Jornal do Commercio
Pesquisa Uninassau

Segurança e desemprego são maiores preocupações do pernambucano

O aumento da violência e a oferta de empregos têm relação direta com a aprovação do governo Paulo Câmara

Publicado em 01/04/2017, às 12h01

A Segurança Pública e o desemprego são as principais preocupações do pernambucano e refletem na aprovação do governo Paulo Câmara / JC Imagem
A Segurança Pública e o desemprego são as principais preocupações do pernambucano e refletem na aprovação do governo Paulo Câmara
JC Imagem
Franco Benites

Em discursos e entrevistas, Paulo Câmara (PSB) vem afirmando que seus principais desafios são a Segurança e o desemprego. Essa avaliação é embasada pela pesquisa Uninassau. Para 41,3% das pessoas ouvidas pelo instituto, o maior problema do Estado é a violência. Já 21,1% acreditam que o desemprego é o grande obstáculo em Pernambuco. Saúde (16,9%), falta d´ água (5,1%), educação (3%), o próprio governador (2,8%), crise/economia (1,2%) e outros temas (4,3%) representam as demais preocupações dos pernambucanos. Entre as pessoas ouvidas pela Uninassau, 4,2% não responderam ou não souberam responder sobre o assunto.

Ainda de acordo com 31,8% dos entrevistados, a tarefa imediata do governo estadual é oferecer mais policiamento/segurança e 19,3% indicam que é gerar empregos.

Em outra parte da pesquisa, em que os eleitores fazem avaliações segundo a região em que vivem, a Segurança é vista como péssima por 57% dos eleitores. As demais avaliações são ruim (27%), regular (12%), bom (3%) e ótimo (0%).

Para 74% dos pernambucanos, gestão Paulo Câmara (PSB) é reprovada

Pernambucanos estão à procura de um líder político, indica pesquisa

Para pernambucanos, Eduardo Campos foi o melhor governador do Estado

Os hábitos dos eleitores explicam a aprovação ou reprovação do gestor. Se eleitores frequentam postos de saúde, têm condições de avaliá-los. Isso também ocorre com a Segurança. Quando o eleitor tem sensação de insegurança ou escuta cotidianamente relatos sobre atos violentos, ele reprova o gestor. Eleitores sabem apontar o culpado pela deficiência do serviço público e de quem é a responsabilidade pela a solução dos problemas”, diz o cientista político Adriano Oliveira, professor da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) um dos coordenadores da pesquisa.



Paulo é apontado por 64,9% das pessoas como maior responsável para dar jeito na violência. O eleitor ainda responsabiliza governos/políticos (18,2%), o presidente Michel Temer (PMDB)/governo federal (5,7%), a Polícia Militar (2,5%) e a população (2%). Um total de 6,3% dos entrevistados não soube ou não respondeu à questão. Para 0,5% há outros responsáveis pela área.

O governador reconhece que a Segurança tem resultados aquém do esperado, mas diz que conseguirá frear a escalada da violência. Ele também divide o problema com o governo federal. Por sua vez, a oposição recorre ao assunto na tentativa de apontar as fragilidades de Paulo Câmara como gestor. O principal mote é de que a violência está em ascensão e de que o socialista não conseguiu manter os índices do Pacto pela Vida, criado por Eduardo Campos.

A estratégia da oposição é a mesma adotada há dez anos por Eduardo, padrinho político de Paulo, quando se candidatou ao governo. Ele fez uma campanha em cima das deficiências da gestão Jarbas Vasconcelos (PMDB) e Mendonça Filho (DEM) no combate à violência e se elegeu. “Pernambuco voltou no tempo e está discutindo a Segurança novamente”, aponta Adriano Oliveira.

EMPREGO
Os eleitores qualificam as oportunidades de emprego como péssimas (48%), ruins (32%), regular (17%), boas (2%) e ótimas (0%). Para 49,4% dos entrevistados, Paulo é o principal responsável para resolver o desemprego. Em seguida, vêm governos/políticos (21%), Temer (14,1%), empresários (1,9%), a petista Dilma Rousseff (1,7%), a própria população (1,7%) e outros (1%). Em sua defesa, o governador destaca que a crise econômica nacional reduziu os postos de trabalho no Estado.

LEIA MAIS:
No Sertão, Paulo Câmara recebe cobranças na área de Segurança

Na TV JC, Paulo Câmara garante: 'O Pacto pela Vida dará resultados'

Paulo Câmara cancela agenda após roubo cinematográfico no Recife

Paulo Câmara cobra de Temer reuniões com governadores sobre segurança

"Situação está muito desconfortável", diz governador sobre violência

 


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.
Agreste seco Agreste seco
A seca colocou de joelhos uma região inteira. Fez o Agreste sertanejar. Os cinco anos consecutivos sem chuva em Pernambuco ganharam aqui a dimensão de uma tragédia. Silenciosa e diária.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM