Jornal do Commercio
delação

Prestação de contas das campanhas de Paulo e FBC não constam doações da JBS

Segundo dados disponíveis no site do TSE, houve pagamentos à campanha de Eduardo e ao diretório nacional

Publicado em 19/05/2017, às 17h19

Doação oficial consta na planilha de Eduardo Campos e no diretório nacional do PSB / Foto: Guga Matos/JC Imagem
Doação oficial consta na planilha de Eduardo Campos e no diretório nacional do PSB
Foto: Guga Matos/JC Imagem
Paulo Veras e Mariana Araújo

A reportagem do Jornal do Commercio pesquisou as planilhas de prestação de contas, disponíveis no site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), das campanhas de Paulo Câmara, Eduardo Campos e Fernando Bezerra Coelho em 2014. Não constam pagamentos declarados para a campanha do atual governador do Estado nem para o senador socialista.

De acordo com as planilhas, a JBS doou R$ 3,5 milhões para a campanha presidencial de Eduardo Campos em 2014. O valor consta na planilha do TSE.

Veja o vídeo com a delação de Ricardo Saud:

Foram feitas doações, segundo as planilhas, valores de R$ 2,2 milhões para o diretório nacional do PSB em 2014, distribuídos da seguinte forma: R$ 1 milhão pago em 22 de julho; R$ 500 mil pagos em 4 de agosto; R$ 200 mil pagos em 8 de agosto; e R$ 500 mil em 2 de outubro.

Desses valores, doados à direção nacional do PSB, R$ 1 milhão foi repassado para a campanha de presidente; R$ 500 mil para o PSB de São Paulo e R$ 500 mil para campanha da candidata ao governo da Bahia, Lídice da Mata.



Ricardo Saud afirmou na delação que pagou R$ 210 mil para a HMJ Consultoria, no dia 27 de junho de 2014. Outro valor citado pelo delator foi de R$ 1 milhão para a Arcos Propaganda, no dia 2 de setembro de 2014. Segundo Salud, este valor foi pago ao senador Fernando Bezerra Coelho.

RESPOSTA

Em nota, o advogado de Fernando Bezerra Coelho, André Luiz Callegari, afirmou que "todas as doações para a campanha de Fernando Bezerra Coelho ao Senado foram devidamente declaradas e aprovadas pela Justiça Eleitoral". A defesa afirma, ainda, que não teve acesso aos autos e que "repudia as declarações unilaterais divulgadas e ratifica que elas não correspondem à verdade".

A reportagem demandou, também, resposta sobre as denúncias ao governo do Estado e Prefeitura do Recife, já que as denúncias de Ricardo Saud citam o pedido do pagamento de valores feitos pelo prefeito do Recife, Geraldo Julio, para a campanha de Paulo Câmara. Os esclarecimentos ainda não foram enviados.


Recomendados para você


Comentários

Por ricardo,20/05/2017

SE NÃO CONSTA NA PRESTAÇÃO DE CONTAS, FOI CAIXA 2, E PELO QUE SEI, É CASO DE IMPEACHMENT DO GOVERNADO. MAS............. SERÁ QUE GUILHERME UCHÔA VAI DEIXAR PASSAR? O NOBRE GOVERNADOR TEM MAIORIA NA ALEPE. AI FUDEU TUDO. É ESPERAR PARA DAR-MOS O TROCO NAS URNAS.

Por Mendes,19/05/2017

O QUÊ, VIXE MARIA,,DERAM UM JEITINHO FOI.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.
Agreste seco Agreste seco
A seca colocou de joelhos uma região inteira. Fez o Agreste sertanejar. Os cinco anos consecutivos sem chuva em Pernambuco ganharam aqui a dimensão de uma tragédia. Silenciosa e diária.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM