Jornal do Commercio
PARANÁ

No Paraná, uma eleição sob o espectro da Lava Jato

No estado de origem da Operação Lava Jato, os principais candidatos ao governo estadual já foram citados nas investigações

Publicado em 11/06/2018, às 09h56

As investigações que citam os políticos paranaenses, não deverão ter a principal atenção do eleitor segundo o cientista político da PUC-PR Masimo Della Justina. / Ilustração - Marcello Casal Jr./Agência Brasil
As investigações que citam os políticos paranaenses, não deverão ter a principal atenção do eleitor segundo o cientista político da PUC-PR Masimo Della Justina.
Ilustração - Marcello Casal Jr./Agência Brasil
Estadão Conteúdo

No Paraná, Estado de origem da Operação Lava Jato, os principais pré-candidatos ao governo nas eleições de outubro já foram pelo menos citados nas investigações - e um deles é alvo de inquérito. No campo das formações de alianças, o cenário ainda é de indefinição.

O jornal O Estado de S. Paulo inicia nesta segunda-feira (11) cobertura das eleições no Paraná com correspondente em Curitiba.

Entre os principais pré-candidatos ao Palácio Iguaçu, estão o ex-senador Osmar Dias (PDT), irmão do pré-candidato à Presidência Alvaro Dias (Podemos); a atual governadora, Cida Borghetti (PP), que foi vice de Beto Richa (PSDB); Ratinho Júnior (PSD), filho do apresentador do SBT e integrante do grupo de Richa.

Completam a lista Dr. Rosinha, presidente estadual do PT que confirmou nesse domingo (10) sua pré-candidatura, o ex-vereador de Curitiba por sete mandatos Jorge Bernardi (Rede), Professor Piva (PSOL) e Geonísio Marinho (PRTB).

Osmar Dias é alvo de inquérito da Lava Jato que corre na Justiça Federal do Distrito Federal. O ex-presidente da Odebrecht Ambiental Fernando Reis afirmou ao MPF - em acordo de delação premiada - que deu R$ 500 mil para a campanha de Osmar Dias ao governo, em 2010.

O pedetista declarou ao Estado que o inquérito está sendo encerrado e que a Polícia Federal não encontrou nada contra ele. O pré-candidato afirmou que, apesar de seu nome aparecer na planilha do Setor de Operações Estruturadas da Odebrecht, chamado por investigadores de "departamento da propina", a coluna dos valores não estava preenchida - o que, segundo o político, demonstra que não houve doação.



Vice de Richa no último mandato, a atual governadora paranaense, Cida Borghetti, também é citada na planilha da Odebrecht descoberta pela Lava Jato. Casada com o ex-ministro da Saúde Ricardo Barros (PP), Cida é associada a um suposto repasse de R$ 50 mil da empreiteira em 2010, quando se elegeu deputada federal Não há investigação correndo sobre o caso. Por meio de sua assessoria, a governadora afirmou que não recebeu nenhuma doação ilícita. Cida ressaltou que nenhum delator da Odebrecht fez menção ao seu nome.

Cida ainda é citada na Operação Quadro Negro, que investiga desvios de verbas de reformas e construções de escolas no Paraná Richa também é alvo dessa investigação. No âmbito da Lava Jato, o ex-governador - pré-candidato ao Senado pelo PSDB - é investigado em decorrência da delação da Odebrecht. Richa perdeu o foro privilegiado quando renunciou ao cargo de governador e os processos contra ele foram enviados à primeira instância. Richa e Cida negam todas as acusações.

Ratinho Júnior também apareceu na planilha da Odebrecht, com um pagamento de R$ 250 mil, em 2012. Naquele ano, ele saiu derrotado no segundo turno na disputa à prefeitura de Curitiba. Em nota, a assessoria de Ratinho Júnior afirmou que não há nenhuma investigação envolvendo o deputado estadual na Lava Jato E disse que as doações foram legais e com prestação de contas aprovada.

As investigações que citam os políticos paranaenses, porém, não deverão ter a principal atenção do eleitor nem estar no centro das discussões, segundo o cientista político da PUC-PR Masimo Della Justina. "Se houver candidatos desconstruindo a imagem alheia, o eleitor vai julgar, e isso não é bem visto."

Incerteza

Em relação às alianças políticas, o cenário no Paraná está incerto. No fim do ano passado, porém, Osmar Dias e o senador Roberto Requião (MDB), possível candidato à reeleição, sinalizaram uma nova aproximação, ao divulgar vídeos dizendo que fariam um plano de governo comum. Richa tem dois aliados na disputa ao governo: Ratinho Júnior, que foi secretário de seu governo, e Cida Borghetti, que foi sua vice. O pré-candidato tucano ao Senado não definiu em que chapa deverá concorrer. O petista Dr. Rosinha disse que pretende construir aliança com o PCdoB. Ratinho Júnior tem dito que as conversas estão adiantadas com PSC, PRB e PR.

Além de Richa e Requião, 12 nomes se apresentam como pré-candidatos ao Senado.

 


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM