Jornal do Commercio
ELEIÇÃO 2018

Projeto do PT não é o meu, diz Ciro Gomes

De olho no eleitorado de esquerda crítico ao PT, Ciro fez questão de marcar posição e disse que o projeto que defende é diferente para o País

Publicado em 16/04/2018, às 22h11

"O projeto do PT não é, definitivamente, o meu", disse o pré-candidato
Foto: Marcello Casal Jr./ABr
Estadão Conteúdo

Pré-candidato do PDT à Presidência da República, o ex-ministro Ciro Gomes (PDT) disse nesta segunda-feira (16), não ter nenhuma expectativa de apoio do PT à sua candidatura e que não representa o Partido dos Trabalhadores na disputa presidencial. "Estamos cansados de saber que o PT não apoiará ninguém", declarou o presidenciável em evento na cidade de Nova Lima (MG).

De olho no eleitorado de esquerda crítico ao PT, Ciro fez questão de marcar posição e disse que o projeto que defende é diferente para o País. "O projeto do PT não é, definitivamente, o meu", ressaltou. O ex-ministro do governo Lula disse que os partidos de esquerda têm suas peculiaridades, mas que diante da polarização acabam se unindo em algum momento. "A esquerda diz que ela só se une na cadeia, porque a tradição é um pouco essa", completou.

Ciro, que pediu autorização judicial para visitar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na prisão, enfatizou que não tratará de política com o petista e que pretende visitá-lo como "velho camarada de mais de 30 anos". "Vou como amigo, não tratarei uma frase sobre política", afirmou.

O encontro é visto como um gesto do pedetista em busca de uma reaproximação com os petistas, já que Ciro e a cúpula do PDT não estiveram no ato político em São Bernardo do Campo (SP) que antecedeu a rendição de Lula. No entanto, Ciro faz questão de endurecer o discurso em público e diz que "não era obrigado" a estar no evento de Lula, já que estava em um compromisso pré-agendando no exterior. "Por que eu tinha de estar lá? Em nome de que eu tinha de estar lá? A quem estou devendo esse gesto?", questionou.

O presidenciável lembrou que todos os partidos de esquerda estão mantendo suas pré-candidaturas e que ninguém está discutindo alianças no primeiro turno. Comparando a corrida presidencial à Fórmula 1, Ciro disse que os competidores ainda estão sendo testados para ver quem estará bem "no grid de largada". "Está todo mundo no treino livre", comentou.

Pesquisa Datafolha 

Segundo pesquisa Datafolha divulgada no último fim de semana, Lula continua liderando a corrida ao Palácio do Planalto mesmo preso. O petista aparece em três cenários e oscila entre 30% e 31%, na liderança, à frente do deputado Jair Bolsonaro (PSL), que varia entre 15% e 16%, e Marina Silva (Rede), com 10%.



No cenário com Lula, Joaquim Barbosa (PSB) aparece com 8%, Geraldo Alckmin (PSDB) com 6%, Ciro Gomes (PDT) com 5%, Alvaro Dias (Podemos) com 3%, Manuela D'Ávila (PCdoB) com 3%, Fernando Collor de Mello (PTC) com 1%, Rodrigo Maia (DEM) com 1%, Henrique Meirelles (MDB) com 1%, Flavio Rocha (PRB) com 1% e outros, como Paulo Rabello de Castro (PSC), não pontuaram.

Em todos os cenários sem o ex-presidente Lula, Ciro Gomes (PDT) alcança 9% das intenções de voto, empatado tecnicamente com Alckmin, que varia de 7% a 8%, e Barbosa, que oscila entre 9% e 10%.

Ao avaliar o "retrato do momento", Ciro disse que não consegue visualizar Bolsonaro liderando pesquisa de intenção de voto por seu "despreparo" e sua "extensa boçalidade". Ciro lembrou que uma parcela do eleitorado ainda aguarda a indicação do candidato apontado por Lula.

Para Ciro, os índices de Barbosa se devem à exposição do ex-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) no julgamento do Mensalão e ao fato dele ter um perfil de alguém de fora da política. O pré-candidato do PDT considera que a perspectiva de votos no magistrado aposentado mostra o fim de um ciclo no País e a busca por novas lideranças.

O ex-ministro de Lula disse que resta saber se o pré-candidato Joaquim Barbosa terá consistência comprovada no decorrer da campanha eleitoral, uma vez que as candidaturas se tornarão competitivas a partir do atrito entre elas. "Todos nós teremos de nos expor à fricção", observou o pedetista.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Recife em Transformação Recife em Transformação
A cidade e o desafio de traçar o seu futuro
Zika em mil dias Zika em mil dias
Já se passaram quase 2 anos e meio desde que o JC anunciou a explosão de casos de recém-nascidos com microcefalia. Muitas dessas crianças já completaram os seus primeiros mil dias de vida. Famílias e especialistas revelam o que aconteceu nesse período
Logística e inovação Logística e inovação
Você sabe o que é logística? Ela parece invisível, mas está presente no nosso dia a dia, encurtando distâncias. Quando compramos uma maçã no supermercado, muitas vezes não nos damos conta do caminho que percorreu até chegar a nossas mãos

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM