Jornal do Commercio
STF

'Fui ingênuo, mas não cometi nenhuma ilegalidade', diz Aécio

Em artigo, Aécio Neves se defende de denúncia da PGR e classifica gravação de Joesley como criminosa

Publicado em 16/04/2018, às 10h50

Aécio foi denunciado após aparecer em gravação do dono da JBS, Joesley Batista, pedindo R$ 2 milhões, que a PGR sustenta ser propina e o senador nega, alegando que o dinheiro foi resultado de um empréstimo firmado entre ele Joesley / Foto: AFP
Aécio foi denunciado após aparecer em gravação do dono da JBS, Joesley Batista, pedindo R$ 2 milhões, que a PGR sustenta ser propina e o senador nega, alegando que o dinheiro foi resultado de um empréstimo firmado entre ele Joesley
Foto: AFP
Estadão Conteúdo

Na véspera do julgamento previsto no Supremo Tribunal Federal (STF) do inquérito em que é denunciado pela Procuradoria-Geral da República por corrupção passiva e tentativa de obstrução da Lava Jato, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) diz, em artigo publicado no jornal Folha de S Paulo, que no País todos os políticos são considerados, de antemão, culpados.

JBS

Aécio foi denunciado após aparecer em gravação do dono da JBS, Joesley Batista, pedindo R$ 2 milhões, que a PGR sustenta ser propina e o senador nega, alegando que o dinheiro foi resultado de um empréstimo firmado entre ele Joesley.

Se a denúncia for acatada nesta terça-feira (17) pelo STF, o senador mineiro passa a ser réu. Além de Aécio, sua irmã Andrea Neves, seu primo Frederico Pacheco de Medeiros e o advogado Mendherson Souza Lima também foram denunciados pela prática do crime de corrupção passiva.



No artigo publicado na Folha, Aécio diz que em 2017 precisou contratar advogados, então sua mãe colocou um apartamento à venda porque ele não possuía os recursos necessários. Sua irmã ofereceu o imóvel a alguns empresários, incluindo Joesley Batista.

O senador mineiro diz que a PF recuperou um telefonema, não citado pelo delator, no qual fica claro o objetivo do contato feito, que era a venda do imóvel. E diz estar arrependido de ter usado, "numa conversa criminosamente gravada e induzida por Joesley", vocabulário inadequado e fazer "brincadeiras injustificáveis e de mau gosto", das quais afirma estar arrependido profundamente. "Fui ingênuo, cometi erros e me penitencio diariamente por eles, mas não cometi nenhuma ilegalidade", argumenta Aécio.


Palavras-chave

Recomendados para você


Comentários

Por LYRA,16/04/2018

Não é que os políticos são julgados culpados com antecedência, como diz o marginal em sua nota divulgada pelos jornais, na verdade é que fica provado por A mais B que todos esses que formam essa grande quadrilha que é a podre politica nacional, não passam de BANDIDOS DA MAIS ALTA PERICULOSIDADE e, entre os mais perigosos está justamente o MELIANTE Aécio DAS NEVES, não acredito que ele foi ingênuo pois, não existe BANDIDO otário, no máximo o que pode ter acontecido no dia em que ele pediu a propina ao outro BANDIDO, Joesley Batista, amigo íntimo do BANDIDO TEMER, é que se encontrava em estado avançado de alucinações causado pelo uso do poderoso TALCO.

Por galvao,16/04/2018

kkkkkkkkkk tão ingenuo esse FDP, agora que sabe que o fumo vai entrar com força, vem com uma dessa de ingenuidade. Vc e todo politico é bandido, ladrão, corrupto, merecem a forca.

Por evandro,16/04/2018

Como eu sou do bem, eu votei no Aécio e votaria de novo. Ele representa bem a direita no Brasil. Fora esquerda! Nos, da classe média, precisamos ter mais voz nesse Brasil. Nos pagamos os impostos que faz esse Brasil andar. Chega de bolsa disso e daquilo. Chega de cotas! Chega de populismo! Direita avante!! Aécio no planalto trazendo o progresso que queremos.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM