Jornal do Commercio
passira

Bafômetro para vereador? Ainda não

Projeto de lei, derrubado na Câmara Municipal, previa o uso do instrumento antes de sessões para pegar vereadores alcoolizados. Autor da proposta pensa em emenda

Publicado em 15/05/2013, às 07h58

 / Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem

Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem

Pedro Romero

Caruaru – A Câmara de Vereadores de Passira, no Agreste, rejeitou o polêmico projeto que previa o uso de bafômetro antes das sessões legislativas. A proposta foi apresentada pelo vereador Antônio Luis da Silva (PSDB) e rejeitada por seis votos a quatro, na sessão da última quinta-feira. Segundo o autor da matéria, a ideia era evitar que os vereadores comparecessem embriagados às sessões do Legislativo municipal. Ele ainda não desistiu da iniciativa e pode apresentar uma emenda sobre o assunto.

O projeto previa que quando identificados sinais de embriaguês, o vereador seria submetido ao teste do bafômetro. Caso o resultado desse positivo, ele seria suspenso por três reuniões e teria R$ 300 descontado do salário, por cada sessão. A iniciativa não previa a obrigatoriedade do teste, mas caso o parlamentar se recusasse a fazer a análise seria suspenso por uma sessão e o salário seria descontado em R$ 300.

“Já que a iniciativa foi reprovada, estou consultando advogados para ver a possibilidade de apresentar uma emenda ao Regimento Interno da Câmara, incluindo o uso do bafômetro antes da sessões”, explica Antônio Luis, que é evangélico.

O vereador afirma que é comum a presença de vereadores embriagados no Legislativo. “Tem vereadores que chegam embriagados e falam o que não devem, palavrões e outras coisas”, destaca. Antônio Luís argumenta que qualquer cidadão que chega à Câmara apresentando sinais de embriaguez é imediatamente abordado e colocado para fora da Casa, sendo impedido de entrar no recinto. “O bom exemplo tem de começar a partir dos integrantes da casa legislativa”, argumenta.

De acordo com o presidente da Câmara de Vereadores de Passira, Jamilson Pereira (PSD), o regimento interno da Cassa Antônio Ronaldo Laurentino da Silva já prevê punições para esse tipo de transgressão. “O regimento interno proíbe práticas que infrinjam a boa conduta e pune quem perturba a ordem na sessões e reuniões da Câmara”, justifica. O legislativo municipal é formado por 11 vereadores, sendo nove homens e duas mulheres.

 




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM