Jornal do Commercio
lava jato

Moro proíbe uso de provas contra delatores e empresas da Lava Jato

O juiz proibiu o uso não só de provas fornecidas por colaboradores, mas também as informações obtidas por outros meios, mas que poderiam implicar os delatores

Publicado em 13/06/2018, às 08h01

Processo foi redistribuído para a 23ª Vara Federal de Curitiba / Foto: EBC
Processo foi redistribuído para a 23ª Vara Federal de Curitiba
Foto: EBC
JC Online com Agências

Pela primeira vez, na última segunda-feira (11), o juiz Sérgio Moro, responsável pelos processos da Lava Jato na primeira instância, declarou que não tem competência para julgar a ação penal resultante da 48ª fase da operação, onde apura irregularidades em pedágio do Paraná. Segundo informações divulgadas pelo jornal Folha de S. Paulo, em uma decisão sigilosa, Moro proibiu o uso de provas obtidas pela Lava Jato contra delatores e empresas que reconheceram crimes e passaram a colaborar com os procuradores à frente das investigações. O processo foi redistribuído para a 23ª Vara Federal de Curitiba, sob responsabilidade do juiz Paulo Sergio Ribeiro. 

No despacho, Moro alegou que, apesar das conexões, a ação penal não tem qualquer ligação com a Petrobras ou com o Setor de Operações Estruturadas do Grupo Odebrecht. Afirmou, ainda, estar sobrecarregado. O Ministério Público Federal (MPF) não quis se manifestar a respeito.

A decisão atinge a AGU (Advocacia-Geral da União), a CGU (Controladoria-Geral da União), o Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica), o Banco Central, a Receita Federal e o TCU (Tribunal de Contas da União).

A decisão de Sérgio Moro indica que ele foi além do que a legislação americana permite. O juiz proibiu o uso não só de provas fornecidas por colaboradores, mas também as informações obtidas por outros meios, mas que poderiam implicar os delatores.



Embora a sua decisão tenha sido assinada em abril, o Ministério Público Federal só informou os órgãos afetados pela medida em maio. Ainda não há uma avaliação segura sobre o impacto da ordem de Moro nas investigações em andamento nesses órgãos."

48ª Fase

A Polícia Federal (PF) realizou no último mês de fevereiro, buscas na Casa Civil do governo do Estado do Paraná. A ação fez parte da 48ª fase da Operação Lava Jato. A primeira fase das investigações em 2018 tem como alvo esquema de corrupção de concessionárias de rodovias federais a agentes do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), do Departamento de Estradas de Rodagem (DER) do Paraná e da Casa Civil do governo do Estado do Paraná.

Foram cumpridos sete mandatos de prisão e 50 mandados de busca e apreensão decretados pelo juiz federal Sérgio Moro nessa nova etapa, batizada de Operação Integração. O nome decorre do alvo, a suspeita de corrupção na concessão de rodovias federais no Paraná que fazem parte do chamado Anel da Integração. A PF cumpre as ordens judiciais em quatro Estados: Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro e Santa Catarina.


Palavras-chave

Recomendados para você


Comentários

Por Fica Temer,13/06/2018

O juizão corrupto lá do Paraná, agora vai defender os ladrões tucanos; esses são inimputáveis.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

As Paixões de José Pimentel, o eterno Jesus As Paixões de José Pimentel, o eterno Jesus
O JC preparou um hotsite especial em homenagem ao ator e diretor Jose Pimentel, o eterno Jesus Cristo do teatro pernambucano
Nordeste Renovável Nordeste Renovável
Com a força dos ventos e a incidência solar, o Nordeste desponta como oásis. Não só para o turismo, nem apenas no Litoral. Na geração de energia sustentável está a nova fonte de riqueza da Região, principalmente no interior
Vidas Compartilhadas Vidas Compartilhadas
O JC apresenta o mundo da doação e dos transplantes de órgãos pelas vozes de pessoas que ensinam, mesmo diante das adversidades, a recomeçar a vida quantas vezes for preciso.

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM