Jornal do Commercio
crise

'Não vou entrar nesse bairrismo', diz ministro da Saúde sobre a Hemobrás

Ricardo Barros voltou a afirmar que a solução para empresa estatal está posta e afirmou que virá a Pernambuco discutir a questão

Publicado em 09/08/2017, às 10h43

Ricardo Barros:
Ricardo Barros: "Eu tenho a solução"
Foto: Agência Brasil
Mariana Araújo

O ministro da Saúde, Ricardo Barros, afirmou que não irá entrar na questão do "bairrismo" para tratar da questão da Hemobrás. A fábrica de hemoderivados instalada em Goiana, na Mata Norte, corre o risco de perder força de produção caso parte das atividades seja realizada no Paraná, com a entrada de parceiros privados propostos pelo Ministério da Saúde.

"Não vou por essa questão do bairrismo, da ideologia, da bandeira que não é a bandeira da eficiência. Vocês estão aí gastando R$ 1 bilhão por ano com folha de pagamento numa fábrica que não tem nem um prédio pronto, não funciona nada. É preciso respeitar o dinheiro público. Nós vamos terminar a fábrica em Pernambuco se vocês autorizarem", disse Ricardo Barros, em entrevista à Rádio Jornal, na manhã desta quarta-feira.

Barros afirmou que a fábrica de Goiana é um "esqueleto" e que a produção está abaixo do esperado. "Espero que Pernambuco aceite terminar esse esqueleto que está aí, fazer funcionar, trazer receita para o Estado, arrecadar impostos e dar trabalho, função, utilidade aos funcionários que estão aí hoje concursados para trabalharem em estruturas que não estão funcionando até hoje", disse.

"Se Pernambuco não quiser a solução, não tem problema. Há autonomia do Conselho da Hemobrás de aceitar a proposta e a fábrica pode ficar lá como está. Mas eu apresento soluções práticas, tenho como resolver o problema, como funcionar a fábrica e é isso que tem que discutir: como faremos para funcionar essa fábrica que está há tantos anos parada. Eu acho a solução e sou criticado por isso", pontuou Ricardo Barros.

O ministro não descartou a possibilidade de vir ao Estado para debater a questão da Hemobrás. "Irei ao Estado de Pernambuco e vou esclarecer que nós temos solução e não problema. E não permitirei que a solução se transforme num problema, como se tenta fazer pelos agentes políticos de Pernambuco", afirmou.



Questionado sobre o cronograma de execução das obras pelo possível novo parceiro privado, o ministro afirmou que as empresas têm interesse em concluir com rapidez as obras, já que precisam repor os investimentos. "Estou falando de investimentos privados, não estou falando de investimento público. O parceiro que encontramos é privado, que vai colocar o dinheiro dele, vai colocar para funcionar. Evidentemente, quer retornar o capital que investiu. Não vai deixar isso parado como se faz com dinheiro público. Eu tenho a solução para terminar. Pergunte ao governo do PT porque a fábrica não foi terminada e eu estou com a solução para terminar", disse.

"Eu não vou aceitar essa discussão bairrista, nós temos que resolver o problema e eu estou com a solução para fazer funcionar essa fábrica que recebi anos sem funcionar e inacabada. Eu tenho a solução. Espero que Pernambuco receba de braços abertos a solução desse problema", acrescentou.

PERNAMBUCO

Ricardo Barros também afirmou que o governo de Pernambuco não regularizou o terreno onde a Hemobrás foi erguida. "Pernambuco precisa regularizar o terreno da fábrica e integralizar o capital da Hemobrás que não integralizou até hoje. Mas isso não impede dele ter o assento e não queremos fazer parcerias com o governo de Pernambuco e com os pernambucanos", afirmou.

O Estado de Pernambuco hoje é sócio da Hemobrás, com 1% de participação no capital. Os outros 99% pertencem à União. Pela participação, o governo estadual indica um dos diretores. Hoje, o nome apontado pelo Estado é Marcos Arraes, tio do ex-governador Eduardo Campos e filho do também ex-governador Miguel Arraes.


Recomendados para você


Comentários

Por Sonia,11/08/2017

A que ponto nós chegamos: um ministro de quinta categoria (envolvido em maracutaias) vem cantar de galo aqui em nosso Estado e nenhum político dá uma resposta à altura! Duvido que, se fosse nos governos de Lula ou Dilma essa criatura execrável teria essa petulância! Xô integrante da quadrilha de Temer! Quem precisa dar uma resposta sobre ele é a PF, MPF, STF, etc.

Por jamelão,09/08/2017

Onde estão os políticos de Pernambuco que trabalham muito por seus partidos nos holofotes de Brasília esquecendo-se de que nasceram em Pernambuco e que demonstram nada fazerem pelo estado? Onde estão as estrelas do PT, os que carregam o PMDB, PSDB e tantos outros partidos, mas que só aparecem em Pernambuco pra disputarem eleições? O estado está perdendo investimentos e os políticos estão brincando de fazer politica em Brasília.

Por Rodrigo,09/08/2017

Incorreta e mentirosa essa informação do valor da folha ser de 1 bilhão de reais por ano. Se assim o fosse, fazendo uma conta de padaria, cada funcionário ganharia por mês mais de 420 mil reais o que nem de longe é verdade. Esse ministro além de não cumprir com suas obrigações, tenta jogar a população contra a Empresa de forma irresponsável e faltando com a verdade.

Por augusto saboia,09/08/2017

É bairrismo mesmo, o Sr. Ministro quer levar a fábrica para seu curral eleitoral e pronto, agora quero ver é se nosso Governadorzinho sem força politica nenhuma vai fazer alguma coisa, até agora silencio sepulcral. Muita incompetência.

Por Matheus S.,09/08/2017

A regularização do Terreno senhor ministro é só cobrar do governador de Pernambuco que já deveria ter feito. As autoridades estão sendo pagas com dinheiro público para resolver os problemas. É isso senhor Ministro que o senhor deve cobrar. Agora usar a desculpa de que o dinheiro público está sendo gasto e no lugar de resolver as pendências inviabilizar o projeto, nesse caso senhor ministro é desrespeitar o dinheiro público que está sendo gasto na planta. Inviabilizar o projeto é um desrespeito ao dinheiro público, senhor ministro, bem como ao estado de Pernambuco. Onde estão os representantes de Pernambuco? Esse ministro está agindo contra o estado de Pernambuco...! Onde está a bancada de Pernambuco?



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC recall de marcas 2017 JC recall de marcas 2017
Conheça o ranking das marcas que têm conseguido se manter no topo da preferência dos pernambucanos. O rol é resultado de uma pesquisa realizada pelo Instituto Harrop, há duas décadas parceiro do Jornal do Commercio na realização da premiação
10 anos do IJCPM 10 anos do IJCPM
O Instituto João Carlos Paes Mendonça de Compromisso Social (IJCPM) comemora 10 anos de história, contribuindo para transformar a vida de jovens de comunidades com histórico de desigualdade social nas cidades de Recife, Salvador, Fortaleza e Aracaju
Chapecoense: um ano de saudade Chapecoense: um ano de saudade
Um ano de saudade. Foi isso que restou. A maior tragédia do esporte mundial, no dia 29 de novembro de 2016, quando houve o acidente aéreo com a delegação da Chapecoense, em Medellín, na Colômbia, fez 71 vítimas. Entre elas, dois pernambucanos

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM