Jornal do Commercio
COALIZÃO

Aliados de Paulo Câmara continuam na base de Michel Temer

O PSB anunciou oposição a Temer em 2017. Ainda assim, siglas da base do governo federal – como PP, PR, PSD, SD, PSL e PMDB – continuam com Paulo em PE

Publicado em 12/02/2018, às 07h00

Paulo faz publicamente críticas ao governo Temer / Foto: Valter Campanato/Agência Brasil
Paulo faz publicamente críticas ao governo Temer
Foto: Valter Campanato/Agência Brasil
CÁSSIO OLIVEIRA
coliveira@ne10.com.br

O governador Paulo Câmara (PSB) tem no palanque da Frente Popular aliados importantes e que, ao mesmo tempo, são de partidos da base do presidente Michel Temer (PMDB). Curiosamente, os socialistas tentam colar a imagem – e a impopularidade – do presidente no grupo de oposição composto pelos senadores Armando Monteiro (PTB) e Fernando Bezerra Coelho (PMDB), mais os ministros da Educação, Mendonça Filho (DEM), e das Minas e Energia, Fernando Filho (sem partido), além do deputado federal Bruno Araújo (PSDB), ex-ministro das Cidades.

Na última semana, o prefeito do Recife, Geraldo Julio (PSB), usou o chavão “turma do Temer” para identificar o bloco Pernambuco Quer Mudar, dizendo que defendem aumento da conta de energia com a privatização da Eletrobras. Armando Monteiro rebateu falando que o socialista deveria se incluir na “turma”, pois o PSB votou pelo impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT).
A estratégia política de evitar a identificação com Temer tem justificativa nos números. Pesquisa Datafolha, divulgada em 31 de janeiro, mostrou que o presidente tem 60% de rejeição. Além disso, 87% dos entrevistados disseram que não votariam no candidato indicado por ele. Em um dos cenários eleitorais, Temer aparece com 1% das intenções de voto.

Em maio do ano passado, em meio à crise política causada pelas delações da JBS, o presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, anunciou que a legenda faria oposição e defenderia a renúncia de Temer. Ainda assim, siglas da base do governo federal – como PP, PR, PSD, SD, PSL e PMDB – continuaram marchando com os socialistas em Pernambuco.

As circunstâncias posicionam em um mesmo palanque deputados como Fernando Monteiro (PP) e Augusto Coutinho (SD) – que votaram a favor das principais pautas de Temer –, Danilo Cabral (PSB) e Wolney Queiroz (PDT), contrários às propostas do peemedebista.

As divergência no palanque não param por aí. O presidente do PSL, Luciano Bivar, patrocina a candidatura de Jair Bolsonaro (PSC) para presidente da República. Já a presidente do PCdoB, Luciana Santos, lançou o nome da comunista gaúcha Manuela D'Ávila (PCdoB). Ambos, porém, têm o mesmo candidato a governador: Paulo Câmara.



VOTAÇÕES PRÓ-GOVERNO TEMER

Em agosto passado, a pedido do seu partido, o PR, o secretário de Transportes do Estado, Sebastião Oliveira, foi exonerado por Paulo para reassumir o cargo de deputado federal e votar para barrar a denúncia contra Temer. Na época, o governador disse que seu governo tinha “uma grande frente de partidos” e que, mesmo com pensamento diferente do secretário, teria que respeitar.
Sebastião disse não ver problema em o PR integrar a base de sustentação de Paulo Câmara. “Nunca fui informado por nenhum socialista que isso causa algum incômodo. O diretório estadual do PR possui total autonomia para decidir o destino da sigla em Pernambuco. Além disso, há outros partidos que compartilham da mesma situação: são aliados de Paulo e Temer. Só permanecemos nos lugares onde nos querem. Qualquer coisa, é só falarem”, disse.

O ministro Raul Jungmann (Defesa), que preferiu não se pronunciar sobre o assunto, também está na base de Paulo mesmo ocupando uma pasta no governo Temer. O deputado Bruno Araújo (PSDB), inclusive, já cobrou que Paulo se pronunciasse sobre a questão. Também procurado, o deputado André de Paula não foi localizado.

O deputado federal Jarbas Vasconcelos (PMDB), que votou a favor das denúncias contra Temer, mas foi favoravelmente à reforma trabalhista, disse ter consciência e convicção, “sem muito lastro com alinhamento partidário”. Através da assessoria, disse votar de acordo com a importância do assunto e no que acredita. Não por direcionamento de bancada. O parlamentar ainda destacou não ver constrangimento em se posicionar de forma diferente ao que o PSB prega: “É da política, é normal, as divergências e o respeito a elas”.

Para o presidente estadual do PP, deputado federal Eduardo da Fonte, também se descola do partido em algumas votações. O líder do governo na Câmara, Aguinaldo Ribeiro, é do PP. Eduardo da Fonte votou pela reforma trabalhista e pela PEC do Teto dos gastos públicos. Mas também votou a favor das denúncias. “É preciso fazer distinção. O partido faz parte da base de Temer, mas optei por não fazer nenhuma indicação no governo. A gente trabalha pela estabilidade do País. Temos que ser responsáveis com nossos votos. Na votação para manter Temer, por exemplo. Mais uma eleição seria ruim para o País, e nós temos que gerar normalidade política. Não torço pelo quanto pior melhor”, disse o parlamentar.

Dentro do próprio PSB, há aqueles mais alinhados com o governo Temer, como o deputado federal Marinaldo Rosendo. Ele votou a favor das pautas do presidente, contrariando a orientação da bancada na Câmara. Em entrevista recente ao, ele já afirmou que deve deixar a sigla até abril e migrar para o DEM, de Mendonça Filho, que faz oposição a Paulo Câmara. Outra opção seria se filiar ao PMDB, caso Fernando Bezerra consiga o controle da sigla. A reportagem do JC procurou o Palácio do Campo das Princesas, mas assessoria de imprensa informou que o governador Paulo Câmara não iria comentar o assunto.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM