Jornal do Commercio
Violência policial

Edilson critica apuração da morte do jovem de Itambé

Deputado presidente da Comissão de Cidadania e Direitos Humanos da Alepe pede que Ministério Público rejeite inquérito policial

Publicado em 05/06/2017, às 20h35

Edilson Silva (PSOL) critica inquérito a Polícia Civil sobre morte de jovem de Itambé baleado por policiais militares / Divulgação
Edilson Silva (PSOL) critica inquérito a Polícia Civil sobre morte de jovem de Itambé baleado por policiais militares
Divulgação
Editoria de Política

A conclusão do inquérito sobre a morte do jovem Edvaldo da Silva Alves, 22 anos, baleado e arrastado sangrando por policiais militares em Itambé, em março de 2017, durante um manifesto popular que pedia segurança para a Mata Norte de Pernambuco, foi criticada pelo presidente da Comissão de Cidadania e Direitos Humanos da Assembleia Legislativa, deputado Edilson Silva (PSOL), nesta segunda-feira (5/6). Ele pede que o Ministério Público rejeite o relatório da Polícia Civil que indicia dois militares por homicídio culposo, sem intenção de matar.

Em pronunciamento no plenário da Assembleia, Edilson Silva alegou incoerências na apuração e chamou a atenção para alguns detalhes.  Um dos questionamentos do deputado é o fato de a polícia ter considerado que o capitão autor da ordem para atirar no rapaz cometeu apenas abuso de autoridade, “mesmo arrastando o jovem sangrando e o agredindo fisicamente”, como mostrou vídeo feito no local.

“Causa-nos estranheza o fato de o delegado (Pablo de Carvalho) ter assumido a presidência do Instituto Tavares Buril”. O deputado lembrou divergências entre laudos do Hospital Miguel Arraes, em Paulista, onde Edvaldo morreu e apontou lesão por arma de fogo, e o parecer do Instituto de Medicina Legal (IML), que não confirmou o ferimento.



Edilson Silva também destacou as ameaças relatadas por testemunhas do homicídio e a dificuldade encontrada pela família da vítima para ter acesso às informações do processo. "Todos nós vimos o que aconteceu. Não é possível aceitar um relatório como esse e uma perícia que diz que não tem no corpo do rapaz nenhuma marca de tiro. O que houve ali foi um homicídio com dolo."

O deputado do PSOL citou que havia uma  viatura do Corpo de Bombeiros e ela não foi acionada. "É preciso, para manter a honra da Polícia Militar e dar o exemplo, que esses policiais sejam julgados pelo crime que cometeram", concluiu.

A política de segurança do Estado, episódios de repressão a protestos e o despreparo de policiais vêm sendo alvo de críticas da oposição ao governo Paulo Câmara (PSB).

 


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM