Jornal do Commercio
MENTIRAS E RESSENTIMENTOS

Cabral desmente depoimentos de operadores

Sérgio Cabral afirmou que os operadores sofrem de transtornos psicológicos, alcoolismo e limitações intelectuais

Publicado em 07/12/2017, às 19h56

Cabral afirmou que o homem apontado pelo MPF de ser seu
Cabral afirmou que o homem apontado pelo MPF de ser seu "homem da mala", guarda ressentimentos por nunca ter passado um fim de semana em sua casa em Mangaratiba
Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil
Estadão Conteúdo

O ex-governador do Rio, Sérgio Cabral (PMDB), se ocupou nesta quinta-feira, 7, de desmentir os depoimentos de seus operadores, em audiência nesta quinta-feira (7) para a 7ª Vara Federal Criminal. Ele afirmou que Carlos Miranda, apontado pelo Ministério Público Federal (MPF) por ser o seu "homem da mala", guarda ressentimentos por nunca ter passado um fim de semana em sua casa em Mangaratiba e por nunca tê-lo levada para trabalhar no governo.

Nesta quinta-feira, Miranda, que fechou delação premiada, homologada pelo Supremo Tribunal Federal (STF), admitiu que participou do esquema de propina do ex-governador. Cabral negou a informação e disse que o serviço de Miranda "era dar apoio a pagamentos a familiares e pegar recursos de campanha".

"Não tinha intimidade nenhuma com Carlos Miranda. Não ia com ele para lugar nenhum, achava ele um sujeito sem graça. Ele nunca passou final de semana em Mangaratiba". "Eu quero que ele mostre a materialidade disso (das denúncias). Ele não tem documento nenhum, é só o falar", afirmou.



Cabral também atribuiu as confissões de Miranda a transtornos psicológicos. "Ele não está aguentando a prisão, as três sentenças que ganhou. Ele vivia deprimido, chegou a receber visita de psiquiatra, não estava bem. Tomou carona nos depoimentos do Cavendish (Fernando Cavendish, da Delta). "Chega a dar pena dele ao inventar essa história", disse.

Alcoolismo e a limitações intelectuais

Já as informações do operador Luiz Bezerra, Cabral atribuiu ao alcoolismo e a limitações intelectuais. "Bezerra veio de uma família humilde, foi praticamente criado na minha casa. Era uma pessoa com limitações intelectuais e acadêmicas. Eu sempre ajudei ele (sic), como no tratamento do seu filho, arrumei emprego para o irmão dele", disse.

O ex-governador também criticou o MPF. "Se o MPF trabalhar para que a pessoa confirme a sua versão, ele vai adaptando a realidade ao MPF. Suas anotações (do Bezerra) não tem lé com cré", disse. "Bezerra tinha algumas características como beber muito, houve até agressões verbais à mulher que eu tive que interferir para dar um basta. É uma pessoa que já de manhã estava alcoolizado", acrescentou.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva
Rodoviários: ''máquinas'' sem manutenção Rodoviários: ''máquinas'' sem manutenção
Carga horária excessiva, más condições de trabalho, terminais sem estrutura apropriada e os riscos ocupacionais aos quais estão submetidos. O transporte rodoviário está em quarto lugar entre as profissões com mais com comunicações de acidentes de trabalh
#UmaPorUma #UmaPorUma
Existe uma história para contar por trás de cada assassinato de mulher em Pernambuco. Uma por uma, vamos contar todas. Mapear onde as mataram, as motivações do crime, acompanhar a investigação e cobrar a punição dos culpados. Um banco de dados virtual.

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM