Jornal do Commercio
DELAÇÃO

Paulo Câmara repudia denúncia da JBS: 'vivo do meu salário'

Delator da JBS disse ter pago campanha para a campanha de 2014 do governador Paulo Câmara

Publicado em 19/05/2017, às 18h44

Paulo Câmara rebate denúncia da JBS e uso do termo 'propina', palavra usada mais de uma vez pelo delator Ricardo Saud / Foto: JC Imagem
Paulo Câmara rebate denúncia da JBS e uso do termo 'propina', palavra usada mais de uma vez pelo delator Ricardo Saud
Foto: JC Imagem
Paulo Veras

Em nota divulgada no início da noite desta sexta-feira (19), o governador Paulo Câmara (PSB) repudia a denúncia de recebimento de propina na campanha de 2014 feita por um delator da JBS. "Nunca solicitei e nem recebi recursos de qualquer empresa em troca de favores", afirma o governador no texto, em que afirma não ter recebido nenhuma delação da empresa.

"Tenho uma vida dedicada ao serviço público. Sou um homem de classe média, que vivo do meu salário", afirma ainda o governador. Segundo o socialista, todas as doações feitas a sua campanha seguiram a lei, foram registradas e aprovadas pela Justiça Eleitoral.

No texto, o governador também refuta o uso do termo "propina"; embora a palavra seja empregada, mais de uma vez, pelo delator Ricardo Saud.

LEIA A ÍNTEGRA DA NOTA

"Venho repudiar, veementemente, a exploração política do depoimento do delator Ricardo Saud, que, já antecipo, não corresponde à verdade. Não recebi doação da JBS de nenhuma forma. Nunca solicitei e nem recebi recursos de qualquer empresa em troca de favores. Tenho uma vida dedicada ao serviço público. Sou um homem de classe média, que vivo do meu salário.



Como comprovará quem se der ao trabalho de ler o documento que sintetiza a delação, o próprio delator afirma (no anexo 36, folhas 72 e 73) que nas doações feitas ao PSB Nacional "não houve negociação nem promessa de ato de ofício", o que significa que jamais houve qualquer compromisso de troca de favores ou benefícios. Desta forma, é completamente descabido o uso de expressões como "propina" ou “pagamento”.

Reafirmo a Pernambuco e ao Brasil que todas as doações para a minha campanha foram feitas na forma da lei, registradas e aprovadas pela Justiça Eleitoral".

Paulo Câmara

Governador de Pernambuco

Geraldo

Geraldo Julio também se manifestou sobre a acusação. Leia a íntegra da nota: 

Diante da menção ao seu nome por um dos delatores da JBS, divulgada hoje pela imprensa, o Prefeito Geraldo Julio repudia veementemente as acusações e esclarece que nunca tratou de recursos ilegais com essa empresa ou com qualquer outra. O próprio documento divulgado pela justiça registra que as doações feitas a campanha nacional do PSB não foram por troca de favores. Todas as doações recebidas pelo partido foram legais.


Recomendados para você


Comentários

Por Marcos,21/05/2017

O governador mamão e o prefeito falastrão do Recife, além do péssimo governo que fazem em suas respectivas pastas, agora têm que justificar o injustificável que vem desde o finado ex-governador de pernambuco. De qualquer forma, aguardemos as provas materiais. Só os incautos eleitores pernambucanos é que não vêem. Nas próximas eleições se informem melhor e amadureçam na hora de votar.

Por Luzo,21/05/2017

Quem não lembra da campanha de Câmara, bolas luminosas flutuando, ancoradas no cabanga/Pina, militância em todos os pontos da cidade, muita, mas muita propaganda com qualidade cinematográfica. Tudo isso custa muito dinheiro, Se merece uma investigação em face das denuncias.

Por socram,20/05/2017

Hum... vocês não entenderam o que ele quis dizer: que o salário dele, como "governante" já e mais do que suficiente para prover suas necessidades e da sua família. O restante (CAIXA 2) é para ser armazenado, comprar diversos carros, apartamentos, poupança, distribuir com familiares, etc., etc. etc.

Por Antonio Carlos,20/05/2017

Esses caras de pau ainda dizem que o interesses de deles é o povo, o Estado, a cidade. É só olhar a saúde, as ruas, a violência, as escolas, na cidade e no Estado para vermos a verdade; só pensam como tirar dinheiro do povo , vão logo aumentando IPTU, água, luz, enfim: sugando o nosso sangue como vampiros que são.

Por Constituição Federal já,20/05/2017

Cadê as forças desarmadas que não fazem nada! Esqueceram o artigo 142 da Constituição Federal?



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC recall de marcas 2017 JC recall de marcas 2017
Conheça o ranking das marcas que têm conseguido se manter no topo da preferência dos pernambucanos. O rol é resultado de uma pesquisa realizada pelo Instituto Harrop, há duas décadas parceiro do Jornal do Commercio na realização da premiação
10 anos do IJCPM 10 anos do IJCPM
O Instituto João Carlos Paes Mendonça de Compromisso Social (IJCPM) comemora 10 anos de história, contribuindo para transformar a vida de jovens de comunidades com histórico de desigualdade social nas cidades de Recife, Salvador, Fortaleza e Aracaju
Chapecoense: um ano de saudade Chapecoense: um ano de saudade
Um ano de saudade. Foi isso que restou. A maior tragédia do esporte mundial, no dia 29 de novembro de 2016, quando houve o acidente aéreo com a delegação da Chapecoense, em Medellín, na Colômbia, fez 71 vítimas. Entre elas, dois pernambucanos

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM