punidos até mesmo com a expulsão. Na avaliação do relator, o fechamento de questão deve ajudar consideravelmente a conseguir os votos que faltam. Para ele, há "grandes chances" de a matéria ser votada na Câmara ainda este ano.

Segundo Oliveira Maia, a expectativa é começar a votação na terça-feira, dia 12. "Se votarmos o primeiro turno na semana que vem, dá para votar em segundo turno na outra", declarou o relator, que se reuniu ontem com Temer. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse ter certeza que o governo conseguirá os 308 votos necessários, mas não se comprometeu em pautar a matéria no plenário para a próxima semana. "A gente não vai a voto sem número." O governo também trabalha para convencer os 38 deputados do PSD e os 37 do PR a votarem a favor da reforma. Integrantes do chamado Centrão, esses são os partidos da base que apresentam maior resistência à proposta. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.


Recomendados para você


Comentários

Por A LEI É PARA TODOS,06/12/2017

Ex-presidente do PSDB não será preso pela demora do TRF4; com Lula julgamento foi em tempo recorde. Andam dizendo que o processo de Lula anda rápido porque ele é idoso e idosos são julgados com maior rapidez pela Justiça, mas o caso do ex-presidente do PSDB Eduardo Azeredo mostra que esse argumento é falso como uma nota de três reais. Condenado no mensalão tucano, o ex-presidente do PSDB Eduardo Azeredo deve escapar da cadeia porque, apesar de seu processo ter chegado à Justiça em 2005, após 12 anos ele ainda não foi julgado e completará 70 anos em breve. A Justiça deveria ter acelerado seu caso por ser idoso, desculpa usada para a rapidez da Justiça em relação ao ex-presidente Lula, mas, por alguma razão (modo ironia ligado), as penas estarão prescritas caso complete 70 anos, o que ocorrerá em setembro de 2018, antes de as possibilidades de recurso terminarem. Uma decisão, em primeira instância, condenou o político a 20 anos e 10 meses de prisão, em regime inicialmente fechado, pelos crimes de peculato – 13 anos e 4 meses – e lavagem de dinheiro – 7 anos e 6 meses. Em setembro deste ano, a segunda instância confirmou a condenação, mas ele recorreu e o caso parou de novo. A denúncia sustenta que o esquema tucano desviou recursos públicos de estatais mineiras para a campanha eleitoral de Eduardo Azeredo, que concorria à reeleição ao governo do estado, em 1998. A Justiça após 12 anos resolveu condenar Eduardo Azeredo em agosto desse ano, no entanto não o prendeu, ele podendo se beneficiar esse ano com prescrição do seu processo

Por LUIZ HENRIQUE DE SOUZA,06/12/2017

O governo até poderia cogitar fazer uma reforma da previdência,porém, não através de uma propaganda mentirosa e difamatória. Não realizou uma auditoria no setor e propaga que existe um suposto déficit. Não pode levianamente prejudicar os trabalhadores . Esperamos que haja bom senso por parte dos parlamentares pernambucanos nesse terrível momento que vivemos.

Por André,06/12/2017

Presidente golpista, impopular, não tem respaldo para promover tal reforma. Pagou R$ 200 milhões de propaganda para convencer o povo de abrir mão dos seus direitos. Absurdo! As contas precisão ser abertas e as propostas discutidas com a sociedade. Fazem dos Servidores Públicos os algozes com suas mentiras, quando são eles mesmos que afundam o país com suas negociatas com o dinheiro público.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM