Jornal do Commercio
ELEIÇÕES 2018

Sem Eduardo, PSB tem nova chance de conquistar protagonismo nacional

Com 11 candidatos a governador, PSB pode lançar Joaquim Barbosa como candidato ao Palácio do Planalto

Publicado em 15/04/2018, às 09h00

O ex-presidente do STF, Joaquim Barbosa, pode ser candidato a presidência pelo PSB, mas enfrenta resistências / Foto: Agência Brasil
O ex-presidente do STF, Joaquim Barbosa, pode ser candidato a presidência pelo PSB, mas enfrenta resistências
Foto: Agência Brasil
Paulo Veras

Quarenta e cinco milhões de eleitores governados em cinco Estados, onze pré-candidatos a governador e a possível candidatura presidencial do ex-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) Joaquim Barbosa. Menos de quatro anos após a morte do ex-governador Eduardo Campos em plena corrida ao Planalto, o PSB tem uma segunda chance de deixar de ser um partido regional e se consolidar como protagonista no cenário nacional.

Após a morte de Eduardo, o PSB amargou anos de divergências entre Estados mais próximos do PSDB e outros do PT, e uma forte divisão entre apoiar ou não o governo Michel Temer (MDB). Por isso, encolheu de 34 para 25 o número de deputados federais e de seis senadores para quatro. Desde a última semana, porém, ao assumir as gestões de São Paulo e Rondônia após a desincompatibilização de ex-governadores que disputarão eleição, o PSB se tornou o partido que governa o maior número de eleitores em todo o País.

“É muito relevante um partido ter o maior número de brasileiros sendo governados no plano estadual com uma margem muito larga em relação aos outros partidos. É muito importante para nós. Um partido que começou há muitos anos atrás com uma atuação mais regional cresceu, teve uma candidatura à Presidência da República competitiva. Governar São Paulo (com Márcio França) é uma conquista muito forte”, explica o prefeito do Recife, Geraldo Julio, secretário nacional do partido.

Além de Pernambuco, onde o governador Paulo Câmara tentará a reeleição, o PSB tentará o governo também em São Paulo, Minas Gerais, Espírito Santo, Distrito Federal, Tocantins, Amapá, Rondônia, Sergipe, Paraíba e Rio Grande do Norte. Só na próxima semana, a Executiva Nacional deve concluir um balanço sobre quantos deputados federais e senadores espera eleger, mas o deputado pernambucano Tadeu Alencar, que assumirá a liderança da bancada em junho, diz que a sigla tem chances de fazer 40 parlamentares. “Para aqueles que achavam que sem Eduardo Campos nós íamos nos esfacelar, nós temos crescido sistematicamente”, explica Tadeu.

As disputas estaduais e a formação de uma ampla bancada capaz de garantir tempo de TV e financiamento público devem ser prioridades do PSB. Por isso, há incerteza em relação à candidatura presidencial de Joaquim Barbosa. O ex-ministro do STF, relator do Mensalão, é conhecido nacionalmente e tem mostrado resultados consistentes nas pesquisas internas, mas é também um neófito a seis meses das urnas, em um cenário onde o PSB precisa priorizar esforços, inclusive financeiros.



“O que nós queríamos, e estamos conseguindo, é que as resistências que haviam contra a possibilidade de ele ser candidato foram tremendamente atenuadas. Pode haver uma questão pontual. A gente evoluiu muito do ponto de vista de consolidar essa candidatura”, garante o presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, que vê em Barbosa um candidato de densidade eleitoral.

Resistências a Barbosa

Mas o fato é que Barbosa ainda enfrenta fortes resistências no PSB, inclusive em São Paulo e Pernambuco, os dois principais focos de poder político da legenda após a morte de Eduardo. Na última semana, o ex-ministro Aldo Rebelo deixou o partido e se filiou ao Solidariedade por discordar da candidatura.

“Pessoalmente, acho que é um equívoco Joaquim Barbosa ter se filiado ao PSB. Na minha ótica, ele inaugurou no País em 2005 essa visão falsa da demonização da política. Não acredito que é um quadro que vá contribuir para uma alternativa do PSB do ponto de vista do poder nacional. Acho que a saída é construir uma aliança com os partidos de esquerda”, opina o deputado estadual Isaltino Nascimento (PSB), líder do governo Paulo Câmara no Legislativo.

Para o cientista político Elton Gomes, professor da Faculdade Damas, o plano do PSB de se tornar a terceira força política nacional em 2014 foi frustrado pela morte prematura de Eduardo. “Agora, o PSB procura se reenergizar compondo alianças estratégicas no nível regional e mediante a entrada de um outsider, uma pessoa que vem de fora da arena política tradicional, que é o Joaquim Barbosa. É uma figura que goza de credibilidade, mas não vejo ele como um presidenciável viável. Até porque o PSB não tem a máquina político-partidária com condições de se sobrepor e eleger um presidente da República. É um momento difícil para todas as legendas”, explica.


Recomendados para você


Comentários

Por Lucy,16/04/2018

Joaquim Barbosa é que deveria ter entrado num partido mais enfático então. E não nesse partidozinho que fica se aliando a quem for conveniente e comendo pelas beiradas.

Por Joao Lustosa,16/04/2018

Os " experientes" nos levaram ao caos. Hora dos neófitos chegou.

Por Hélio,15/04/2018

Ai é que se enganam, entre a esquerda cega de amor que afunda abraçada com lula, a direita extremista de Bolsonaro e o tal centrão atolados em casos de corrupção, fico com Joaquim Barbosa sem pensar duas vezes.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM