Jornal do Commercio
Greve dos caminhoneiros

Senado aprova projeto que zera PIS/Cofins sobre diesel até fim de 2018

Segundo o líder do Governo, o item será vetado por Temer

Publicado em 29/05/2018, às 21h04

Texto foi aprovado na noite desta terça-feira / Foto: Jonas Pereira/Agência Senado
Texto foi aprovado na noite desta terça-feira
Foto: Jonas Pereira/Agência Senado
Agência Senado

O Plenário do Senado decidiu, por 51 votos a 14, aprovar nesta terça-feira (29), o projeto que reonera a folha de pagamento para 28 setores da economia. A proposta também prevê zerar, até o final deste ano, a PIS/Cofins que incide sobre o óleo diesel, mas este item será vetado pelo presidente Michel Temer, segundo o líder do governo, senador Romero Jucá (MDB-RR). O veto foi combinado entre o governo e a base aliada para que os senadores não alterassem o texto. Assim, a medida não precisa voltar para a Câmara dos Deputados e pode ser sancionada imediatamente.

Como foi feito o acordo

O acordo foi costurado pelo Palácio do Planalto com o Senado. Pelo combinado, Temer irá vetar o artigo que determina a zeragem do PIS/Cofins do diesel até o fim do ano. "O presidente vai vetar a emenda das oposições, do (deputado) Orlando Silva, do PCdoB, que tirava dinheiro do PIS/Cofins. Esse não é o caminho", afirmou Jucá. "A emenda é inconstitucional, portanto, essa emenda será vetada e o governo vai redefinir outras fontes através de decreto para poder cumprir o entendimento de R$ 0,46 a menos no óleo diesel", acrescentou.

Com este veto, a gestão emedebista terá que encaminhar a redução do tributo por meio de outro instrumento, o que deve acontecer por decreto presidencial. Neste caso, a redução da alíquota não seria a zero, como previsto na Câmara, mas sim ao patamar que signifique a queda de R$ 0,16 do diesel nas bombas, como vem sendo defendido pelo governo. "A proposta do PIS/Cofins zerado surgiu na Câmara e desde o início o governo não concordou", afirmou Jucá.

Ao promover a baixa de R$ 0,16 do diesel até o fim do ano, por meio da redução do PIS/Cofins, o governo precisará cobrir um rombo de R$ 4 bilhões. A reoneração da folha permitirá cobrir uma parcela deste valor, mas na manhã desta terça o ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, afirmou que ela não atingirá estes R$ 4 bilhões. Será preciso adotar medidas adicionais.



Além dos R$ 0,16 provenientes dos impostos, serão reduzidos outros R$ 0,30 do diesel por meio de subvenção da Petrobras. Assim, será possível chegar aos R$ 0,46. Neste caso dos R$ 0,30, o impacto aos cofres do governo seria próximo de R$ 9,5 bilhões. Deste montante, R$ 5,7 bilhões viriam de um espaço já disponível na meta fiscal. Outros R$ 3,8 bilhões viriam de corte de gastos do governo.

"O governo vai realocar recursos para cumprir o acordo com os caminhoneiros. Existem desonerações, existem outros caminhos que farão com que o prejuízo não seja tão grande quanto tirar recurso da Saúde e da Previdência", disse Jucá. "Podemos buscar outros caminhos, e o governo vai honrar o acordo com os caminhoneiros. A emenda (do PIS/Cofins) é toda errada, não deveria ter sido feita. Nós vamos consertar isso. Vamos tirar recursos de outras ações para cumprir o acordo feito", acrescentou.

O artigo que zera o PIS/Cofins se tornou um problema para o governo federal porque cria um rombo maior que o previsto pela Câmara. Na ocasião da discussão da matéria, os deputados previam que o custo do corte do PIS/Cofins com a reoneração seria da ordem de R$ 3 bilhões. O governo, no entanto, estima uma perda de mais de R$ 10 bilhões. Alguns dias após a aprovação, a Câmara dos Deputados assumiu que os cálculos estavam errados.


Recomendados para você


Comentários

Por JUSTICEIRO REVOLTADO,30/05/2018

ESTE PAÍS NÃO TEM FORÇAS ARMADAS???? A POPULAÇÃO EM ESTADO DE CALAMIDADE E VOCÊS COMENDO DO GOVERNO SEM MEXER UM DEDO. ONDE ESTÁ A PÁTRIA DE VOCÊS??? A PÁTRIA É O POVO, NÃO UM GOVERNO CORRUPTO.

Por LYRA,30/05/2018

Apesar de não está explicito no texto da reportagem, acho eu, que tanto o ato de zerar a COFINS, o PIS e a CIDE sobre o diesel só valerá até dezembro/2018 o que re-onera a folha de pagamento também só valerá até a mesma data, ou os BANDIDOS, entendam-se políticos, querem aplicar mais um golpe na sociedade? E, não sei se os senhores notaram, que essa data limite é a mesma em que se encerra o "MANDATO" do CHEFE DE QUADRILHA e LADRÃO GERAL DA NAÇÃO, o meliante Temer mas, nota-se que os seus comparsas que habitam a ZBM mais conhecida como congresso nacional, continuam a proteger o GOLPISTA, passando a batata quente para quem assumir o palácio das meninas alegres, a partir de janeiro/2019.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM