Jornal do Commercio
ELEIÇÕES 2018

Janela partidária pode influenciar a eleição em Pernambuco

Janela partidária tem início nesta quarta-feira (7) e terá potencial para alterar a correlação de forças na política estadual

Publicado em 07/03/2018, às 07h01

'Vai chegar um momento em que, se o assunto não estiver resolvido, cada um vai fazer sua avaliação (sobre ficar no MDB)', afirma o vice-governador Raul Henry / Foto: Diego Nigro/JC Imagem
'Vai chegar um momento em que, se o assunto não estiver resolvido, cada um vai fazer sua avaliação (sobre ficar no MDB)', afirma o vice-governador Raul Henry
Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Cássio Oliveira e Paulo Veras

A partir desta quarta-feira (7), está aberta a janela de um mês que permite aos políticos com mandato trocar de partido até o próximo dia 7 de abril, buscando legendas com melhores condições de se reeleger. Em Pernambuco, pelo menos três movimentos podem alterar a correlação de forças políticas: a briga pelo comando do MDB, o crescimento do PP e a migração para uma nova legenda do presidente da Assembleia Legislativa (Alepe), Guilherme Uchoa (PDT).

A briga pelo comando do MDB terá efeito, inclusive, na formação das chapas majoritárias, já que o senador Fernando Bezerra Coelho busca se viabilizar como candidato ao governo do Estado, enquanto o deputado federal Jarbas Vasconcelos busca uma das vagas do Senado na chapa do governador Paulo Câmara (PSB). Em meio a indefinição pela batalha jurídica que se arrasta desde setembro, candidatos da sigla admitem em reserva que buscarão um caminho alternativo caso o prazo final para mudança de sigla se aproxime sem definição.

“Estão todos nos dando um crédito de confiança. Mas vai chegar um momento em que se o assunto não estiver resolvido, e eu espero que esteja, cada um vai fazer a sua avaliação. A gente não vai poder falar pelos outros. No momento, nós estamos recebendo solidariedade integral de todos”, afirma o vice-governador Raul Henry, presidente do MDB-PE.

PP em expansão

Em contrapartida, o PP passa por ampla fase de expansão; inclusive impulsionada por socialistas que querem deixar o arriscado chapão da Frente Popular para concorrer em chapinhas. É o caso do deputado federal Marinaldo Rosendo e dos estaduais Vinícius Labanca, Marcantônio Dourado e Roberta Arraes, todos do PSB. Eriberto Medeiros (PTC) também deve fazer a transição para concorrer a federal. “Estou indo para o PP nos próximos dias. Não dá para tentar a reeleição no PSB. A chapinha é o caminho”, admite Rosendo.

Segundo o deputado federal Eduardo da Fonte, presidente do PP-PE, o partido espera eleger ao menos 12 deputados estaduais, podendo se tornar a principal força política na Alepe. E mira uma vaga na chapa majoritária, prioritariamente para o Senado. “O PP construiu um caminho de compromisso. Isso é fruto da nossa posição em 2014 de não ceder na formação de chapinhas, como não cedemos”, explica.



O peso de Uchoa

A janela partidária também servirá para ajustes em outros partidos. Para o cientista político Elton Gomes, professor da Faculdade Damas, a principal delas será a saída de Guilherme Uchoa do PDT, após o partido ter vetado a entrada do filho dele, Guilherme Uchoa Júnior, para concorrer a deputado federal. Hoje, o presidente da Alepe promete levar consigo para qualquer legenda outros três parlamentares pedetistas: Jadeval de Lima, João Eudes e Pedro Serafim Neto.

“É um ator político de muita relevância, que já controla há 12 anos a pauta do Legislativo e foi vital para a aprovação de projetos de interesse do Executivo. Ele passa a ser um ativo político muito poderoso. Se for para o partido do governador, por exemplo, robustece ele ainda mais. Se ele for para uma legenda intermediária, ele dará a ela mais poder de barganha para ter cargos e benefícios para apoiar o governador”, explica.

Outra mudança chave é a do deputado federal Daniel Coelho, que pode trocar o PSDB pelo PPS para concorrer ao Senado. Até o dia 20, Fernando Monteiro (PP) decide se ingressa no MDB, no PR ou no PSD. Na Assembleia Legislativa, Álvaro Porto já anunciou que deixará o governista PSD para voltar ao oposicionista PTB pelo qual se elegeu em 2014.

Os sem partido

Hoje sem partido após deixar o PSB para continuar no governo Michel Temer, o ministro de Minas e Energia, Fernando Filho, espera ingressar no MDB, mas não o fez ainda por causa da indefinição se o seu pai, o senador Fernando Bezerra Coelho, conseguirá a presidência da sigla. Um “plano B” seria o DEM, do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, de quem é próximo.

O segundo deputado federal pernambucano sem partido, Cadoca, também ia ingressar no MDB, mas suspendeu o movimento por causa da batalha interna. “Ainda não tenho decisão tomada. Vou tomar dentro do prazo que a lei estabelece. Estamos tentando montar uma chapa, mas isso ainda leva um tempo, não há nada definido. Conversei com vários partidos, mas tem que afunilar para tomar a decisão”, confirmou o parlamentar, que participou do almoço que selou a criação da chapinha com PP, SD, PDT e PCdoB.


Recomendados para você


Comentários

Por Carlos Seve,07/03/2018

Fisiologismo! As questões que interessam às pessoas e as propostas são, na melhor das possibilidades, secundárias. Quem vota por interesse próprio não pode reclamar da corrupção no país. Os piores e mais caros políticos do mundo!

Por ismael barbosa campos,07/03/2018

Eu creio na força do povão que irá erguer a cabeça e mandar essa corja de ladrão pro inferno.

Por LYRA,07/03/2018

Parece mais com as quadrilhas dos morros do RJ, sem querer ofender as mesmas, ou seja, é ladrões/bandidos/traficantes mudando de facções criminosas a toda hora, em busca de facilidades para continuarem com suas falcatruas pois, para BANDIDO, entendam-se políticos, o importante é como desviar verbas públicas e receber propinas, esses são os grande objetivos dessa grande quadrilha que é a podre politica nacional.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM