Jornal do Commercio
governo do estado

Reta final para Paulo Câmara terminar o que começou

Com eleições pela frente e contas apertadas, Paulo Câmara tem o desafio em 2018 de cumprir todos os pontos da agenda que prometeu aos pernambucanos quando se elegeu, em 2014

Publicado em 03/02/2018, às 15h15

Governador de Pernambuco se prepara para o julgamento da sua gestão nas urnas, em outubro / Foto: Luiz Pessoa/JC Imagem
Governador de Pernambuco se prepara para o julgamento da sua gestão nas urnas, em outubro
Foto: Luiz Pessoa/JC Imagem
Mariana Araújo

O governador Paulo Câmara (PSB) ingressou no seu quarto ano de mandato com o desafio de concluir um ousado plano de governo apresentado na campanha de 2014. Eleito com 68,08% dos votos no pleito daquele ano, o socialista conseguiu tirar poucas obras do papel. O plano de governo é um documento com 58 páginas e está dividido em quatro eixos: Qualidade de vida, Desenvolvimento sustentável, Desenvolvimento social e direitos humanos e Gestão participativa e transformadora. A maior parte das propostas relativas a obras está concentrada no primeiro eixo, voltado para a qualidade de vida.

O JC encaminhou para o governo do Estado 43 questionamentos sobre o plano de governo do socialista (parte delas presentes na arte ao lado). Desde que assumiu o governo, em 2015, Paulo Câmara caminhou ao lado de uma das maiores crises econômicas e políticas que o Brasil ainda atravessa. A alta da inflação, aumento do desemprego e redução dos investimentos atingiram em cheio a sua gestão, como também boa parte das administrações estaduais e municipais pelo País. É com base nessa crise que o socialista justifica o investimento aquém do esperado.

E, na semana passada, o governo divulgou o balanço fiscal do ano de 2017. Os dados não foram animadores. As contas fecharam com um déficit de R$ 292,2 milhões, acima do valor projetado (R$ 255,9 milhões). Embora a receita tenha crescido 6,9%, alavancada principalmente pelo incremento de 4% no ICMS (uma das principais fontes arrecadadoras do Estado), Paulo Câmara viu sua despesa com folha de pessoal escapar por pouco do limite prudencial. O gasto com pagamentos de servidores alcançou 47,09%, apenas 0,03% abaixo do permitido na legislação. Esse percentual foi o resultado da contratação aproximadamente 10 mil novos servidores. Também houve uma queda de 3,3% no repasse do Fundo de Participação dos Estados (FPE).

“O governo fez uma escolha. A opção era investir o limite de educação, que é de 25% e o Estado investiu 28,6%. O limite mínimo para investimento na saúde é 12% e o governo investiu 18,4%. Só nessas duas rubricas, foi R$ 1,2 milhão. Poderia não ter investido mais do que o limite e não ter tido o déficit, mas precisou garantir as UPAs, garantir os hospitais, garantir o investimento nas escolas de tempo integral e escolas técnicas. Não tem problema fiscal, foi uma opção política feita”, defendeu o líder do governo na Alepe, Isaltino Nascimento (PSB).



PROPOSTAS

No primeiro eixo do programa estão promessas como a duplicação do salário dos professores, a construção de cinco hospitais, a implantação do Pacto Pela Vida Municipal, construção de 20 Compaz, contratação de 8,5 mil profissionais de segurança, ampliação das vagas do sistema prisional e socioeducativo, implantação da Adutora do Agreste, construção de barragens, implantação de corredor exclusivo de BRT ou VLT na Avenida Norte, implantação do bilhete único com tarifa única de transporte na RMR e construção de 20 mil novas unidades habitacionais.

Referente ao desenvolvimento sustentável, havia a proposta de criação de linhas de estudos na Facepe, a articulação da implantação do Arco Metropolitano, requalificar a BR 232 entre Recife e São Caetano e duplicação entre São Caetano e Arcoverde. No terceiro eixo, de Desenvolvimento social e direitos humanos, há propostas como a Fundo Estadual de Políticas para as Mulheres e a implantação de um escritório de projetos e compartilhar suas atividades com os municípios.

OPOSIÇÃO

No final de 2017, a bancada de oposição ao governador lançou um documento com o balanço dos 3 anos de governo de Paulo Câmara. O documento aponta o crescimento da violência como um dos principais problemas enfrentados pelos socialistas, além da falta de investimentos, o que, segundo os parlamentares, transformou Pernambuco “num imenso canteiro de obras paradas”. O balanço analisa o andamento de 60 obras e ações que, segundo a oposição, constam como não iniciadas, paralisadas ou inacabadas.

Em dezembro, Paulo Câmara afirmou ao JC que priorizou o que era mais importante e fundamental ao longo dos três primeiros anos de governo. “Há questões que foram colocadas na campanha que infelizmente não puderam ser feitas, mas que são importantes para Pernambuco”, admitiu o governador. “Acho que o plano de investimentos de Pernambuco poderia ter avançado mais, se tivéssemos recursos, mas a crise foi muito perversa. (...) Isso é frustração que envolve dia a dia, principalmente nessa área que é o presente das pessoas, segurança e saúde, mas o que é fundamental é que a gente não se descuidou do futuro. A educação é a agenda do futuro”, acrescentou o socialista, usando como exemplo a área que mais teve avanços no seu governo.


Recomendados para você


Comentários

Por alberto,04/02/2018

ANTES DE ELE DEIXAR O GOVERNO ELE TEM QUE CUMPRIR TAMBÉM A PROMESSA DE CAMPANHA DE DELE ....O RECIFENSE IA RODAR O RECIFE COM APENAS UMA PASSAGEM DE 2,20$ ....BEM.... ELE TEM TEMPO AINDA PRA FAZER ISSO NÉ????????????? SERA QUE VAI??????? KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK VOU DEIXAR ESSA PRO ELEITORES DELE....RSRSRSRSRS

Por Alexandre,04/02/2018

Se ele conseguir sair do governo sem atrapalhar mais já é uma vitória. Falta destruir o quê mais a Conde da Boa Vista? Caxangá, PE15? BR101? UPAs? Hidrovia do Capibaribe? Arena dos Problemas? Via áerea do Transposição do São Francisco? Eu votei nele - Arrependido! Eu acredite...

Por Henrique Pessoa ,04/02/2018

Se ele comseguir gerir MINIMAMENTE 2 pontos já é suficiente: mobilidade e segurança pública. Seguramente nos temos os piores indicadores neste sentido. Se ficarmos num patamar "ruim", para este governo está bom demais.

Por ricardo,04/02/2018

EU ESTOU ANSIOSO PARA NO DOMINGO DA ELEIÇÃO DAR O TROCO A ESTE QUE FOI UM DOS PIORES GOVERNADORES DE PERNAMBUCO. FORA! AMADOR.

Por Monteiro,04/02/2018

Não terminar nada, porque ele não fez nada.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva
Rodoviários: ''máquinas'' sem manutenção Rodoviários: ''máquinas'' sem manutenção
Carga horária excessiva, más condições de trabalho, terminais sem estrutura apropriada e os riscos ocupacionais aos quais estão submetidos. O transporte rodoviário está em quarto lugar entre as profissões com mais com comunicações de acidentes de trabalh
#UmaPorUma #UmaPorUma
Existe uma história para contar por trás de cada assassinato de mulher em Pernambuco. Uma por uma, vamos contar todas. Mapear onde as mataram, as motivações do crime, acompanhar a investigação e cobrar a punição dos culpados. Um banco de dados virtual.

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM