Jornal do Commercio
ADIAMENTO

Empate no STF adia julgamento que envolve Fernando Bezerra Coelho

A denúncia que envolve o senador só será apreciada quando encerrar a licença médica do ministro do STF, Ricardo Lewandowski

Publicado em 05/12/2017, às 17h40

Um empate entre os ministros do STF adiou o julgamento da denúncia que acusa o senador Fernando Bezerra Coelho (PMDB) de ter cometido irregularidades em  2010 / Foto: Agência Senado
Um empate entre os ministros do STF adiou o julgamento da denúncia que acusa o senador Fernando Bezerra Coelho (PMDB) de ter cometido irregularidades em 2010
Foto: Agência Senado
Da Editoria de Política e agências

Um empate entre os ministros da Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) adiou o julgamento do inquérito 4005 que apura uma denúncia da Procuradoria Geral da República a qual acusa o senador Fernando Bezerra Coelho (PMDB) pelo crime de corrupção passiva, envolvendo desvio de recursos das construtoras Queiroz Galvão, OAS e Camargo Corrêa na implantação da Refinaria Abreu e Lima (Rnest) no Porto de Suape. A Segunda Turma é composta por cinco ministros e o empate ocorreu devido à ausência do ministro Ricardo Lewandowski, que está de licença médica.  Quando voltar, o voto dele vai definir se a denúncia vira uma ação penal ou não.

A sessão que vai definir se a denúncia vira uma ação penal poderá ocorrer nos dias 12 e 18 próximos, quando estão marcadas as últimas sessões da segunda turma este ano, caso Lewandowski participe da sessão.

Na sessão realizada nesta terça-feira (05/12), o relator da denúncia, Edson Fachin, e o ministro Celso de Mello aceitaram a denúncia. Os votos de rejeição foram dos ministros Gilmar Mendes e Dias Toffoli. Agora, o desempate só ocorrerá quando o ministro Ricardo Lewandowski voltar da licença médica, o que pode ocorrer na sessão dos próximos dias 12 e 18 deste mês.

Caso a denúncia não seja julgada nos dias citados acima, a denúncia só voltará a ser apreciada em fevereiro, pois em janeiro não tem julgamento. Se a denúncia for aceita, é instaurada uma ação penal que corre no próprio STF, pois Fernando Bezerra Coelho, tem foro privilegiado por ser político.



ENTENDA O CASO

A denúncia acusa o senador Fernando Bezerra Coelho de ter recebido vantagens indevidas em 2010 por meio de doações eleitorais feitas pelas empresas citadas acima e contratadas para implantar a Rnest. O senador foi secretário de Desenvolvimento Econômico e presidente do Porto de Suape na gestão do ex-governador Eduardo Campos (PSB), falecido em 2014. A suspeita é de que os recursos tenham sido usadas na campanha eleitoral do então governador Eduardo Campos (PSB) em 2010.

“As doações eleitorais oficiais podem ser estratégias utilizadas para mascarar o recebimento de repasses indevidos, além de contratos fictícios com pessoas interpostas. Os indícios da prática de lavagem ou branqueamento de capitais reside em inúmeras transferências bancárias”, afirmou Fachin.

Já o ministro Gilmar Mendes defendeu não haver prova de envolvimento pessoal de Bezerra nos recursos da campanha de Campos. Ainda durante o julgamento, a defesa do Fernando Bezerra Coelho afirmou que o parlamentar não participou da campanha de Eduardo Campos e que a denúncia está amparada somente em depoimentos de delatores.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC recall de marcas 2017 JC recall de marcas 2017
Conheça o ranking das marcas que têm conseguido se manter no topo da preferência dos pernambucanos. O rol é resultado de uma pesquisa realizada pelo Instituto Harrop, há duas décadas parceiro do Jornal do Commercio na realização da premiação
10 anos do IJCPM 10 anos do IJCPM
O Instituto João Carlos Paes Mendonça de Compromisso Social (IJCPM) comemora 10 anos de história, contribuindo para transformar a vida de jovens de comunidades com histórico de desigualdade social nas cidades de Recife, Salvador, Fortaleza e Aracaju
Chapecoense: um ano de saudade Chapecoense: um ano de saudade
Um ano de saudade. Foi isso que restou. A maior tragédia do esporte mundial, no dia 29 de novembro de 2016, quando houve o acidente aéreo com a delegação da Chapecoense, em Medellín, na Colômbia, fez 71 vítimas. Entre elas, dois pernambucanos

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM