Jornal do Commercio
10 ANOS DE PSB

Microcefalia e os novos desafios da saúde em Pernambuco

Zika e acidentes aumentam o custo da saúde estadual

Publicado em 15/01/2017, às 08h12

Pernambuco concentra 21% dos casos de microcefalia notificados no Brasil / Foto: Guga Matos/JC Imagem
Pernambuco concentra 21% dos casos de microcefalia notificados no Brasil
Foto: Guga Matos/JC Imagem
Verônica Almeida e Paulo Veras

Desafio internacional, a epidemia de microcefalia causada pela proliferação de doenças relacionadas ao mosquito aedes aegypti mostrou seu lado mais dramático em Pernambuco. O Estado concentrou 21,2% dos 10,5 mil casos notificados no País em 2015 e 2016. Dos 2,2 mil bebês com a doença confirmada no país, 407 estão em Pernambuco. Uma geração de crianças que precisarão para sempre do suporte da rede pública de saúde.

Atender a grave demanda inesperada pressiona as contas da saúde estadual. No combate ao mosquito, foram investidos R$ 25 milhões. Outros R$ 5 milhões foram repassados aos municípios para reforçar as ações de controle do aedes. A Facepe investiu outros R$ 3 milhões em pesquisa. Na pressão, o Estado saltou de duas para 26 o número de unidades que prestam algum atendimento às vítimas de microcafalia. Desde 2015, 4,2 mil profissionais de saúde foram chamados pelo Estado. Eles representam um gasto de R$ 6 milhões por mês na folha de pagamento.

Nos últimos três anos funcionários temporários também reclamaram de atraso no pagamento de salários. Nos hospitais universitários estaduais, protestos também se repetiram durante a gestão do PSB, acusada, por sindicalistas, de não dar atenção às unidades próprias ligadas à UPE (Oswaldo Cruz, Procape e Cisam), onde são formados médicos e enfermeiros. Outro desafio para a saúde pública é o alto número de acidentes. Em 2015, foram 19,1 mil vítimas; 719 delas em acidentes com morte. O quantitativo foi 23% menor do que no ano anterior. Mesmo assim, esses acidentados custaram R$ 917,3 milhões ao Estado. O valor manteria a Restauração, maior emergência do Nordeste, funcionando durante quatro anos.

QUE DIZEM OS MÉDICOS?

O presidente do Sindicato dos Médicos, Tadeu Calheiros, elogia medidas positivas na saúde nos dez anos da gestão do PSB, como o plano de cargos para médicos e a incorporação de gratificações ao salário. Aprova também a expansão da rede hospitalar e de emergência. Mas acredita que o modelo de gestão não é o mais adequado, por empregar sem concurso público e delegar muitos serviços a algumas organizações. Além disso, observa que situações críticas permanecem em grandes hospitais, como instalações inadequadas e superlotação no Getúlio Vargas, assim como no Otávio de Freitas. O sindicato considera também que o estado deixa nas mãos da OS o poder para fechar e reduzir serviços quando quiser. A situação tende a complicar, na avaliação dele, com a medida do governo federal que permite uma UPA funcionar com apenas dois médicos.

Outra crítica é quanto à rede de assistência ao parto. “O quadro não é mais crítico hoje porque, com a epidemia de microcefalia associada ao zika vírus, diminuiu o número de gestações e partos, em cerca de 25% ”, afirma a obstetra Cláudia Beatriz, também do Simepe. As duas maternidades metropolitanas prometidas pelo PSB no Estado, a de Jaboatão e de Olinda, ainda estão em obras. “O Hospital da Mulher, no Recife, foi inaugurado, mas ainda não faz parto de alto risco”, observa.

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM