Jornal do Commercio
crise

'Não vou entrar nesse bairrismo', diz ministro da Saúde sobre a Hemobrás

Ricardo Barros voltou a afirmar que a solução para empresa estatal está posta e afirmou que virá a Pernambuco discutir a questão

Publicado em 09/08/2017, às 10h43

Ricardo Barros:
Ricardo Barros: "Eu tenho a solução"
Foto: Agência Brasil
Mariana Araújo

O ministro da Saúde, Ricardo Barros, afirmou que não irá entrar na questão do "bairrismo" para tratar da questão da Hemobrás. A fábrica de hemoderivados instalada em Goiana, na Mata Norte, corre o risco de perder força de produção caso parte das atividades seja realizada no Paraná, com a entrada de parceiros privados propostos pelo Ministério da Saúde.

"Não vou por essa questão do bairrismo, da ideologia, da bandeira que não é a bandeira da eficiência. Vocês estão aí gastando R$ 1 bilhão por ano com folha de pagamento numa fábrica que não tem nem um prédio pronto, não funciona nada. É preciso respeitar o dinheiro público. Nós vamos terminar a fábrica em Pernambuco se vocês autorizarem", disse Ricardo Barros, em entrevista à Rádio Jornal, na manhã desta quarta-feira.

Barros afirmou que a fábrica de Goiana é um "esqueleto" e que a produção está abaixo do esperado. "Espero que Pernambuco aceite terminar esse esqueleto que está aí, fazer funcionar, trazer receita para o Estado, arrecadar impostos e dar trabalho, função, utilidade aos funcionários que estão aí hoje concursados para trabalharem em estruturas que não estão funcionando até hoje", disse.

"Se Pernambuco não quiser a solução, não tem problema. Há autonomia do Conselho da Hemobrás de aceitar a proposta e a fábrica pode ficar lá como está. Mas eu apresento soluções práticas, tenho como resolver o problema, como funcionar a fábrica e é isso que tem que discutir: como faremos para funcionar essa fábrica que está há tantos anos parada. Eu acho a solução e sou criticado por isso", pontuou Ricardo Barros.

O ministro não descartou a possibilidade de vir ao Estado para debater a questão da Hemobrás. "Irei ao Estado de Pernambuco e vou esclarecer que nós temos solução e não problema. E não permitirei que a solução se transforme num problema, como se tenta fazer pelos agentes políticos de Pernambuco", afirmou.



Questionado sobre o cronograma de execução das obras pelo possível novo parceiro privado, o ministro afirmou que as empresas têm interesse em concluir com rapidez as obras, já que precisam repor os investimentos. "Estou falando de investimentos privados, não estou falando de investimento público. O parceiro que encontramos é privado, que vai colocar o dinheiro dele, vai colocar para funcionar. Evidentemente, quer retornar o capital que investiu. Não vai deixar isso parado como se faz com dinheiro público. Eu tenho a solução para terminar. Pergunte ao governo do PT porque a fábrica não foi terminada e eu estou com a solução para terminar", disse.

"Eu não vou aceitar essa discussão bairrista, nós temos que resolver o problema e eu estou com a solução para fazer funcionar essa fábrica que recebi anos sem funcionar e inacabada. Eu tenho a solução. Espero que Pernambuco receba de braços abertos a solução desse problema", acrescentou.

PERNAMBUCO

Ricardo Barros também afirmou que o governo de Pernambuco não regularizou o terreno onde a Hemobrás foi erguida. "Pernambuco precisa regularizar o terreno da fábrica e integralizar o capital da Hemobrás que não integralizou até hoje. Mas isso não impede dele ter o assento e não queremos fazer parcerias com o governo de Pernambuco e com os pernambucanos", afirmou.

O Estado de Pernambuco hoje é sócio da Hemobrás, com 1% de participação no capital. Os outros 99% pertencem à União. Pela participação, o governo estadual indica um dos diretores. Hoje, o nome apontado pelo Estado é Marcos Arraes, tio do ex-governador Eduardo Campos e filho do também ex-governador Miguel Arraes.


Recomendados para você


Comentários

Por Sonia,11/08/2017

A que ponto nós chegamos: um ministro de quinta categoria (envolvido em maracutaias) vem cantar de galo aqui em nosso Estado e nenhum político dá uma resposta à altura! Duvido que, se fosse nos governos de Lula ou Dilma essa criatura execrável teria essa petulância! Xô integrante da quadrilha de Temer! Quem precisa dar uma resposta sobre ele é a PF, MPF, STF, etc.

Por jamelão,09/08/2017

Onde estão os políticos de Pernambuco que trabalham muito por seus partidos nos holofotes de Brasília esquecendo-se de que nasceram em Pernambuco e que demonstram nada fazerem pelo estado? Onde estão as estrelas do PT, os que carregam o PMDB, PSDB e tantos outros partidos, mas que só aparecem em Pernambuco pra disputarem eleições? O estado está perdendo investimentos e os políticos estão brincando de fazer politica em Brasília.

Por Rodrigo,09/08/2017

Incorreta e mentirosa essa informação do valor da folha ser de 1 bilhão de reais por ano. Se assim o fosse, fazendo uma conta de padaria, cada funcionário ganharia por mês mais de 420 mil reais o que nem de longe é verdade. Esse ministro além de não cumprir com suas obrigações, tenta jogar a população contra a Empresa de forma irresponsável e faltando com a verdade.

Por augusto saboia,09/08/2017

É bairrismo mesmo, o Sr. Ministro quer levar a fábrica para seu curral eleitoral e pronto, agora quero ver é se nosso Governadorzinho sem força politica nenhuma vai fazer alguma coisa, até agora silencio sepulcral. Muita incompetência.

Por Matheus S.,09/08/2017

A regularização do Terreno senhor ministro é só cobrar do governador de Pernambuco que já deveria ter feito. As autoridades estão sendo pagas com dinheiro público para resolver os problemas. É isso senhor Ministro que o senhor deve cobrar. Agora usar a desculpa de que o dinheiro público está sendo gasto e no lugar de resolver as pendências inviabilizar o projeto, nesse caso senhor ministro é desrespeitar o dinheiro público que está sendo gasto na planta. Inviabilizar o projeto é um desrespeito ao dinheiro público, senhor ministro, bem como ao estado de Pernambuco. Onde estão os representantes de Pernambuco? Esse ministro está agindo contra o estado de Pernambuco...! Onde está a bancada de Pernambuco?



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM