Jornal do Commercio
POLÍCIA MILITAR

Três militares presos na Operação Torrentes seguem para presídio

O quarto militar preso nesta quinta-feira (9), o tenente-coronel Laurinaldo Félix, será monitorado por tornozeleira eletrônica em prisão domiciliar

Publicado em 09/11/2017, às 22h55

Operação desarticulou um esquema de corrupção envolvendo servidores públicos do governo Estadual / Foto: Luiz Pessoa/JC Imagem
Operação desarticulou um esquema de corrupção envolvendo servidores públicos do governo Estadual
Foto: Luiz Pessoa/JC Imagem
JC Online

Após audiência de custódia realizada na noite desta quinta-feira (9), a Justiça Federal decidiu pelo recolhimento de três dos quatro militares presos na Operação Torrentes. Eles foram levados para a Academia de Polícia Militar de Paudalho, na Zona da Mata Norte. O quarto homem cumprirá prisão domiciliar, monitorado por uma tornozeleira eletrônica.

De acordo com a Justiça Federal, seguem para o regime fechado o coronel Fábio de Alcântara Rosendo, o coronel aposentado Waldemir José Vasconcelos de Araújo e o coronel Roberto Gomes de Melo Filho. O tenente-coronel Laurinaldo Félix do Nascimento será monitorado por tornozeleira eletrônica.

Condução coercitiva

Além dos quatro presos, outros sete militares foram conduzidos coercitivamente para prestar depoimento. Um deles foi o ex-comandante da PM, coronel Carlos D'Albuquerque.

Civis presos

De acordo com decisão da juíza titular da 36ª Vara, Carolina Souza Malta, os presos Antônio Manoel de Andrade Junior, Antônio Trajano da Rocha Neto, Heverton Soares da Silva, Ricardo Henrique Reis dos Santos, Ricardo José de Padilha Carício, e Daniel Pereira da Costa Lucas, foram encaminhados para o Centro de Observação e Triagem Professor Everaldo Luna (Cotel), em Abreu e Lima, no Grande Recife. As mulheres Roseane Santos Andrade, Taciana Santos Costa, Rafaela Carrazzone da Cruz Gouveia Padilha e Rafaela Carrazzone da Cruz Gouveia Padilha foram levadas para a Colônia Penal Feminina do Recife, na Zona Oeste do Recife.



A prisão temporária é válida por cinco dias.

Operação Torrentes

A Polícia Federal realizou uma megaoperação na manhã desta quinta-feira (9) para desarticular um esquema de corrupção envolvendo servidores públicos do governo Estadual. De acordo com os investigadores, verba pública destinada para a reconstrução de cidades arrasadas por fortes chuvas no Estado foi desviada por criminosos. Viaturas da corporação foram vistas em prédios públicos como a sede do executivo estadual, o Palácio do Campo das Princesas, e da Vice-Governadoria. A Casa Militar foi o principal alvo dos agentes. Quinze mandados de prisão temporária foram expedidos pela Justiça.

De acordo com a apuração dos policiais, até R$ 450 milhões, que foram depositados pela União, na "Operação Reconstrução", para a assistência de vítimas das enchentes de junho de 2010 na Mata Sul de Pernambuco, podem ter sido desviados. Há suspeita, ainda, de que dinheiro liberado para vítimas de enchentes das chuvas de maio deste ano, na "Operação Prontidão" também foram desviados.

Além dos 15 mandados de prisão temporária, foram expedidos 36 mandados de busca e apreensão e 20 de condução coercitiva. Um mandado também foi cumprido no Estado do Pará, na região Norte do Brasil.

Contratos superfaturados

Em coletiva da Polícia Federal na manhã desta quinta, o chefe da Delegacia de Combate ao Crime Organizado da Polícia Federal, Renato Madsen, informou que diversos tipos de contratos foram superfaturados, até mesmo contratos para a compra de colchões, alimentos, filtros de água e cobertores. "Houve um conluio entre as empresas para favorecer e direcionar esses contratos para uma delas e a partir daí, com esse valor superfaturado, eles conseguem ter uma lucratividade maior e o erário fica prejudicado", afirmou.


Galeria de imagens

Legenda
Anteriores
Próximas


Palavras-chave

Recomendados para você


Comentários

Por Observador,10/11/2017

Por que não multaram esse carro da PF que estava parado enfrente ao Palácio do governo, isso é um absurdo.

Por Flavio,10/11/2017

Greve Geral: A única coisa que mete medo em Políticos, é povo na rua, ... o que importa é o que esta errado e o que tem que ser feito para consertar.

Por impostos alto retorno zero,10/11/2017

Esse modelo de politica corrupta esta nas entranhas de nossa elite brasileira, que banca os políticos que muitos vem da própria família, e outros que são instruídos para se tornar políticos e depois se a cria bancar o esperto eles denunciam e manda prender e coloca toda culpa no indicado. Todos estados brasileiro funciona assim, e eles agem de forma tão primaria exatamente por saber que são donos do poder e miguem prendem, e se prender são os testa de ferro, que no futuro eles soltam. Agora essas porcarias de autoridade quando pega um pequeno delito de um trabalhador, eles parte para cima chamam o camarada de ladrão e mete porrada. UM POVO SOFRIDO QUE PERDERAM AS SUAS CASAS, PEGANDO COMIDA NA LAMA E O QUE ELES FAZEM: ROUBAR ! ROUBAR! ROUBAR! AGORA VAI TENTAR SER ESPERTO COMO ELES, QUE DIZEM VAI TRABALHAR VAGABUNDO E ESTUDAR.

Por Edilson,10/11/2017

O cara que pega as doações realizadas pela população e faz empenho em nome de uma empresa para roubar o dinheiro merecia era ser fuzilado. O cara que rouba o dinheiro destinado a uma população necessitada, é igual ao que fabrica remédio falso. Crime hediondo e deveriam ser fuzilados. Mas como neese país políticos e sua corja não vão presos mesmo.

Por MARCELO PALHANO,10/11/2017

OPERAÇÃO TORRENTES: POLÍCIA FEDERAL RASTREOU ENTREGA DE R$ 2 MILHÕES POR EMPRESA DE RICARDO PADILHA NA SEDE DO PSB A DOIS DIAS DAS ELEIÇÕES DE 2014. Além disso, de acordo com a Polícia Federal, dois dias antes das eleições de 2014, no dia 03 de outubro, foi realizado um saque de R$ 2 milhões de uma conta da empresa FJW, empresa de Ricardo Padilha, por uma pessoa de nome Ewerton Soares da Silva, que, por sua vez, teria entregado o dinheiro ao Coronel da PM Roberto Gomes Filho, cujo celular, ao ser rastreado pela Polícia Federal, revelou que teria levado os recursos à sede do PSB - Partido Socialista Brasileiro. O Coronel Mário Cavalcanti era o coordenador financeiro da campanha de Paulo Câmara ao governo de Pernambuco. Como a Justiça levantou o sigilo da Operação, a Polícia Federal pode divulgar todos os alvos, cujos Núcleos Empresariais eram comandados por Romero Pontual (conduzido coercitivamente), Antônio Manoel de Andrade Filho (preso temporariamente), Ricardo Padilha (preso temporariamente) e Rogério Fabrízio Neiva (conduzido coercitivamente. E RENATA CAMPOS, A DONA DE PERNAMBUCO NÃO DIZ NADA ?



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM