Jornal do Commercio
SOLTURA

Após cinco dias, presos da Operação Torrentes são soltos

O MPF chegou a solicitar a prorrogação das prisões, mas o pedido foi negado pela Justiça

Publicado em 14/11/2017, às 15h04

A operação Torrentes apura supostas fraudes em contratos de assistência às vítimas das enchentes que castigaram a Mata Sul do Estado nos anos de 2010 e 2017 / Foto: Luiz Pessoa/JC Imagem
A operação Torrentes apura supostas fraudes em contratos de assistência às vítimas das enchentes que castigaram a Mata Sul do Estado nos anos de 2010 e 2017
Foto: Luiz Pessoa/JC Imagem
JC Online
Amanda Miranda, do Blog de Jamildo

Treze pessoas que estavam em prisão temporária no âmbito da Operação Torrentes foram liberadas nesta terça-feira (14), cinco dias após o cumprimento dos mandados pela Polícia Federal. O Ministério Público Federal (MPF) chegou a pedir à 36ª Vara Federal a prorrogação das prisões, mas a juíza Carolina Souza Malta negou.

A ação investiga supostas fraudes em contratos de assistência às vítimas das enchentes na Mata Sul pernambucana em 2010 e 2017, com foco na Secretaria da Casa Militar. A apuração começou a partir de um relatório da Controladoria Geral da União (CGU) em 2016 apontando irregularidades como superfaturamento em 15 licitações entre 2010 e 2015.

Deixaram a Academia Militar, em Paudalho, os coronéis Fábio de Alcântara Rosendo, secretário-executivo de Defesa Civil, e Roberto Gomes de Melo Filho, que era coordenador administrativo da Casa Militar em 2010. A quebra dos registros telefônicos de Melo Filho, hoje gerente geral de Esportes e Lazer no governo Paulo Câmara, levou a Polícia Federal a um elo com o PSB.

Acabou ainda a prisão domiciliar do tentente-coronel Laurinaldo Félix do Nascimento, coordenador administrativo da secretaria. Ele estava usando tornozeleira eletrônica porque estava em tratamento médico.

O coronel Waldemir José Vasconcelos de Araújo, secretário-executivo de Defesa Civil em 2010, já havia conseguido o habeas corpus no último sábado (11). Na decisão, a juíza cita a existência, segundo o MPF, de três núcleos no suposto esquema.



Além do militar, haveria dois empresariais. O maior seria o formado pelas empresas FJW-RADAR-DTI, em que tiveram liberdade do Centro de Observação e Triagem Professor Everardo Luna (Cotel) e da Colônia Penal Feminina do Recife: Antonio Trajano da Rocha Neto, Heverton Soares da Silva, Ítalo Henrique Silva Jaques, João Henrique dos Santos, Ricardo Henrique Reis dos Santos e Taciana Santos Costa.

O dono da FJW, Ricardo José de Padilha Carício, já havia ficado preso por duas semanas entre setembro e outubro, por causa da Operação Mata Norte, em que a sua empresa também é investigada, e voltou a ser preso no Cotel desta vez, mas também foi solto nesta terça-feira. Rafaela Carrazzone da Cruz Gouveia Padilha, mulher dele, também teve a prorrogação da prisão temporária negada e deixou a Colônia Penal Feminina do Recife.

Do suposto núcleo da T&R-Megabag, Roseane Santos de Andrade e Antonio Manoel de Andrade Júnior também saíram da prisão.

Apesar de ter negado a prorrogação da prisão, a magistrada, pediu que fosse enviado ofício à 13ª Vara Federal pedindo o compartilhamento de provas da Operação Mata Norte, que apura supostas fraudes na compra de merenda escolar no município de Lagoa do Carro e tem como alvos as mesmas empresas.


Palavras-chave

Recomendados para você


Comentários

Por LYRA,14/11/2017

e, ai eu pergunto: Como vai fazer a população para evitar de ser assaltada por essa quadrilha que acaba de ser posta nas ruas pela nossa fraca, fedida, decepcionante e não confiável justiça pois, com certeza ladrão é ladrão e eles vão voltar a atacar.

Por Luiz,14/11/2017

Meu Deus, quem escreve estas matérias???? Que coisa mal escrita. É vergonhoso.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM