Jornal do Commercio
Violência policial

Edilson critica apuração da morte do jovem de Itambé

Deputado presidente da Comissão de Cidadania e Direitos Humanos da Alepe pede que Ministério Público rejeite inquérito policial

Publicado em 05/06/2017, às 20h35

Edilson Silva (PSOL) critica inquérito a Polícia Civil sobre morte de jovem de Itambé baleado por policiais militares / Divulgação
Edilson Silva (PSOL) critica inquérito a Polícia Civil sobre morte de jovem de Itambé baleado por policiais militares
Divulgação
Editoria de Política

A conclusão do inquérito sobre a morte do jovem Edvaldo da Silva Alves, 22 anos, baleado e arrastado sangrando por policiais militares em Itambé, em março de 2017, durante um manifesto popular que pedia segurança para a Mata Norte de Pernambuco, foi criticada pelo presidente da Comissão de Cidadania e Direitos Humanos da Assembleia Legislativa, deputado Edilson Silva (PSOL), nesta segunda-feira (5/6). Ele pede que o Ministério Público rejeite o relatório da Polícia Civil que indicia dois militares por homicídio culposo, sem intenção de matar.

Em pronunciamento no plenário da Assembleia, Edilson Silva alegou incoerências na apuração e chamou a atenção para alguns detalhes.  Um dos questionamentos do deputado é o fato de a polícia ter considerado que o capitão autor da ordem para atirar no rapaz cometeu apenas abuso de autoridade, “mesmo arrastando o jovem sangrando e o agredindo fisicamente”, como mostrou vídeo feito no local.

“Causa-nos estranheza o fato de o delegado (Pablo de Carvalho) ter assumido a presidência do Instituto Tavares Buril”. O deputado lembrou divergências entre laudos do Hospital Miguel Arraes, em Paulista, onde Edvaldo morreu e apontou lesão por arma de fogo, e o parecer do Instituto de Medicina Legal (IML), que não confirmou o ferimento.



Edilson Silva também destacou as ameaças relatadas por testemunhas do homicídio e a dificuldade encontrada pela família da vítima para ter acesso às informações do processo. "Todos nós vimos o que aconteceu. Não é possível aceitar um relatório como esse e uma perícia que diz que não tem no corpo do rapaz nenhuma marca de tiro. O que houve ali foi um homicídio com dolo."

O deputado do PSOL citou que havia uma  viatura do Corpo de Bombeiros e ela não foi acionada. "É preciso, para manter a honra da Polícia Militar e dar o exemplo, que esses policiais sejam julgados pelo crime que cometeram", concluiu.

A política de segurança do Estado, episódios de repressão a protestos e o despreparo de policiais vêm sendo alvo de críticas da oposição ao governo Paulo Câmara (PSB).

 


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

O Mundo de Rafa O Mundo de Rafa
Rafael foi diagnosticado com síndrome de Asperger apenas aos 11 anos. Seus desenhos contam pedaços muito importantes da sua história. Exprimem momentos de alegria, de comemoração e também de desabafo, de dor
Gastos dos parlamentares pernambucanos Gastos dos parlamentares pernambucanos
Os deputados federais da bancada pernambucana gastaram, no 1º semestre deste ano, R$ 5,1 milhões em verbas de cotas parlamentares. Já os senadores gastaram R$ 692 mil. Os dados foram coletados com base no portal da transparência da Câmara e do Senado
Um metrô ainda renegado Um metrô ainda renegado
São 32 anos de operação e uma eterna luta por sobrevivência. Esse é o metrô do Recife

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM