Jornal do Commercio
INVESTIGAÇÃO

Meirelles avalia que investigação sobre Temer não atrapalha o governo

Michel temer teve seu sigilo bancário quebrado durante a investigação do Decreto dos Portos

Publicado em 14/03/2018, às 16h08

"Não, do meu ponto de vista acredito que não atrapalha o governo. O governo continua trabalhando com toda eficiência e transparência", comentou
Foto: ABr
Estadão Conteúdo

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse nesta quarta-feira (14) que as investigações contra o presidente Michel Temer no Supremo Tribunal Federal (STF) não estão atrapalhando o funcionamento do governo e reforçou previsões da equipe econômica que apontam para um crescimento de 3% da economia brasileira neste ano, com a geração de 2,5 milhões de postos de trabalho. Meirelles participa nesta tarde da edição latino-americana do Fórum Econômico Mundial, em São Paulo.

"Não, do meu ponto de vista acredito que não atrapalha o governo. O governo continua trabalhando com toda eficiência e transparência. Isso é uma questão a ser trabalhada no âmbito jurídico", comentou o titular da Fazenda a respeito da quebra do sigilo bancário do presidente Temer no processo que investiga o Decreto dos Portos.

Questionado sobre como a possibilidade de prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva poderia influenciar o cenário eleitoral, Meirelles disse que o assunto é de responsabilidade do Judiciário e não deve ser politizado.



Mais uma vez, Meirelles destacou que o Brasil já saiu da recessão e que as reformas estão mudando estruturalmente a economia. O teto de gastos, exemplificou, vai reduzir o tamanho do Estado e melhorar a qualidade do serviço público.

Ele também confirmou que o governo brasileiro avalia medidas a serem tomadas frente à sobretaxação de importação de aço e alumínio anunciada pelos Estados Unidos, mas frisou que a barreira não afeta a perspectiva de crescimento econômico deste ano. "É uma medida evidentemente negativa", disse o ministro. "Estamos estudando do ponto de vista do Brasil quais são as medidas a serem tomadas, podendo fazer uma ação junto à Organização Mundial do Comércio."

Os Estados Unidos sinalizaram disposição em negociar, disse o ministro, mas ainda não ficou claro em que ponto giraria essa negociação. "Acredito que nem as autoridades econômicas americanas ainda têm clareza de qual seria essa negociação que o presidente americano tem em mente."


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM