Jornal do Commercio
lava jato

Moro proíbe uso de provas contra delatores e empresas da Lava Jato

O juiz proibiu o uso não só de provas fornecidas por colaboradores, mas também as informações obtidas por outros meios, mas que poderiam implicar os delatores

Publicado em 13/06/2018, às 08h01

Processo foi redistribuído para a 23ª Vara Federal de Curitiba / Foto: EBC
Processo foi redistribuído para a 23ª Vara Federal de Curitiba
Foto: EBC
JC Online com Agências

Pela primeira vez, na última segunda-feira (11), o juiz Sérgio Moro, responsável pelos processos da Lava Jato na primeira instância, declarou que não tem competência para julgar a ação penal resultante da 48ª fase da operação, onde apura irregularidades em pedágio do Paraná. Segundo informações divulgadas pelo jornal Folha de S. Paulo, em uma decisão sigilosa, Moro proibiu o uso de provas obtidas pela Lava Jato contra delatores e empresas que reconheceram crimes e passaram a colaborar com os procuradores à frente das investigações. O processo foi redistribuído para a 23ª Vara Federal de Curitiba, sob responsabilidade do juiz Paulo Sergio Ribeiro. 

No despacho, Moro alegou que, apesar das conexões, a ação penal não tem qualquer ligação com a Petrobras ou com o Setor de Operações Estruturadas do Grupo Odebrecht. Afirmou, ainda, estar sobrecarregado. O Ministério Público Federal (MPF) não quis se manifestar a respeito.

A decisão atinge a AGU (Advocacia-Geral da União), a CGU (Controladoria-Geral da União), o Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica), o Banco Central, a Receita Federal e o TCU (Tribunal de Contas da União).

A decisão de Sérgio Moro indica que ele foi além do que a legislação americana permite. O juiz proibiu o uso não só de provas fornecidas por colaboradores, mas também as informações obtidas por outros meios, mas que poderiam implicar os delatores.



Embora a sua decisão tenha sido assinada em abril, o Ministério Público Federal só informou os órgãos afetados pela medida em maio. Ainda não há uma avaliação segura sobre o impacto da ordem de Moro nas investigações em andamento nesses órgãos."

48ª Fase

A Polícia Federal (PF) realizou no último mês de fevereiro, buscas na Casa Civil do governo do Estado do Paraná. A ação fez parte da 48ª fase da Operação Lava Jato. A primeira fase das investigações em 2018 tem como alvo esquema de corrupção de concessionárias de rodovias federais a agentes do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), do Departamento de Estradas de Rodagem (DER) do Paraná e da Casa Civil do governo do Estado do Paraná.

Foram cumpridos sete mandatos de prisão e 50 mandados de busca e apreensão decretados pelo juiz federal Sérgio Moro nessa nova etapa, batizada de Operação Integração. O nome decorre do alvo, a suspeita de corrupção na concessão de rodovias federais no Paraná que fazem parte do chamado Anel da Integração. A PF cumpre as ordens judiciais em quatro Estados: Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro e Santa Catarina.


Palavras-chave

Recomendados para você


Comentários

Por Fica Temer,13/06/2018

O juizão corrupto lá do Paraná, agora vai defender os ladrões tucanos; esses são inimputáveis.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM