Jornal do Commercio
Coincidência

Enquanto a PF realizava megaoperação, prefeitos da Mata Sul debatiam problemas da região

Grupo se reuniu com o presidente da Compesa e representante do governo do Estado. Encontro foi mobilizado pelo bispo de Palmares

Publicado em 10/11/2017, às 00h45

Encontro ocorreu em Palmares, na manhã da última quinta-feira (9) / Foto: Divulgação
Encontro ocorreu em Palmares, na manhã da última quinta-feira (9)
Foto: Divulgação
RENATA MONTEIRO

Por coincidência, no mesmo dia em que a Polícia Federal (PF) deflagrou a Operação Torrentes em Pernambuco, 12 dos 24 prefeitos da Mata Sul do Estado reuniram-se - a pedido do bispo de Palmares, Dom Henrique Soares da Costa - para discutir estratégias para a reconstrução e desenvolvimento da região. No encontro, que também contou com a presença do presidente da Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa), Roberto Tavares, e do secretário-executivo de coordenação da Casa Civil, Marcelo Canuto, os gestores debateram estratégias para lidar com problemas comuns a todos eles, como segurança, crise econômica e atraso na construção de barragens. Ainda sem dados consolidados sobre a ação policial que estava em curso, os comentários acerca dela foram feitos apenas informalmente na ocasião.

Uma das questões debatidas na reunião, a retomada das obras das barragens, mostrou-se uma das principais preocupações de todos os administradores municipais que estiveram em Palmares. O secretário-geral da Confederação Nacional de Municípios (CNM), Eduardo Tabosa, informou, no entanto, que o desassossego dos prefeitos foi amenizado pelo presidente da Compesa, que se esforçou em apresentar soluções para as dificuldades.

“Em sua fala, Roberto Tavares disse que os projetos das quatro barragens que ainda não foram concluídas estão sendo revistos e, em breve, os objetos dessas reavaliações serão divulgados. Outro ponto que ele fez questão de mencionar é que a bancada pernambucana no Congresso colocou R$ 220 milhões em emendas parlamentares impositivas (de liberação obrigatória pela União) à disposição do governo do Estado para que os recursos sejam utilizados na construção das represas”, explicou Tabosa.



O representante da CNM ressaltou, entretanto, que não é possível garantir a execução das obras já em 2018, uma vez que o orçamento só será liberado em março e, a partir de 30 de abril, todo repasse federal para projetos que não estão em andamento será suspenso, pois não se inicia obra em período eleitoral, regra imposta pela legislação. Para que o trabalho seja iniciado no primeiro semestre do ano que vem, os projetos devem ter sido licitados e já estar com serviços em andamento entre a data de liberação da verba e o fim de abril, o que é pouco provável.

"Não temos recursos"

Após a reunião, ainda com poucas informações sobre a operação da PF, o prefeito de Palmares, Altair Júnior, se mostrou preocupado com os indícios de fraudes e desvios de recursos para a recuperação de cidades devastadas pelas inundações. “Pelo que soube a operação é baseada em dinheiro que deveria ter sido usado para concluir barragens, para resolver coisas que ficaram pendentes desde 2010 em toda região”, lamentou.

“Nós temos em Palmares uma área rural muito grande, temos estradas precisando ser melhoradas, várias pontes que caíram e essas são demandas que o município não tem como atender, não temos recursos pra isso”, completou Altair Júnior.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM