Jornal do Commercio
Fator Bolsonaro

Dissidentes do PSDB e PSB desistem de ir para o PSL

Ida de Jair Bolsonaro para o PSL para se candidatar ao Planalto fez com que 12 deputados deixassem de se filiar ao partido

Publicado em 12/02/2018, às 07h24

Deputado federal, Jair Bolsonaro quer ser presidente do Brasil / Foto: ABr
Deputado federal, Jair Bolsonaro quer ser presidente do Brasil
Foto: ABr
Estadão Conteúdo

A ida do deputado Jair Bolsonaro (RJ) para o PSL para ser candidato à Presidência pelo partido fez um grupo de pelo menos outros 12 deputados federais desistir de se filiar à legenda. O grupo era formado principalmente por parlamentares jovens dissidentes do PSDB e PSB.

Capitaneados pelo deputado Daniel Coelho (PSDB-PE), esses parlamentares negociavam a filiação com a ala do PSL intitulada de Livres, que comandava 12 diretórios estaduais e era liderada por Sérgio Bivar, filho do deputado federal e ex-presidente da legenda Luciano Bivar (PE).

Nas conversas com os deputados, a promessa era que o PSL mudaria o nome para Livres e que o novo partido passaria a atuar como uma espécie de "movimento", com viés liberal tanto na economia quanto na política. "Não ia ser um partido de caciques comandando e o resto sabendo depois", disse Coelho.

Os deputados do PSDB que conversaram com o PSL fazem parte da ala conhecida como "cabeças-pretas", tucanos mais jovens que demonstram descontentamento com o governo Michel Temer. Entre eles, estavam o próprio Coelho, Pedro Cunha Lima (PB), Mariana Carvalho (RO) e Pedro Vilela (AL).



"Quando eles (PSL) procuraram esse grupo de pessoas para conversar, procuraram com um proposta de que o partido seria diferente, viraria Livres, com mudança do estatuto. Um partido que teria instrumentos de participação da sociedade, que seria moderno. Mas acho que abortaram essa ideia", afirmou Coelho.

Casamento com o PSL

Bolsonaro acertou a ida para o PSL em janeiro. Como é deputado federal, ele e os integrantes de seu grupo que são parlamentares só vão se filiar em março, durante a janela que permite a troca partidária, sem risco de perda de mandato. Na negociação, Bolsonaro exigiu ter o comando da sigla, o que já foi efetivado.

Em recente convenção, Luciano Bivar pediu licença da presidência do PSL até novembro. Assumiu interinamente Gustavo Bebiano, advogado de Bolsonaro. Ele fica no cargo até abril, quando o deputado Eduardo Bolsonaro, filho do presidenciável, deve assumir o comando da sigla. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.


Palavras-chave

Recomendados para você


Comentários

Por aldir,12/02/2018

Bolsonaro num partido de codinome "livres" ... é comedia mesmo. essa politica nacional é um lixo. quem não ta liado o que se passa lega gabiru por lebre

Por Golpistas,12/02/2018

"A merda vai chegar no meio da Canela nessa Eleição!"



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva
Rodoviários: ''máquinas'' sem manutenção Rodoviários: ''máquinas'' sem manutenção
Carga horária excessiva, más condições de trabalho, terminais sem estrutura apropriada e os riscos ocupacionais aos quais estão submetidos. O transporte rodoviário está em quarto lugar entre as profissões com mais com comunicações de acidentes de trabalh
#UmaPorUma #UmaPorUma
Existe uma história para contar por trás de cada assassinato de mulher em Pernambuco. Uma por uma, vamos contar todas. Mapear onde as mataram, as motivações do crime, acompanhar a investigação e cobrar a punição dos culpados. Um banco de dados virtual.

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM