Jornal do Commercio
MBL

MBL se arrepende de apoio a brasileiro preso na Venezuela

O MBL classifica o brasileiro como um ''charlatão desonesto que envergonha o País'', e lamenta pela atitude precipitada do apoio ao rapaz

Publicado em 11/01/2018, às 13h14

Ele revela ter premeditado sua detenção para chamar atenção para a causa defendida por sua ONG / Foto: Reprodução/Redes Sociais
Ele revela ter premeditado sua detenção para chamar atenção para a causa defendida por sua ONG
Foto: Reprodução/Redes Sociais
Estadão Conteúdo

O Movimento Brasil Livre (MBL) acusou o brasileiro Jonatan Moisés Diniz, preso durante 11 dias na Venezuela, de utilizar práticas desonestas semelhantes às do governo de Nicolás Maduro, a quem acusa de "levar as crianças venezuelanas à mais pura miséria".

A crítica foi feita em nota na internet depois da divulgação do vídeo em que o catarinense revela ter premeditado sua detenção para chamar atenção para a causa defendida por sua ONG, a Time to Change the Earth (Hora de mudar a Terra, em tradução livre).

"Jonatan aparece na Califórnia, e sua postura arrogante e triunfalista se assemelha a de um psicopata", diz o texto do MBL "Percebe-se que Jonatan não sabe o que fala, tampouco o que faz, que padece de um egoísmo doentio e, aparentemente, de profunda desonestidade", acusa o Movimento.

Até o momento, a mensagem teve mais de 2,5 mil interações no Facebook, com a grande maioria dos internautas defendendo o MBL e criticando a tática adotada por Diniz. A reportagem pediu que Diniz comentasse as críticas do MBL, mas ainda não obteve retorno.



"O Movimento Brasil Livre - MBL - vem por meio desta pedir desculpas para seus seguidores por tê-los envolvido na campanha para libertar um charlatão desonesto que envergonha o País", prossegue o grupo. "E lamenta, também, pelo incansável trabalho de seus ativistas que batalharam durante o Natal e o ano novo divulgando a arbitrariedade cometida pela ditadura de Maduro."

Em outra publicação, do dia 3, o MBL tinha comparado o caso de Diniz com o do brasileiro Rodrigo Gularte, executado em abril de 2015 pela Indonésia depois de ser preso no país com seis quilos de cocaína. Na mensagem, o movimento alegou que o governo e a imprensa tinham se mobilizado no caso de Gularte, mas não tinham agido em relação à prisão Diniz.

Por fim, os ativistas dizem que apesar de o caso mostrar o que consideram "o que há de pior no ser humano", também despertou "o que há de melhor em milhões de brasileiros", ao se referirem à onda de solidariedade que a prisão de Diniz promoveu nas redes sociais.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Nordeste Renovável Nordeste Renovável
Com a força dos ventos e a incidência solar, o Nordeste desponta como oásis. Não só para o turismo, nem apenas no Litoral. Na geração de energia sustentável está a nova fonte de riqueza da Região, principalmente no interior
Vidas Compartilhadas Vidas Compartilhadas
O JC apresenta o mundo da doação e dos transplantes de órgãos pelas vozes de pessoas que ensinam, mesmo diante das adversidades, a recomeçar a vida quantas vezes for preciso.
JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM