Jornal do Commercio
IRREGULARIDADES

MPF denuncia ex-prefeito de Camaragibe por suposto desvio de verba da Educação

Além do ex-prefeito João Lemos, outras seis pessoas denunciadas. O MPF aponta que o prejuízo aos cofres públicos foi de quase R$ 460 mil, em valores atualizados

Publicado em 15/05/2018, às 18h13

As irregularidades ocorreram entre os anos de 2011 e 2012 / Foto: Priscila Burh / Acervo JC Imagem
As irregularidades ocorreram entre os anos de 2011 e 2012
Foto: Priscila Burh / Acervo JC Imagem
Da Editoria de Política

O Ministério Público Federal em Pernambuco (MPF-PE) ofereceu denúncia contra sete envolvidos em desvio de recursos do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb). Entre os denunciados está o ex-prefeito de Camaragibe, João Ribeiro de Lemos. O responsável pelo caso é o procurador da República João Paulo Holanda Albuquerque.

Segundo o MPF, as irregularidades ocorreram entre os anos de 2011 e 2012, no município pernambucano de Camaragibe. Mediante a compra superfaturada de notebooks, os envolvidos teriam aplicado indevidamente os recursos que deveriam ter sido destinados apenas à manutenção e desenvolvimento da educação básica e à remuneração de professores, conforme estabelece a legislação.

De acordo com as apurações, os envolvidos dispensaram indevidamente o processo licitatório para a compra dos computadores, em valores acima do praticado no mercado, e assim desviaram a verba federal para a empresa Zmax Indústria e Comércio. Foi identificado ainda que parte das máquinas adquiridas não foram entregues. O MPF aponta que o prejuízo aos cofres públicos foi de quase R$ 460 mil, em valores atualizados.



DENUNCIADOS

Foram denunciados, também, o ex-secretário de Finanças do município, Heliodoro de França Silva, o ex-secretário de Educação, Reginaldo Barros de Albuquerque, e a ex-secretária de Educação, Juliana Pimentel Boudoux, bem como os representantes da Zmax Indústria e Comércio Paulo Roberto Mendes, Aristóteles Gonçalves Fulgino de Melo e Felipe Grimaldi Lobo.

Na ação, o procurador da República requer à Justiça que os envolvidos sejam condenados pelo desvio dos recursos públicos e pela dispensa irregular de licitação. Requer ainda a condenação à reparação do dano causado. As penas previstas são de dois a 12 anos de reclusão.

NO ALVO DO MPF

Essa não é a primeira investida do MPF contra Lemos. No final de 2017, o MPF conseguiu, na Justiça Federal, o bloqueio dos bens do ex-prefeito de Camaragibe. Ele é réu em ação de improbidade administrativa por supostas irregularidades na aplicação de recursos federais provenientes do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva
Rodoviários: ''máquinas'' sem manutenção Rodoviários: ''máquinas'' sem manutenção
Carga horária excessiva, más condições de trabalho, terminais sem estrutura apropriada e os riscos ocupacionais aos quais estão submetidos. O transporte rodoviário está em quarto lugar entre as profissões com mais com comunicações de acidentes de trabalh
#UmaPorUma #UmaPorUma
Existe uma história para contar por trás de cada assassinato de mulher em Pernambuco. Uma por uma, vamos contar todas. Mapear onde as mataram, as motivações do crime, acompanhar a investigação e cobrar a punição dos culpados. Um banco de dados virtual.

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM