Jornal do Commercio
TRIPLEX

Manifestantes pró-Lula desocupam triplex no Guarujá

Os manifestantes, integrantes da Frente Povo Sem Medo e MTST, ocuparam o triplex por volta das 8h30

Publicado em 16/04/2018, às 17h30

Um dos advogados do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto, Ramon Koelle, afirma que não houve arrombamento do portão e nem da porta do apartamento e que tudo se deu pacificamente e sem danos ao condômino / Foto: Reprodução Facebook/Guilherme Boulos
Um dos advogados do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto, Ramon Koelle, afirma que não houve arrombamento do portão e nem da porta do apartamento e que tudo se deu pacificamente e sem danos ao condômino
Foto: Reprodução Facebook/Guilherme Boulos
Estadão Conteúdo

O grupo de manifestantes que ocupou o triplex no Guarujá atribuído ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado e preso na Lava Jato, deixou pacificamente o prédio por volta de 11h30 desta segunda-feira (16). Integrantes da Frente Povo Sem Medo e do MTST deixaram o local, depois de 3 horas, após conversar com a Polícia Militar.

Além da ocupação, havia ainda um grupo de 70 apoiadores em frente ao triplex, com faixas dizendo "Se é do Lula, é nosso", "Se não é, por que prendeu?" e "Povo sem Medo". "É uma denúncia da farsa judicial que levou Lula à prisão. Se o triplex é dele, então o povo está autorizado a ficar lá. Se não é, precisam explicar porque ele está preso", disse o pré-candidato à Presidência do PSOL, Guilherme Boulos, que também participou do ato, nas redes sociais. A também pré-candidata Manuela D'Ávila (PCdoB) manifestou-se a favor do ato em sua conta no Twitter, assim como o senador Lindbergh Farias (PT).

Representantes das polícias Civil, Militar, além de advogados dos manifestantes fizeram uma vistoria prévia no condomínio e apartamento para verificar se há indícios de depredação ou arrombamentos. Eles aguardavam perícia da Polícia Federal, que estava a caminho.

De acordo com o coronel do 21° Batalhão de Polícia Militar do Interior, Luiz Fernando Stefani, não houve negociação, mas um acordo para a saída dos manifestantes até as 11h45. "Eles disseram que a ocupação era simbólica e resolveram sair pacificamente. Agora, a ocorrência será encaminhada para a Polícia Federal, que dará prosseguimento com o caso", disse.



Um dos advogados do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto, Ramon Koelle, afirma que não houve arrombamento do portão e nem da porta do apartamento e que tudo se deu pacificamente e sem danos ao condômino. "Fizemos um acordo para ninguém se machucar. Tínhamos senhoras e senhores de idade lá dentro e não queríamos confronto. Nossa mensagem era de que se o apartamento é do Lula, entramos lá como convidados, pois somos amigos", declarou.

Acusando o atual presidente Michel Temer de "ladrão" e o juiz federal Sérgio Moro, que condenou o ex-presidente, de fazer um julgamento "tendencioso", os manifestantes entraram no prédio por volta das 8h30 da manhã, quando abriram um portão que, segundo eles, já estava quebrado, apenas empurrando-o.

De acordo com a advogada do MTST Débora Camilo, a ocupação era uma forma de manifestação à prisão do ex-presidente. "Queremos abrir os olhos da população para a prisão ilegal de Lula, que foi feita para tirá-lo da disputa presidencial. Não quebramos nada, estamos fazendo um ato pacífico. Queremos sair do triplex ainda hoje", destacou.

 


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Recife em Transformação Recife em Transformação
A cidade e o desafio de traçar o seu futuro
Zika em mil dias Zika em mil dias
Já se passaram quase 2 anos e meio desde que o JC anunciou a explosão de casos de recém-nascidos com microcefalia. Muitas dessas crianças já completaram os seus primeiros mil dias de vida. Famílias e especialistas revelam o que aconteceu nesse período
Logística e inovação Logística e inovação
Você sabe o que é logística? Ela parece invisível, mas está presente no nosso dia a dia, encurtando distâncias. Quando compramos uma maçã no supermercado, muitas vezes não nos damos conta do caminho que percorreu até chegar a nossas mãos

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM