Jornal do Commercio
código disciplinar

Sargento cumpre 30 dias de detenção disciplinar por usar óculos escuros

Após crítica de Joel da Harpa (PTN), Alepe quer revisar Código Disciplinar da PM e dos Bombeiros

Publicado em 26/04/2016, às 19h02

'Esse é um Código arcaico, atrasado e que prejudica a vida dos praças', criticou Joel da Harpa (PTN) / Foto: João Bita/Alepe

'Esse é um Código arcaico, atrasado e que prejudica a vida dos praças', criticou Joel da Harpa (PTN)

Foto: João Bita/Alepe

Paulo Veras

Um sargento do Corpo de Bombeiros Militar de Pernambuco deve passar 30 dias detido como uma punição disciplinar por ter usado óculos escuros durante o serviço. A crítica foi feita pelo deputado estadual Joel da Harpa (PTN), na sessão desta terça-feira (26) da Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe). A Casa agora quer criar uma comissão para revisar o código disciplinar da Polícia Militar e dos Bombeiros para tentar evitar punições deste tipo.

Segundo Joel, o sargento Galvão, que é doutor em Antropologia, usou o óculos escuros para fazer uma atividade física, mas foi orientado por um oficial a retirar os óculos. No dia seguinte, ao novamente usar o objeto para fazer suas atividades, ele acabou respondendo a um processo disciplinar dentro da corporação porque o artigo 81 do Código Disciplinar pune aquele que desobedecer ordem de algum superior.

O caso ocorreu em agosto, mas a punição só começou a ser paga nesta semana. "Esse é um Código arcaico, atrasado e que prejudica a vida dos praças", reclamou o deputado. "Um óculos escuros é algo normal que qualquer cidadão usa", disse ainda.

Por sugestão do deputado Rodrigo Novaes (PSD), a Alepe deve criar uma comissão, liderada por Joel, para ouvir os comandos da PM e dos Bombeiros e a categoria e tentar atualizar o Código Disciplinar, que é de 2000.

Ex-policial militar, o deputado Professor Lupércio (SD) também sugeriu que um grupo de deputados vá até o quartel conferir a situação do sargento e do oficial que o chefiava.

Palavras-chave

Recomendados para você


Comentários

Por samuel,11/05/2016

E o salário dele durante esses 30 dias, quem vai pagar?? O "Oficial" que deu essa ordem ridícula???? É mais um querendo aparecer!

Por João Lemos bastos,10/05/2016

Davi, não sei em qual planeta vc vive mas essa categoria já entrou em greve 3 vezes só nesse estado, isso sem contar na polícia civil, além da polícia federal. E todas elas usam armas e fazem greve.

Por ronaldo,06/05/2016

Que lei ridícula e draconiana!!! Isso é assédio MORAL e um absurdo que a humanidade não aceita. Quanta arbitrariedade!!! MILITARISMO........

Por Davi,27/04/2016

Quem não quer cumprir ordem que vire empreendedor e vá ganhar seu dinheiro feliz. No dia que hierarquia e disciplina sumirem instituições militares ruirão. Alguém imagina uma categoria que tem armas nas mãos entrar em greve?

Por JOÃO HELENO,27/04/2016

São coisas que a gente não entende, sabemos que para usarmos qualquer objeto sem autorização de superiores, somos passíveis de punição, para punir o profissional é muito rápido, agora para lutar pelos direitos dos subordinados não tem essa preocupação, que Deus nos abençoe.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM