Jornal do Commercio
REFORMA DA PREVIDÊNCIA

Previdência: idade e teto de contribuição podem valer para estados

Líder do governo na Alepe, Isaltino Nascimento diz que mudanças na previdência podem valer automaticamente para estados

Publicado em 05/12/2017, às 07h35

Segundo Isaltino Nascimento (PSB), estados terão seis meses para reformar previdência / Foto: Roberto Soares/Alepe
Segundo Isaltino Nascimento (PSB), estados terão seis meses para reformar previdência
Foto: Roberto Soares/Alepe
Paulo Veras

Pelo menos duas das medidas discutidas nacionalmente pela reforma da Previdência podem ser reproduzidas para os Estados, avalia o líder do governo na Alepe, Isaltino Nascimento (PSB), servidor de carreira do INSS. A primeira delas é a idade mínima para requisitar a aposentadoria. A segunda é o teto de contribuição de R$ 5 mil que interfere no quanto o trabalhador vai receber.

Na semana passada, o governador Paulo Câmara (PSB) admitiu que com a alteração da Constituição feita pela reforma, a aposentadoria dos servidores estaduais pode ter de passar por mudanças.

Embora a previdência represente hoje a segunda maior despesa do orçamento, Isaltino diz que não há discussões em andamento sobre a necessidade de se fazer ajustes na previdência do Estado. Apesar disso, ele lembra que a reforma nacional prevê um gatilho de seis meses durante os quais os Estados e municípios poderão decidir se legislam sobre os regimes próprios dos servidores. Se não fizerem, as normais nacionais passam a valer automaticamente.

“Os professores têm hoje uma previdência especial por conta da idade da aposentadoria. A medida que ela aumenta, você aumenta o tempo de contribuição deles. E precisa ver qual é o corte, qual a regra de transição”, argumenta o deputado do PSB.



Teto de contribuição

Isaltino admite que o teto de benefício atingirá uma parcela menor dos servidores, já que apenas algumas carreiras ganham acima dos R$ 5 mil. A lista, porém, inclui servidores em funções centrais do Estado, como os técnicos da Secretaria da Fazenda.

“E, por exemplo, da Polícia Militar; coronéis. Da Polícia Civil; delegados. Algumas funções que têm carreiras com um nível de remuneração maior. Agora qual montante é esse, proporcionalmente, eu não sei precisar”, admite o parlamentar.

“O efeito financeiro para o Estado não se tem noção ainda porque dependerá da forma como a regra for aprovada”, lembra o socialista.


Recomendados para você


Comentários

Por Sincero,06/12/2017

Opa.. sr Tricolor, então monte uma empresa no Brasil e veja como é árduo se manter diante de tantos impostos... Ah.. tente ser político sem $$ para investir na campanha p/ ver se ganhas alguma eleição?! Se conseguires algo creio que será para síndico. Ah... passar numa seleção difícil p/ ser servidor e ter inúmeros garantias, entre elas a melhor de todas 'estabilidade financeira' ganhar do Erário, 20 a 30mil reais, ter direito a bizarra 'licença-prêmio' (coisa de brasileiro folgado) e ainda ser recompensado com $$$ pelo direito de três férias a cada 5 anos não gozadas. Cara, isso é 100000 vezes melhor que um FGTS cujo rendimento é menor do que da poupança! Quem teve a oportunidade de morar 5 a 10 anos na Europa, por exemplo. percebe bem essa bitolação pelo serviço público brasileiro, concurso, com muita teoria e pouca prática, isso é coisa de brasileiro e de um sistema de Estado máximo, onde o indivíduo entra com intuito de ganhar $$, trabalhar abaixo da média e ter estabilidade financeira, e ainda com risco mínimo de demissão por ineficiência. Coisa de 'mamador' msm... sistema baiano de ser... Muitos 'concursados' ai... nunca bateram um prego na barra de sabão. Apenas trancaram-se no quarto e passaram anos a fio estudando... e produzindo apenas fezes e xixi durante o tempo de reclusão e estudo. Recompensa o Estado dá garantia, trabalho manso e até direito a greve, se duvidar... kkkkkkkkkkk... Ainda perguntam pq esse país não vai para frente?! Antes de dizerem q sou choram... Sou filho de funcionário público, mas graças à Deus fiz minha vida fora.. e aconselho a todos passarem um tempo morando fora do Brasil, onde a 'direita' chega a ser mais 'esquerda' do que a esquerda do Braza!!! Então meu velho... esquece esse negócio que ser servidor público tem que ser "blindado" de tudo.. que só iniciativa privada que tem q pagar o pato. Abraço

Por Tricolor,05/12/2017

Sr Sincero, o problema é mudar a regra do jogo no final do segundo tempo. o funcionário mais graduado, fez um concurso, com milhares de concorrentes por causa dos benefícios que teria, eles não tem FGTS, e já pagam 13,5% para a previdência. e 27,5 de imposto de renda, ou seja 1/3 do salário fica retido. se não fosse assim ele teria montado uma empresa, poderia ser político, e colocar a culpa toda no funcionário público é um pouco demais !

Por Sincero,05/12/2017

Nesse momento Paulo Câmara e cia do PSB tão mais preocupados com suas poupudas aposentadorias... nesse meio tem juiz, auditor, procurador e por ai vai... Essa turma de servidor público que se meteu na política, graças ao vinculo familiar (Arraes/Campos). Mas não se enganem... eles estão mais preocupados com SUAS respectivas aposentadorias... Já que a maioria do povo ganha menos de R$ 5.500,00. AGORA os que fazem parte da elite do funcionalismo e que estão no patamar dos 20mil a 30mil reais, tipo: Paulo Câmara e Geraldo Julio - são que mais choram com a reforma previ, pois alguns vão ter que fazer uma previdência complementar. O governador Paulo Câmara, assim como Geraldo Julio tão é de pirraça... pq querem se safar da nova regra, na cabeça deles é melhor arrombar de vez o rombo da previdência estadual, do que mexerem nas aposentadorias dos 'graúdos'... Vale aquele velho ditado: "Farinha pouca, meu pirão primeiro".



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC recall de marcas 2017 JC recall de marcas 2017
Conheça o ranking das marcas que têm conseguido se manter no topo da preferência dos pernambucanos. O rol é resultado de uma pesquisa realizada pelo Instituto Harrop, há duas décadas parceiro do Jornal do Commercio na realização da premiação
10 anos do IJCPM 10 anos do IJCPM
O Instituto João Carlos Paes Mendonça de Compromisso Social (IJCPM) comemora 10 anos de história, contribuindo para transformar a vida de jovens de comunidades com histórico de desigualdade social nas cidades de Recife, Salvador, Fortaleza e Aracaju
Chapecoense: um ano de saudade Chapecoense: um ano de saudade
Um ano de saudade. Foi isso que restou. A maior tragédia do esporte mundial, no dia 29 de novembro de 2016, quando houve o acidente aéreo com a delegação da Chapecoense, em Medellín, na Colômbia, fez 71 vítimas. Entre elas, dois pernambucanos

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM