Jornal do Commercio
Contas públicas

Arena: TCE-PE revê suspensão de pagamentos referentes à rescisão

Segundo o relator do caso, conselheiro Dirceu Rodolfo, Estado voltará a pagar parte do valor devido à Odebrecht para evitar débitos de PIS e Cofins

Publicado em 05/10/2017, às 19h13

A Arena de Pernambuco foi administrada pela Odebrecht até 2016 / Foto: Diego Nigro/JC Imagem
A Arena de Pernambuco foi administrada pela Odebrecht até 2016
Foto: Diego Nigro/JC Imagem
RENATA MONTEIRO
rmonteiro@jc.com.br

O Tribunal de Contas de Pernambuco (TCE-PE) decidiu, nesta quinta-feira (5), acatar parcialmente o pedido da Odebrecht - que administrou a Arena de Pernambuco até o ano passado - para que os pagamentos indenizatórios referentes à rescisão do contrato de concessão fossem retomados. O conselheiro relator do processo, Dirceu Rodolfo de Melo Júnior, determinou que apenas os valores referentes aos repasses de PIS e Cofins devidos pela Arena fossem liberados, mantendo, portanto, a suspensão do montante restante.

Quando rompeu contrato com a Arena, o Estado adquiriu uma dívida de R$ 246 milhões, que deveriam ser pagos à concessionária em 15 anos. As parcelas teriam dois destinatários, o Banco do Nordeste (parcela A) e a Odebrecht (parcela B). Sempre que pagava o financiamento bancário (parcela A) em dia, o Estado ganhava um bônus de 15%, o equivalente a R$ 230 mil por mês.

No dia 11 de julho, no entanto, com base em informações sigilosas compartilhadas pela Polícia Federal no âmbito da operação Fair Play, o conselheiro Dirceu Rodolfo expediu uma medida cautelar que determinava que o governo estadual parasse de efetuar os pagamentos indenizatórios. Ao ser notificada, a Procuradoria Geral do Estado (PGE) recorreu da decisão, alegando que a cautelar poderia trazer prejuízos ao Estado, uma vez que o atraso no pagamento das parcelas do banco implicaria na perda do bônus de adimplência.

Em 10 de agosto, a Segunda Câmara do TCE decidiu liberar os pagamentos ao Banco do Nordeste, mas manter a suspensão das parcelas da Odebrecht. A antiga administradora da Arena, por sua vez, recorreu da decisão e, hoje, teve o pedido parcialmente acatado pelo TCE.



REVISÃO

“A concessionária entrou com os embargos de declaração argumentando que o mesmo perigo de mora contra o Estado de Pernambuco que me fez liberar a parcela A, também deveria ser levado em consideração em relação ao PIS e Cofins devidos pela Arena de Pernambuco e pagos pela Odebrecht. Se a Arena passar três meses sem pagar os tributos, ela não vai mais receber certificado de regularidade fiscal e, automaticamente, não vão poder mais receber o dinheiro e pagar ao Banco do Nordeste”, disse Dirceu Rodolfo, explicando que, por isso, liberou o pagamento de cerca de R$ 300 mil dos R$ 800 mil que a Odebrecht receberia se os repasses não tivessem sido suspensos.

O conselheiro lembrou também que a liberação dos repasses ao Banco do Nordeste foi condicionada à apresentação, pelo governo do Estado, em 90 dias (a contar de 10 de agosto), de uma série de explicações técnicas sobre a Arena. “Se, ao final desse prezo, as exigências não forem cumpridas, eu vou reforçar a cautelar, inclusive em cima da parcela A”, cravou, ressaltando que, até hoje, não havia recebido nenhum material do Estado.

“Se existe uma suspeita forte de que a Arena não custou aquilo que ela diz que custa, a gente tem que esperar o julgamento de mérito total. Até lá, não se paga mais nada, só paga aquilo que diz respeito à dívida com o BNB e ao Pis e Cofins”, finalizou Dirceu Rodolfo.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM