Jornal do Commercio
Alepe

Rodrigo Novaes quer discutir audiências de custódia na Alepe

Deputado entrou com pedido para promover debate com representantes do judiciário e especialistas sobre aplicabilidade das audiências no estado

Publicado em 13/09/2017, às 10h03

"O objetivo é que os magistrados percebam o momento de violência que estamos vivendo, de maneira que não se incentive o cometimento de crimes", disse o deputado
Jarbas Araújo / Divulgação
Editoria de Política

O vice-líder do governo da da Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe), o deputado estadual Rodrigo Novaes, subiu à tribuna durante a sessão plenária desta terça-feira (12) para solicitar um debate sobre a atuação do Poder Judiciário nas audiências de custódia do estado, processo de triagem de presos em flagrante aplicada a dois anos no Brasil como uma forma de diminuir a superlotação dos presídios. 

Novaes entrou com um requerimento junto à Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania solicitando a realização de uma audiência pública para discutir sobre a logística do instrumento, na presença de representantes das varas de execuções penais, do Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE), da Ordem dos Advogados do Brasil Seccional Pernambuco (OAB-PE), além de juristas especialistas em direito penal.

Na audiência, o preso em flagrante é submetido à avaliação de um plantão da Justiça, que analisa se a prisão deve ser mantida ou se a pessoa pode responder em liberdade ao processo legal, desde que devidamente monitorada e sob condições impostas pelo juízo.



 

Alepe

Com a discussão na Alepe, Rodrigo Novaes pretende sensibilizar o judiciário para rever as condições de utilização desse instrumento, tendo em vista o número de solturas, alvo de polêmica em todo o país. "A proposta não é nos intrometermos nas prerrogativas do Judiciário ou mudar conhecimentos e convicções do juiz. O objetivo é que os magistrados percebam o momento de violência que estamos vivendo, de maneira que não se incentive o cometimento de crimes. Não se justifica o atenuar as normas em razão da incapacidade do Estado Brasileiro em recuperar os detentos”, disparou. 

O deputado citou um caso no município de Floresta, seu reduto eleitoral, onde dois homens foram presos em flagrante na posse de drogas e dinheiro após terem trocado tiros com policiais e foram soltos após a audiência. “Os policiais foram atingidos e só não morreram porque estavam de colete. Isso repercutiu muito negativamente em toda região. A população fica temerosa, é preciso que se faça uma reflexão e sensibilizar o judiciário diante do ambiente que estamos vivendo”, disse o parlamentar. 


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM